Ministério do turismo fará pesquisa com hotéis para formular soluções ao setor

 

Ainda nesta primeira semana de abril, o Ministério do Turismo irá iniciar uma pesquisa com os responsáveis pelos meios de hospedagem para identificar a percepção dos empresários desta parcela da indústria no País. O intuito é entender o segmento turístico para a formulação da políticas públicas voltadas para o setor, a partir da concepção das empesas sobre o desempenho da economia do turismo.

Os meios de hospedagem cadastrados junto à pasta receberão, por e-mail um questionário desenvolvido pela DEPES – Diretoria de Estudos Econômicos e Pesquisas-, responsável pelo estudo. Batizada de Sondagem Empresarial, a pesquisa será realizada a cada três meses e aborda aspectos relacionados ao desempenho das empresas e dos destinos turísticos em que estão inseridas.

O Ministro do Turismo, Marx Beltrão declarou que o objetivo dessa pesquisa é ampliar os conhecimentos do ministério em relação ao desempenho das empresas e a importância do turismo para o setor econômico brasileiro. “O resultado será de extrema relevância para a formulação de políticas para o desenvolvimento e fortalecimento do turismo no nosso País”, explicou.

A ideia é expandir esse levantamento para os demais segmentos do turismo e possibilitar que os resultados obtidos sirvam para orientar, além do setor público, as próprias empresas que têm no turismo sua fonte de renda. Todas as informações coletadas são confidenciais e, portanto, não haverá divulgação das respostas individuais dos empreendimentos. Em caso de dúvidas, entre em contato com o Depes no e-mail pesquisa@turismo.gov.br

 

Fonte: Revista Hotéis

Leia também

Conheça em detalhe o perfil do turista na temporada 2018

O litoral catarinense reúne diferentes perfis de turistas durante a temporada. As principais características de quem circulou no Litoral neste ano estão detalhadas na Pesquisa Turismo de Verão no Litoral Catarinense 2018realizada pela Fecomércio SC em Balneário Camboriú, Bombinhas, Florianópolis, Garopaba, Imbituba, Laguna, Porto Belo e São Francisco do Sul.

Nos últimos cinco anos a classe C foi o maior motor do turismo catarinense, variando de 57% a 65% do público desde o início da série histórica, mas dois movimentos chamam a atenção nesta temporada: o aumento da presença da classe A B de 14% para 19% e o recuo da D, de 14% para 9%.

O turismo na temporada é majoritariamente terrestre (90%). Sete a cada dez chegam ao destino de carro- 52,6% dos brasileiros, 15,3% dos argentinos, 1,6% dos uruguaios e 1,3% dos paraguaios- e os outros 15% de ônibus em linhas regulares ou fretados. A maioria (55,9%) dos visitantes também utiliza veículos próprios para deslocamento dentro da cidade, inflando o trânsito durante a temporada.

Os principais tipos de hospedagem foram os imóveis alugados (35,2%), hotéis/pousada/hostel (33,4%) e casa de parentes/amigos (20%). Um dado preocupante da pesquisa é a informalidade nas locações: 65,1% foram feitas direto com os proprietários ou zeladores, o que facilita a ação de estelionatários, deixa de gerar impostos para a cidade e traz insegurança para o turista. O Airbnb também cresceu significativamente, passando de 2,3% para 9,9%.

Até 2016 a divisão de turistas por sexo era bastante equilibrada. Em 2017 e 2018 houve uma oscilação no perfil: em 2017 predominou o sexo feminino (60,6%) e em 2018 o público foi mais masculino (66,5%).

Pelo menos a metade dos turistas é da faixa etária de 31 a 40 anos e de 41 a 50 anos, comportamento que já apareceu nas temporadas anteriores. Chama atenção o aumento do público jovem (26 a 30 anos), de 12,3% para 16, 9%, e a queda do público mais velho (51 a 60 anos e acima dos 60), de 16,2% para 11,7% e de 9,7% para 5,5%, respectivamente. O perfil dos destinos fica evidente na distribuição do turista por faixa etária: enquanto São Francisco do Sul tem 34% do público a partir dos 51 anos, as praias de Porto Belo/Bombinhas e Garopaba atraiu percentual significativo de visitantes até 30 anos, representando 44% em cada.

Outra mudança nesta temporada foi no estado civil dos turistas.  Os casados ou em união estável representam mais da metade, embora neste ano tenha recuado de 59,8% para 55,4%; enquanto os solteiros avançaram de 30,8% para 37,9%. As duas cidades com o público mais jovem têm também o maior percentual de solteiros, representando cerca de metade do público.

Os dados são apurados com turistas e empresários desde 2013.  A coleta de dados da Pesquisa Turismo de Verão no Litoral Catarinense 2018 ocorreu nos meses de janeiro e fevereiro, com 407 turistas. A margem de erro foi de 5% e o nível de confiança de 95% para a amostra estadual, com entrevistas diretas. Os empresários foram abordados por entrevistas telefônicas e somaram 552, garantindo uma margem de erro de 4% e nível de confiança de 95% para a amostra estadual.

 

Fonte: Fecomércio 

Leia também: Informativo ABIH-SC

Pesquisa sobre turismo no Litoral Catarinense mostra impactos da temporada para empresários

 

Os turistas desembolsaram em média R$ 4.130,90 na temporada, 33,9% a mais do que 2017 (R$3.085,26). O valor é calculado levando em conta a média de gastos por tipo, conforme relato dos turistas. Enquanto os gastos com lazer representaram aumento de 42,3% em relação ao ano anterior, as compras no comércio caíram 13,5%.

Para atender o aumento no fluxo de clientes, 39,4% dos estabelecimentos contrataram funcionários extras, especialmente bares e restaurantes e mercados e supermercados. A admissão foi maior no setor de hotelaria (63,2%).

Apesar da alta no ticket médio – valor médio que cada cliente gastou nas compras em um estabelecimento, exceto hotelaria- de R$ 135,28 para R$ 156,11, na percepção de mais da metade dos empresários o faturamento encolheu 8,1% em comparação a temporada passada. Já em relação ao outros meses, a avaliação é positiva (34,1%). Nas agências de viagens e operadores turísticos, que vendem de ingressos a pacotes completos de viagens, a alta chegou a 82,2%.

O gasto médio no setor de hotelaria foi de R$ 816,41, crescimento de 26% em relação ao ano anterior. Embora também tenha registrado retração (-0,8%), a queda desacelerou significativamente na comparação com 2017 (-12,5%). Na comparação com os outros meses, houve aumento de 68,3% no faturamento, puxado pelo aumento na média de permanência (5,8 dias) e taxa de ocupação (81,6%). A expansão no número de leitos (7,9%) também aponta mais otimismo e o início da recuperação do nível de investimentos do setor.

 

Fonte: Fecomércio 

Leia também

Convite para reunião de lançamento da 60º CONOTEL e EQUIPOTEL.

ABIH Nacional e Equipotel chegam a Florianópolis para divulgação do Conotel

Convite para reunião de lançamento da 60º CONOTEL e EQUIPOTEL.

A Associação Brasileira da Indústria de Hotéis de Santa Catarina – ABIH-SC com o objetivo de colaborar e reforçar a importância do Conotel – Congresso Nacional de Hotéis –  um dos eventos mais renomados da hotelaria, realiza sexta-feira, dia 13 de abril, no Centro Sul – Centro de Eventos Florianópolis- às 15:00 a reunião de lançamento da sua 60ª edição, para o trade turístico de Florianópolis em parceria com ABIH Nacional e com a Equipotel. Terá a participação do presidente da ABIH Nacional, Manoel Cardoso Linhares, que tem percorrido diversos estados para destacar a importância e participação de todo trade turistico para fazer da hotelaria e do turismo um dos setores mais fortes da economia, além do anfitrião e presidente da ABIH-SC, Osmar José Vailatti.

Com o tema a Retomada do Crescimento Hoteleiro, o Conotel será realizado em Fortaleza, nos dias 16 a 18 de maio e visa promover o intercâmbio entre os setores ligados ao turismo brasileiro e se transformar no principal ponto de encontro entre empresas, que oferecem produtos e serviços relacionados à arte de receber bem, e proprietários de hotéis, motéis, pousadas, bares, restaurantes, e outros estabelecimentos, que buscam soluções para o primor na habilidade de gerir o seu negócio e acolher o seu cliente, conectando demandas e necessidades às melhores soluções.

“Essa divulgação é muito importante para mobilizar o setor. Eventos como o Conotel e a Equipotel Regional são fundamentais para os profissionais se atualizarem, conhecerem novas empresas e produtos, além entrarem em contato com outros empreendedores, ativando uma cadeia muito rica e produtiva de troca de informações”, comenta o presidente da ABIH Nacional, Manoel Cardoso Linhares.

Leia também

Informativo ABIH-SC 29 de março

Receba semanalmente o informativo ABIH-SC

 

No Informativo ABIH-SC de 29 de março você vai ler:

Florianópolis está mais próxima de entrar na rota dos cruzeiros;- Apresentação do Novo Cadastur e da Implementação da Fiscalização;- Reunião técnica avalia obras de acesso ao novo aeroporto de Florianópolis;- Município da Grande Florianópolis tem a segunda melhor água termal do mundo;

 

Leia também:

Nº de turistas estrangeiros em SC aumenta

Visitantes de outros países representaram quase 30% do total neste verão. Entre brasileiros, gaúchos são maioria.

Os turistas foram ouvidos para a pesquisa entre janeiro e fevereiro deste ano. O objetivo foi traçar o perfil dos visitantes desta temporada. A Fecomércio ouviu mais de 400 turistas e quase 600 empresários.

Números

Os argentinos continuam sendo a maioria entre os visitantes estrangeiros. Em 2017, eram 10% do total de turistas. Nesta última temporada, esse número chegou a 23,5%.

Entre os brasileiros, os gaúchos ainda são os que mais visitam o nosso litoral: são quase 30% do total de visitantes internos.

A pesquisa mostrou também o quanto os turistas gastaram em média: R$ 156. Esse montante representa R$ 20 a mais do que na temporada anterior.

“O turismo este ano foi um turismo de melhor qualidade dos nossos visitantes. Ascenderam as classes A e B em detrimento de uma redução de turistas na classe D. Então, foi relativamente bom o verão no nosso litoral catarinense”, afirmou o presidente da Fecomércio de Santa Catarina, Bruno Breithaupt.

 Fonte: G1