Futuro da Promoção Turística é debatido em Workshop

Futuro da Promoção Turística é debatido em Workshop

Futuro da Promoção Turística é debatido em Workshop

Debate realizado no Ministério do Turismo teve como objetivo mostrar novas estratégias de marketing para conquistar turistas internacionais para o Brasil.

 

Tratar sobre a promoção do turismo brasileiro tendo em vista os novos perfis de turistas foi o assunto abordado no workshop “O Futuro da Promoção Turística” realizado nesta terça-feira (31), no auditório térreo do Ministério do Turismo. O encontro teve a presença do ministro do Turismo, Vinicius Lummertz, do secretário-executivo do MTur, Alberto Alves, da presidente da Embratur, Teté Bezerra, além do diretor de estratégias globais e serviços a clientes da consultora MMGY Global, Chris Pomeroy, o qual apresentou palestra para e colaboradores e servidores do MTur e Embratur.

“As práticas de promoção turística farão com que o número de visitantes internacionais que escolhem o Brasil como destino ultrapassem os dados atuais de 6,6 milhões verificado em 2017”, comentou o ministro Vinicius Lummertz.

De acordo com o canadense Chris Pomeroy, existe um processo de mudança no turismo mundial no qual as nações precisam estar atentas. O diretor, que tem experiência no segmento de marketing internacional há mais de 30 anos, trouxe ao público uma análise dos novos perfis de turistas, apontando suas escolhas e desejos dentro do segmento turístico.

Na análise, a internet foi apontada como uma importante ferramenta utilizada por esses perfis para uma busca segmentada. “Não existe mais uma linearidade nas buscas no roteiro das viagens e agora o comportamento de cada turista é único. Portanto, a estratégia de divulgação não pode estar baseada apenas em promover o destino, pois os consumidores já têm essa informação. O que deve ser feito é manter a marca daquele país ou destino estável no mercado”, narra o diretor.

Uma maneira para o uso dessa estratégia está em aproveitar a segmentação para trazer mais viajantes ao Brasil, conforme explica o palestrante, utilizando o item “atrativos naturais” para focar em turistas que gostam de esportes radicais ou ecoturismo.

 

Fonte: Ministério do Turismo