Posts

Ministério do Turismo destina recursos para construção do mirante de São João Batista (SC)

Ministério do Turismo destina recursos para construção do mirante de São João Batista (SC)

Obras de infraestrutura possibilitarão a moradores e turistas uma visão panorâmica da cidade de forma segura. Crédito: prefeitura de São João Batista (SC)

O Brasil é cheio de paisagens incríveis e nada melhor do que observá-las através de uma visão panorâmica de todo o horizonte. Para isso, o Ministério do Turismo financia obras de construção e revitalização de mirantes em todo o país e acaba de autorizar R$ 403,3 mil para a cidade de São João Batista, localizada a 80 km da capital paranaense, Florianópolis. Os recursos servirão tanto para pavimentação do acesso como para a construção de infraestrutura no Mirante Vargem Pequena.

“A partir deste investimento do governo federal em apoio ao município, a população que vive em São João e visitantes que passam pela cidade atraídos por suas belezas naturais terão à disposição mais um atrativo turístico. Esta infraestrutura que será montada permitirá a apreciação, de forma segura, de todo o cenário de belas paisagens, contribuindo para tornar ainda mais únicas as experiências vividas na cidade”, aponta o ministro do Turismo, Carlos Brito.

A expectativa é ampliar o fluxo de turistas em São João Batista, que poderão desfrutar da apreciação das paisagens que incluem vales, montes, cachoeiras e quedas d´água, por exemplo. As obras incluirão ainda a criação de uma rota acessível ao mirante com alargamento da pista e pavimentação, inclusive, uma rampa de acesso, sinalização e iluminação.

Na localidade de Vargem Pequena, em São João Batista, já existe uma trilha muito procurada por visitantes e esportistas que realizam a caminhada para chegar ao pico do Morro da Gurita. Com a instalação do mirante, aliada à caminhada, os turistas poderão apreciar também a vista do alto.

SÃO JOÃO BATISTA – A cidade tem entre os seus principais cartões-postais as águas cristalinas da Cascata do Fernandes e o Bosque municipal – cenários ideais para amantes da natureza. Outras opções são a Colônia Nova Itália, que remete aos primeiros imigrantes a chegarem ao Brasil e a Igreja Matriz, erguida na década de 1950 e que se tornou um dos símbolos da cidade.

Ainda com foco em turismo religioso, a cidade abriga a Comunidade Bethânia em memória ao Padre Léo, que manteve forte atuação junto às famílias e jovens no combate às drogas, com um espaço reservado para o encontro entre meditação e oração. Há ainda variedade de lojas de calçados que ficam às margens da rodovia SC-410 e que contribuem para impulsionar a economia da “capital catarinense do calçado”.

Por Amanda Costa

Assessoria de Comunicação do Ministério do TurismoCategoriaViagens e Turismo

Fonte: MTUR

https://ndmais.com.br/economia-sc/empresarios-de-turismo-e-eventos-preveem-crescimento-com-a-retomada-das-atividades-em-sc/

Empresários de turismo e eventos preveem crescimento com a retomada das atividades em SC

Em 2019, a economia brasileira e a catarinense avançavam a passos largos. O PIB (Produto Interno Bruto) fechou o ano com 1,1% de crescimento em relação a 2018 no país. Santa Catarina alcançou um PIB de R$ 323,26 bilhões em 2019, o sexto maior valor no Brasil. A variação em volume foi de 3,8%, representando o terceiro maior crescimento entre todos os Estados.Em março de 2020,  a pandemia de Covid-19 pegou a todos de surpresa. Com a ameaça e os riscos de exposição ao coronavírus, a economia, que crescia de forma significativa no Estado, parou – Foto: Anderson Coelho/Arquivo/NDEm março de 2020,  a pandemia de Covid-19 pegou a todos de surpresa. Com a ameaça e os riscos de exposição ao coronavírus, a economia, que crescia de forma significativa no Estado, parou – Foto: Anderson Coelho/Arquivo/ND

Com praias de tirar o fôlego, paisagens exuberantes e as mais variadas opções para os diferentes setores turísticos, como o de aventura, religioso, de eventos, corporativo, entre outros, a expectativa era de um salto no desenvolvimento econômico crescente nos anos seguintes.

Em março de 2020, no entanto, a pandemia de Covid-19 pegou a todos de surpresa. Com a ameaça e os riscos de exposição ao coronavírus, tudo parou. Os eventos foram paralisados por decreto estadual, o turismo também. Repentinamente, os planos, tão seguros quanto a atividade era considerada pelos visitantes no Estado, viraram incertezas e prejuízos enormes a serem contornados.

Os desafios impostos pela chegada do novo vírus mudaram, então, as relações pessoais, profissionais e transformaram os negócios em todos os segmentos econômicos nacionais e mundiais. Nos micro e pequenos negócios, esse impacto foi sentido de forma ainda mais acentuada, especialmente para quem dependia justamente dos encontros, reuniões presenciais para atuar.

“Foi um período muito difícil, principalmente no início da pandemia, quando houve o lockdown. Os hotéis foram muito afetados, porque ao contrário das lojas, do comércio, que tiveram uma saída e viram um salto gigantesco no ecommerce, a hotelaria necessita que o hóspede esteja dentro da nossa casa. Então, muitas vezes, chegou a ser desesperador. Nós, empresários do setor, conversávamos por grupos e nos encontrávamos sem reação, sem saber pra onde correr. Mais tarde as coisas se acalmaram e alguns segmentos tiveram uma reação mais rápida, como os hotéis fazenda, por exemplo, que foram muito procurados como um refúgio, como ambientes de isolamento. Depois os hotéis de praia também tiveram um retorno nesse sentido e proporcionar um alivio, principalmente para as crianças, que não aguentavam mais ficar em casa. Quem enfrentou e ainda enfrenta mais dificuldades é o turismo de negócios”, explica Rui Schürmann, diretor presidente da ABIH-SC (Associação Brasileira da Indústria de Hotéis de Santa Catarina).Setor hoteleiro foi um dos mais afetados pela pandemia e agora espera recuperar perdas na temporada, explica Rui Schürmann, diretor presidente da ABIH-SC (Associação Brasileira da Indústria de Hotéis de Santa Catarina) – Foto: Reprodução/NDTVSetor hoteleiro foi um dos mais afetados pela pandemia e agora espera recuperar perdas na temporada, explica Rui Schürmann, diretor presidente da ABIH-SC (Associação Brasileira da Indústria de Hotéis de Santa Catarina) – Foto: Reprodução/NDTV

Schürmann ressalta que alguns hotéis chegaram a demitir 80% do seu quadro. “Isso é muito triste, pois muitos estabelecimentos têm uma relação muito forte, de 20, 30 anos com seus funcionários, são praticamente da família”, afirma.

O dirigente conta que, aos poucos, com o avanço na vacinação, as atividades passaram a ser retomadas e que o momento agora é de esperança e muita expectativa para os próximos meses.

“Tivemos que tomar medidas mais fortes no início, para poder retomar as atividades depois. Quem não demitiu, não tomou providências rapidamente, ficou esperando a economia se recuperar em dois, três meses, fechou as portas, quebrou. Agora, felizmente, com o avanço na vacinação, o quadro é outro, há uma tranquilidade, com as UTIs (unidades de terapia intensiva) e equipes de saúde mais liberadas, e a expectativa é de uma forte temporada. Teremos um ótimo verão pela frente. Os feriados, que tiveram uma forte ocupação, já foram uma amostra, o último foi muito bom”, comenta.

Preparação para a temporada

No Hotel Faial, de Florianópolis, 2020 também foi um período de muitas dificuldades e o ano de 2021 foi um período de superações e expectativas positivas para o futuro. Adriano Palma Silva, CEO do Hotel Faial, conta que o empreendimento tinha 72 funcionários em março de 2020. “Com o fechamento das atividades, logo no início da pandemia, fizemos várias demissões e chegamos a ficar com dez trabalhadores. Chegamos a retomar as contratações, mas então tivemos um lockdown e paralisamos tudo novamente. Agora vivemos um período de esperança com essa nova procura registrada para a temporada, que deverá ser histórica na cidade”, explica.Hotel Faial, em Florianópolis, se preparou para uma temporada acima da média nesse verão – Foto: Reprodução/NDTVHotel Faial, em Florianópolis, se preparou para uma temporada acima da média nesse verão – Foto: Reprodução/NDTV

Silva reforça que o hotel está preparado para a temporada desse ano. “A equipe está completa para o verão, estamos preparados para uma temporada como foi a de 2019, que foi muito boa, para cima. A procura está cerca de 30 a 40% maior que antes, então, com o alto percentual de vacinação na Capital, por exemplo, a previsão é de que tenhamos um verão acima da média”, afirma.

Retomada no setor de entretenimento

Outro segmento duramente atingido pela pandemia foi o de entretenimento.  Logo no primeiro mês de pandemia, em abril de 2020, uma pesquisa realizada pelo Sebrae, em parceria com a Abeoc (Associação Brasileira de Empresas de Eventos) e a Ubrafe (União dos Promotores de Feiras), mostrou que 98% das empresas de eventos foram impactadas pelas restrições sociais e sanitárias. O faturamento de algumas delas, aponta o levantamento, diminuiu em até 100% em relação a abril de 2019.

Grande parte destas empresas ainda não se recuperou ou fechou as portas. Quem conseguiu manter as operações teve que se reiventar, diz Romeu Pompilio, vice-presidente da Anpe (Associação dos Produtores de Entretenimento).

“O primeiro setor que parou foi o entretenimento. Fizemos vários apelos para o governo pedindo para que a atividade retornasse de maneira segura e as coisas foram ocorrendo gradativamente. Mas o fato é que, com o lockdown, tivemos que parar, isso aumentou o desemprego, o empresário ficou na incerteza, sem saber quando as atividades seriam retomadas. Infelizmente, hoje, quase 40% dos empreendedores que tinham bares e casas noturnas não vão retornar porque quebraram. Isso impacta num dano muito grande para o empresário e toda a cadeia no Estado”, avalia.Profissionais e empresários do setor de eventos também estão otimistas com retorno das atividades – Foto: Ricardo Wolffenbüttel / Secom/ Divulgação/NDProfissionais e empresários do setor de eventos também estão otimistas com retorno das atividades – Foto: Ricardo Wolffenbüttel / Secom/ Divulgação/ND

O avanço na vacinação, no entanto, mudou todo esse quadro e as perspectivas são de incremento na área, especialmente a partir de janeiro, antecipa Pompilio.

“Agora enxergamos um cenário muito melhor já em janeiro. Com a maioria da população em Florianópolis e no Estado já completamente imunizada, acreditamos que essa é a hora do setor ter as atividades liberadas e retomarmos o crescimento. Agora vivemos uma euforia por parte dos empresários, que estão planejando eventos de fim de ano, Carnaval, que querem voltar a trabalhar, isso aquece o setor e a economia do município, do estado e do país. Por isso, fazemos um apelo para que todos se vacinem e tomem as doses de reforço, para que o cenário melhore para todos, cada vez mais”, finaliza o dirigente.

Crédito para impulsionar as micro e pequenas empresas

Muitos dos empresários destes segmentos atingidos em cheio pela pandemia encontraram uma saída para se manter de portas abertas nas linhas de crédito. Em Santa Catarina, desde julho agosto deste ano, o programa SC Mais Renda Empresarial oferece operações de crédito para micro e pequenos empreendedores e MEIS (microempreendedores individuais).

Criado justamente para atender empresários afetados pela pandemia de Covid-19, o programa oferece linhas de crédito para os micro e pequenos empresários de até R$ 100 mil com juros subsidiados integralmente pelo Governo do Estado para aqueles que estiverem adimplentes, com carência de até 12 meses e 36 meses para amortização.

Para os MEIs, o valor para financiamento é de até R$ 10 mil, tendo 6 meses de carência e 12 meses de amortização. Os empréstimos são viabilizados pelo BRDE (Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul) e pelo Badesc – Agência de Fomento do Estado de Santa Catarina -, com o apoio de cooperativas de crédito conveniadas.Marcelo Haendchen Dutra, vice-presidente e diretor de Acompanhamento e Recuperação de Crédito do BRDE destaca que a iniciativa é inédita no Estado Foto: Reprodução/NDTVMarcelo Haendchen Dutra, vice-presidente e diretor de Acompanhamento e Recuperação de Crédito do BRDE destaca que a iniciativa é inédita no Estado Foto: Reprodução/NDTV

Segundo Marcelo Haendchen Dutra, vice-presidente e diretor de Acompanhamento e Recuperação de Crédito do BRDE, a iniciativa é inédita no Estado.

“O programa concede um grande diferencial de o empresário poder receber um recurso, num período difícil, quando talvez nem faturamento ele tivesse, e poder pagar mais adiante. O micro e pequeno empreendedor vai ficar um ano praticamente sem efetuar pagamentos e somente depois deste período ele vai devolver esse montante, ao longo dos três anos subsequentes, no exato valor que ele pegou emprestado. Na prática é juro zero! Este subsídio concedido pelo Governo do Estado, através da sensibilidade do governador Carlos Moisés, é uma conquista importante para os setores mais atingidos pela pandemia.”, explica.

Mais de R$ 200 milhões financiados

O diretor financeiro do BRDE, Eduardo Pinho Moreira, acrescenta que a iniciativa foi idealizada como um plano de governo. “Esse programa tem um grande alcance social. Santa Catarina, assim como o mundo todo, também sofreu as consequências da Covid-19, isso trouxe uma instabilidade econômica e financeira para essas micro e pequenas empresas e para os microempreendedores individuais. E o governo de Santa Catarina, sensível a essa questão, buscou junto aos seus parceiros, O BRDE e o Badesc, a condição de atendermos esses empresários e essas pessoas atingidas fortemente”, ressalta.

Até o momento, de acordo com Pinho Moreira, já foram financiados mais de R$ 200 milhões e firmados mais de 3.560 contratos para micro e pequenos empresários e MEIs. “Por isso registramos uma procura imensa pela iniciativa, por meio das cooperativas de crédito parceiras, mais de 70% do território catarinense foi atendido por esse grande programa social de geração de empregos”, reforça.O diretor financeiro do BRDE, Eduardo Pinho Moreira, ressalta o grande alcance social da iniciativa e diz que a ação  foi idealizada como um plano de governo -Foto: Reprodução/NDTVO diretor financeiro do BRDE, Eduardo Pinho Moreira, ressalta o grande alcance social da iniciativa e diz que a ação  foi idealizada como um plano de governo -Foto: Reprodução/NDTV

Podem solicitar o empréstimo MPEs, até o dia 31 de dezembro deste ano, MPEs com faturamento bruto de até R$ 4,8 milhões por ano e é necessário que a atividade principal ou secundária seja nos setores de turismo, bares, restaurantes, eventos, educação, transportes, salões de beleza e estética, comércio varejista e atacadista, atividades de contabilidade, artigos de vestuário e confecções de vestuário.

Além do pagamento das parcelas em dia para ter direito aos juros subsidiados, os micro e pequenos empreendedores beneficiados devem manter quadro de funcionários compatível com a realização da sua atividade econômica, mantendo, no mínimo, o mesmo quadro de funcionários pelo período da carência concedida.

Além da geração de renda e desenvolvimento dos negócios, desde o início do programa, o SC Mais Renda Empresarial ajudou a manter mais de 12,5 mil empregos em diversos setores da economia do Estado.

Fonte: ND+

Governo do Estado libera ocupação total de estádios e flexibiliza uso de máscaras em ambientes abertos

Governo do Estado libera ocupação total de estádios e flexibiliza uso de máscaras em ambientes abertos

Foto: Ricardo  Wolffenbüttel / Secom 

O governador Carlos Moisés assinou, nesta quarta-feira, 24, o decreto que permite a realização de todos os tipos de eventos, inclusive esportivos, e flexibiliza as regras para o uso de máscaras em Santa Catarina. As medidas vêm em um momento de redução do contágio no estado, diminuição do risco potencial e do avanço da vacinação.

No que diz respeito às máscaras, o uso delas se torna opcional nos ambientes abertos em que há possibilidade de manter distanciamento. Nos ambientes fechados ou naqueles em que não é possível manter distanciamento, o uso continua obrigatório.

O decreto também autoriza o funcionamento integral dos estabelecimentos que promovam eventos corporativos, feiras de negócios, eventos sociais, shows e entretenimento, inclusive esportivos. No caso das competições de futebol, uma portaria específica trata dos novos limites de ocupação (veja mais abaixo). O decreto também estende a situação de calamidade pública até 31 de março de 2022.

“Da mesma forma como fomos o primeiro estado a adotar medidas restritivas no início da pandemia e um dos primeiros a retomar as atividades econômicas, também estamos saindo na frente em mais um passo na direção da volta à normalidade”, ressalta o governador. Na avaliação de Carlos Moisés, esse passo se tornou possível e seguro graças ao avanço da vacinação. “Hoje somos um dos estados com maior percentual da população vacinada e temos cobertura superior à de quase todos os países desenvolvidos. Tudo isso dá segurança para avançar mais”, acrescenta.

De acordo com o secretário de Estado da Saúde, André Motta Ribeiro, as medidas adotadas pelo Estado são responsáveis e em conformidade com a situação do momento. “Liberamos em 100% a capacidade dos eventos, incluindo presença de público em estádios, e também mantivemos a obrigatoriedade do uso de máscaras em espaços abertos apenas onde há aglomeração. Estendemos a situação de calamidade pública para que tenhamos um regramento claro durante a temporada de verão. Lembramos que cada município tem a possibilidade de ser mais restritivo, se assim entender e se o cenário exigir que assim seja”, afirma.

Regramento para eventos

Nos casos em que a presença de público supera o número de 500 pessoas, o protocolo prevê comprovante de vacinação completa (duas doses ou dose única) da vacina contra a Covid-19 (18 anos ou mais) ou parcial (12 a 17 anos) ou apresentação de laudo de exame RT-qPCR ou teste de antígeno com resultado negativo, além de máscaras. Também há necessidade de distanciamento de um metro ou isolamento mínimo de uma poltrona entre as pessoas que não coabitam na mesma residência, respeitando o percentual de ocupação máxima simultânea prevista no calendário de retomada de eventos.

De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde, o uso de máscara de proteção individual segue obrigatória em espaços públicos e privados fechados, incluindo no transporte público coletivo, e em espaços abertos onde não seja possível manter o distanciamento, com exceção dos espaços domiciliares.“Em ambientes abertos, com ventilação natural, sem aglomeração e mantendo um distanciamento de 2 metros entre outras pessoas, com o nível de casos reduzindo em todo o estado, é relativamente seguro permanecer sem máscaras, mas em ambientes fechados, sem ventilação, e mesmo em ambientes abertos com aglomeração, é arriscado ficar sem máscaras. Haverá reforço da fiscalização para cumprimento desta medida, mantendo multas para os que não cumprirem as regras pois colocam o coletivo em risco. Precisamos focar em medidas efetivas de forma a alcançar os resultados esperados, ma redução do risco de transmissão”, afirma o superintendente de Vigilância em Saúde, Eduardo Macário.

Cobertura vacinal em SC

Mais de 93% da população vacinável em Santa Catarina já recebeu ao menos a primeira dose e aproximadamente 80% completou a imunização. Considerando a população total, esses percentuais são de 78% e 66%, respectivamente, ambos entre os maiores do país.

Santa Catarina tem, atualmente, uma taxa de letalidade por Covid-19 de 1,6% dos infectados, a menor entre os estados do Sul e Sudeste e a terceira menor do país. A taxa nacional é de 2,8%.

Nova portaria para os estádios

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) revogou a limitação de 50% de ocupação do público nos estádios de futebol. Com isso os estádios catarinenses podem receber a capacidade máxima de público sentado, de acordo com os limites estabelecidos no Anexo da referida Portaria.

Outro ponto importante para a presença do público nas partidas de futebol profissional é que será necessário seguir as mesmas regras do protocolo evento seguro, que são a apresentação de comprovante de vacinação completa ou parcial, conforme a idade, ou testagem por RT PCR ou antígeno com resultado negativo antes do jogo. E também o uso de máscaras permanece como obrigatório dentro dos estádios.

As sedes das torcidas organizadas poderão funcionar integralmente respeitando normas sanitárias vigentes, inclusive em dias de jogos. Os Planos de Contingência deverão ser aprovados previamente pelos municípios sede onde ocorrerão os jogos. Os municípios ainda podem estabelecer regramentos próprios mais restritivos, de forma complementar, de acordo com a situação local.

:: Com as alterações, assim ficaram as ocupações máximas dos estádios catarinenses

  • Arena Condá – Chapecó – 20.000
  • Orlando Scarpelli – Florianópolis – 19.584
  • Heriberto Hulse – Criciúma – 19.300
  • Dr. Aderbal Ramos da Silva – Florianópolis – 17.800
  • Arena Joinville – 17.515
  • Vidal Ramos Júnior – Lages – 7.522
  • Aníbal Torres Costa – Tubarão – 6.800
  • Dr. Hercílio Luz – Itajaí – 5.740
  • João Marcatto – Jaraguá do Sul – 5.500
  • Augusto Bauer – Brusque – 5.000
  • Domingos Machado de Lima – Concórdia – 5.000
  • Carlos Alberto Costa Neves – Caçador – 4.400
  • Roberto Santos Garcia – Camboriú – 3.300
  • Dr. Mário Balsini – Criciúma – 3.005
  • Ervin Blaese – Indaial – 2.500
  • Hermann Aichinger – Ibirama – 2.000
  • Renato Silveira – Palhoça – 1.881
  • Domingos Silveira Gonzales – Tubarão – 1.800
  • Municipal Armando Sarti – Porto União -1.218
  • Emília Mendes Rodrigues – Imbituba – 1.200
  • Valério Gomes Neto – São João Batista – 1.000

Mais informações para a imprensa:
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Estado da Comunicação – Secom
Governo de Santa Catarina
Fone: (48) 3665-3029
E-mail: imprensa@secom.sc.gov.br
Site: www.sc.gov.br

Informativo ABIH-SC

Informativo ABIH-SC 11 de novembro

No informativo da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis de Santa Catarina – ABIH-SC, você vai ver:

Sessão solene comemora retomada do setor hoteleiro pós-pandemia;-Faltam apenas sete dias para o encontro de hoteleiros em Santa Catarina!;-Rentv: tecnologia e modernidade gerando eficiência e conforto;-Ecoflex: há 34 anos investindo em inovação!;-Jolimont: vinhos artesanais genuínos, puros e de qualidade internacional;-Erbon Software lança aplicativo que conecta hóspede ao hotel;-Setor de Turismo deve contratar meio milhão de trabalhadores formais até fevereiro de 2022;-Hotel Valerim;-Palm Beach Apart Hotel.

Confira AQUI o informativo COMPLETO!

Florianópolis tem expectativa para verão parecido com o pré-pandemia

Florianópolis tem expectativa para verão parecido com o pré-pandemia

Florianópolis tem boa expectativa para a temporada de verão – Foto: Leo Munhoz/ND

Cerca de 80% das vagas de hotéis já estão reservadas para as festas de final de ano. Um convite para praia aqui, um dia de sol por ali, o final do ano vem se aproximando e uma palavra começa a martelar na cabeça de quem gosta de aproveitar o calor: verão!

Principalmente depois de períodos difíceis por causa da pandemia. Agora com internações e óbitos pela Covid-19 em queda e o percentual da vacinação subindo, o setor de turismo começa a olhar para os meses mais quentes como uma boa oportunidade de retomada.Segundo o superintendente do Turismo de Florianópolis, Vinícius de Luca, haverá um grande movimento de turistas no verão e algumas datas têm servido de termômetro para medir a presença de visitantes na Capital.

“Os últimos feriados de setembro, outubro e novembro já demonstraram que o turista de lazer está retornando com força. Os números de ocupação hoteleira já são iguais aos registrados antes da pandemia nos hotéis de praia”.

A expectativa do superintendente bate com os números. De acordo com a Abih (Associação Brasileira da Indústria de Hotéis), a taxa de ocupação dos hotéis da Grande Florianópolis no Natal e Réveillon de 2019 foi de 80,68% e 90% respectivamente, já para esta temporada cerca de 80% das vagas já foram reservadas para as festas deste fim de ano.

“A busca hoje está mais concentrada até a primeira semana de janeiro, mas o brasileiro tem o hábito de marcar essas viagens em cima da hora, então acredito que teremos turistas no restante do verão também” disse o diretor regional da Abih-SC, Luciano Oliveira.

Como a busca é maior nas festas de fim de ano, a prefeitura está se mobilizando para chamar a atenção de quem escolher Floripa para passar a virada. Esse ano, apesar de não ter o palco com os shows, a cidade terá a volta da queima de fogos e Vinicius de Luca garante que “o show pirotécnico será especial”.Ele ainda adiantou que terá duas surpresas, uma delas relacionada à ponte Hercílio Luz, cartão postal onde costuma acontecer o show pirotécnico.

Perspectiva de melhora na contratação para a temporada

Todo esse movimento traz também uma outra perspectiva para quem trabalha no verão, que é a da oferta de empregos, principalmente no setor alimentício. Essa época do ano faz com que muitos bares e restaurantes busquem mais gente para atender à alta demanda.Praias da Capital devem receber grande número de turistas neste verão – Foto: Leo Munhoz/NDPraias da Capital devem receber grande número de turistas neste verão – Foto: Leo Munhoz/ND

Conforme a Abrasel-SC (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes) o setor gerava, antes da pandemia, 25 mil empregos diretos em Florianópolis e chegou a ter apenas 60% de funcionários do pico da segunda onda do coronavírus.“Ainda não temos os dados porque os estabelecimentos estão começando a se planejar, mas já conseguimos ver uma procura grande e nesse período o número de empregados chega a triplicar”, conta o presidente da entidade em SC, Raphael Dabdab.

Não só em empregos diretos, mas a temporada que está para chegar pode ser uma oportunidade. Gregory Ferreira mora em Curitiba, mas há três anos vem para a ilha trabalhar como ambulante na praia de Canasvieiras. Com a presença maior de pessoas na areia, decidiu comprar o próprio carrinho de drinks.

“Temos acompanhado as vendas diárias e o consumidor vem disposto a aproveitar mais. Conforme a vacinação avança, eles vão se soltando mais”, conta.

E é a vacinação que tem gerado segurança para o turismo prosperar novamente. A secretaria de Saúde da Capital trata da imunização como principal caminho para uma abertura mais ampla e retorno à “normalidade”, tanto que a prefeitura pretende liberar o uso de máscaras (com a condição do governo federal e estadual) quando a cidade chegar a 80% das pessoas completamente imunizadas. Ontem o índice estava em 75,91%.

Caminho é longo para recuperar as perdas

Apesar de hoje o fim da pandemia estar um pouco mais visível, o setor do turismo ainda vê um longo caminho para “recuperar” as perdas. Ferreira, que hoje possui cinco funcionários para fazer os coquetéis e pretende dobrar para a temporada, conta que ainda assim não será fácil. “Provavelmente nós não vamos conseguir compensar esse ano com o que passou, vai levar um tempo”.

A Abrasel estima que o setor do turismo em Florianópolis precisará de dois a quatro anos para conseguir voltar a crescer. “Mesmo com a boa perspectiva do verão, muitos estabelecimentos podem não sobreviver. De cada 10 bares e restaurantes na Capital, três fecharam e cinco estão com dívidas”, completa Dabdab.

Foto: Leo Munhoz/ND

Fonte: ND+

Governo do Estado define projeto arquitetônico do PMI para o Complexo Turístico da Serra do Rio do Rastro

Governo do Estado define projeto arquitetônico do PMI para o Complexo Turístico da Serra do Rio do Rastro

Dentro da estrutura proposta, estão: mirante, bondinho, circuito de montain bike, ponte de vidro, lago cênico, pista de patinação interna, estação de ski, tirolesa, mirante panorâmico, quiosques, restaurantes, espaços para piquenique, SPA, heliponto e casas de campo. “A Santur e seus técnicos trabalharam em parceria com a SCPar para encontrarmos a melhor estrutura também dentro dos critérios turísticos. Um projeto como esse vai revolucionar a Serra”, destacou o presidente da Santur, Renê Meneses.

Estudo selecionado passou por análises criteriosas

As duas propostas finalistas passaram pela análise da Comissão de Avaliação e precisaram contemplar a construção de mirantes e estrutura de apoio ao visitante, como lojas, estacionamentos e restaurantes. Ainda dentro do projeto, apresentaram estudos de viabilidade técnica, operacional, econômica, financeira, ambiental e aspectos jurídicos para a estruturação do projeto de concessão do novo complexo turístico.

As propostas finalistas para a análise foram conhecidas no dia 11 de outubro, quando o prazo de envio das propostas foi encerrado. Além da vencedora, a proposta da empresa Volare também foi analisada pela Comissão.

“O avanço desse projeto significa a celeridade e a eficiência deste Governo, que fará entregas aos catarinenses. Em menos de 8 meses, lançamos o PMI, recebemos e selecionamos os estudos para realizar esse projeto que, há décadas, é aguardado pela região”, pontuou o secretário Executivo de PPPs da SCPar, Ramiro Zinder. 

Foto: Reprodução 

Os próximos passos

Com o estudo definido para o projeto, o processo de licitação do Complexo Turístico da Serra do Rio do Rastro avançará para uma consulta pública, em dezembro, com a região da Serra Catarinense, para uma discussão dos impactos e benefícios da obra. Em seguida, uma audiência pública será realizada em parceira com a prefeitura do município de Bom Jardim da Serra.

Avançada esta etapa, a licitação da obra e gestão do equipamento turístico será lançada para encontrar empresas interessadas no projeto. A expectativa é que a licitação seja publicada no começo de 2022.

O que é o PMI?

PMI – Procedimento de Manifestação de Interesse – é um instrumento previsto no Programa de Parcerias e Investimentos do Estado de Santa Catarina (PPI-SC) para viabilizar a cooperação com a iniciativa privada em projetos de interesse público.

Fonte: Santur

Passaporte da vacina em Florianópolis exigirá comprovante para eventos com mais de 500 pessoas

Passaporte da vacina em Florianópolis exigirá comprovante para eventos com mais de 500 pessoas

Aplicação de vacina contra Covid-19 no braço em ‘drive-thru’ de Florianópolis — Foto: Leonardo Sousa/PMF/Divulgação

A Prefeitura de Florianópolis divulgou nesta terça-feira (26) o decreto municipal com as regras para o funcionamento do chamado passaporte da vacina. A partir de 16 de novembro, todos os estabelecimentos e serviços do setor de eventos, como shows, feiras, congressos e jogos, que tiverem público superior a 500 pessoas precisarão seguir a regra.

Para quem tiver 18 anos ou mais, será exigida a comprovação da segunda dose contra a Covid-19. Os adolescentes entre 12 e 17 anos precisarão mostrar que receberam a primeira dose.

Fonte: G1

Informativo ABIH-SC

Informativo ABIH-SC 21 de outubro

No informativo da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis de Santa Catarina ABIH-SC, você vai ver:

Atenção hoteleiros! Aumentando as vendas diretas em 3, 2, 1…;-ABIH-SC promove workshop com o tema LGPD para o ramo hoteleiro!!;-Coleção HOTEL da Ecoflex;-Simpósio de Governantas no Dia do Hoteleiro!;-Conheça o Costão do Santinho, único resort all inclusive do Sul brasileiro;-Benefício para associados das ABIH’s;-Santa Catarina entra em lista mundial de destinos sustentáveis;-Hotel Selina;-Igaras Hotel.

Leia o informativo completo AQUI!

ECOFLEX

Coleção HOTEL da Ecoflex

Você que não abre mão em ter o melhor em seu hotel e preza pela qualidade dos produtos, a Ecoflex Colchões, desenvolveu a melhor coleção para os quartos do seu Hotel.

A nossa linha oferece a você do segmento de hotelaria, colchões diferenciados e excelente qualidade, diversas opções de medidas, tecidos diferenciados e resistentes.

Quer conhecer mais da coleção Hotel Ecoflex? É só entrar no site: ecoflex.ind.br ou baixar o App Ecoflex.

Santa Catarina entra em lista mundial de destinos sustentáveis

Santa Catarina entra em lista mundial de destinos sustentáveis

Com quatro municípios dos oito destinos brasileiros certificados, Santa Catarina é destaque na lista dos 100 principais destinos turísticos sustentáveis da fundação internacional Green Destinations, com sede na Holanda. Forquilhinha, Bombinhas, Itá e Orleans foram os destinos certificados e ficaram no TOP 100 da lista mundial.

O TOP 100 da Green Destinations chegou na 7ª edição e, ao longo dos anos, busca destacar destinos com histórias inovadoras e eficazes de turismo sustentável e também as boas práticas de gestão desses destinos como exemplos inspiradores.

– Santa Catarina busca em sua totalidade a prática do turismo sustentável em todas as nossas regiões. É com orgulho que recebemos esses certificados, que representam 50% dos destaques do país. Agora é trabalhar para fazer chegar em outros municípios catarinense, pois, certamente, temos como ampliar essas certificações no próximo ano – destacou o presidente da Santur, Renê Menezes.

O que cada destino de SC realizou para obter os certificados

Bombinhas

Com a necessidade de receber melhor turistas e visitantes, o município idealizou e criou um curso de formação sobre a cidade para a comunidade e empresas. Os conteúdos foram divididos em tópicos como hospitalidade, sustentabilidade, história e cultura. O treinamento, gratuito e aberto ao público, ficou conhecido como “Descobrindo Bombinhas” e tem sido ministrado desde 2013, sendo aplicado por Turismólogos que realizam um tour guiado pela cidade, em Santa Catarina.

Bombinhas – Foto: Markito/Aquivo/Santur

Forquilhinha

Os moradores e funcionários públicos do município realizaram de forma voluntária a limpeza da cidade. Esta ação passou a ser divulgada em diversos veículos de comunicação e alcançou grande repercussão. Em parceria com trabalhadores da Secretaria de Infraestrutura, que tiveram como função identificar os locais com mais urgências, a ação começou, durante os dias da semana e na área central da cidade. Conforme a ação foi tomando corpo por outros bairros da cidade, mais pessoas passaram a se envolver, sendo que a cada limpeza chegou-se a contar com até 80 pessoas.

Forquilhinha – Foto: Markito/Aquivo/Santur

Orleans

Diante da preocupação da possibilidade de retorno da mineração de carvão em Orleans, foi criado O Movimento Orleans Viva – Guardiões da Montanha (MOV). Um dos objetivos da MOV é incentivar e apoiar o ecoturismo, o turismo rural e a agricultura familiar sustentável através de ações de educação ambiental, valorizando as belezas cênicas da cidade e incentivando o desenvolvimento do ecoturismo.

Uma das ações realizadas pelo projeto foi o “Mulheres na Montanha”, uma caminhada realizada por cerca de 100 mulheres na encosta da montanha com o objetivo de elevar a consciência sobre os impactos da mineração de carvão, e a preservação das belezas naturais e consequências para o turismo local.

Orleans – Foto: Markito/Aquivo/Santur

Itá

Com o objetivo de resgatar e fortalecer a cultura e a tradição dos jangadeiros, o município tem realizado ações de impacto na sociedade para manter viva essa tradição. O “Museu do Balseiro” e as reuniões anuais que acontecem com jangadeiros e familiares servem como exemplo disso. Na cidade também há um restaurante chamado Flösen Haus que tem pratos típicos preparados em jangadas, como nos tempos dos balseiros.

Itá – Foto: Markito/Aquivo/Santur

O evento

O evento online “Global Green Destinations Days” contou com 150 destinos do mundo todo. Todos os anos, a competição “Top 100 Destination Sustainability Stories” (Melhores 100 histórias de destinos sustentáveis), coleta histórias de turismo sustentável e boas práticas de destinos em todo o mundo para serem compartilhadas como exemplos inspiradores, desde profissionais de turismo a viajantes.

Ao contar suas histórias, as organizações de gerenciamento de destinos podem ser conhecidas e reconhecidas pelas soluções que implementaram em resposta aos desafios e problemas que enfrentaram.

Sobre a Green Destinatios

A Green Destinations é uma fundação sem fins lucrativos para o desenvolvimento e reconhecimento de destinos sustentáveis, liderando uma parceria global de representantes, organizações especializadas e instituições acadêmicas.

Fonte: Mtur