Posts

Informativo ABIH-SC 08 de novembro

 

No Informativo ABIH-SC de 08 de novembro você vai ler:

ABIH-SC é destaque na imprensa nacional com as comemorações do Dia do Hoteleiro;-Número de turistas brasileiros na Espanha cresce 25% ;-Acordo visa criar portfólio de destinos para indústria audiovisual;-Convênio firmado entre ABIH-SC e Kombo Gestão Estratégica de Pessoas;-TOTVS – Sócio Colaborador ABIH-SC;-Curso Captação de Patrocínios em Eventos Corporativos;-Mtur seleciona agências de viagem para receber turistas chineses no Brasil;- Associados ABIH-SC!.

 

Leia também: Um brinde à arte de bem receber

MTur seleciona agências de viagem para receber turistas chineses no Brasil

 

O Diário Oficial da União publicou, nesta segunda-feira (5), o edital do Ministério do Turismo para a seleção de agências de viagem interessadas em receber turistas chineses no Brasil. O processo seletivo, com inscrições abertas até o dia 14 de dezembro, é fruto de um Memorando de Entendimento firmado em 2004 com a China. O texto prevê a designação ou recomendação de empresas de turismo nacionais que façam o receptivo de grupos chineses em destinos brasileiros. No ano passado, 83 agências obtiveram o credenciamento.

Entre as exigências para se habilitar, estão: a regularização junto ao Cadastur, o cadastro nacional do MTur que reúne pessoas físicas e jurídicas que atuam no setor, a declaração de ciência dos termos do acordo assinado entre as duas nações e o aceite do Termo de Responsabilidade contido no edital. No Brasil, o Ministério é o único órgão responsável por esta seleção e somente empresas autorizadas pela Pasta poderão atender turistas chineses. O resultado da seleção será divulgado no dia 21 de dezembro no Diário Oficial da União e no site do MTur.

O ministro do Turismo, Vinicius Lummertz, observa que a chamada pública se soma a outras ações voltadas à atração de viajantes do país asiático. “Temos defendido a extensão do visto eletrônico aos chineses, medida que já se mostrou bastante eficaz para a chegada de americanos, australianos, canadenses e japoneses ao Brasil. O viajante chinês é o que mais percorre o planeta, segundo a Organização Mundial do Turismo, e precisamos trabalhar para despertar cada vez mais o interesse deles pelo destino Brasil”, defende Lummertz.

COOPERAÇÃO

Em setembro de 2017, a China firmou um acordo para a facilitação de vistos com o Brasil. O acerto definiu um prazo de validade de cinco anos às autorizações de turismo, permitindo múltiplas entradas e um período de estada de 90 dias, renováveis por até outros 90, a cada 12 meses. Antes do acordo, cujas regras começaram a valer no dia 1º de outubro do ano passado, o visto geralmente era aceito por três meses.

Já em maio deste ano, o governo brasileiro e a China Travel Service, maior operadora de turismo daquele país, acertaram uma parceria inédita para a estruturação de roteiros customizados, que ampliem a presença dos asiáticos no Brasil. O MTur atua junto a outros países da América Latina para aprimorar a experiência de chineses na região, a exemplo do trabalho conjunto com a Argentina pela promoção das Cataratas do Iguaçu.

 

Fonte: Mercado & Eventos

Número de turistas brasileiros na Espanha cresce 25%

Morales mostra alguns números do turismo espanhol

Morales mostra alguns números do turismo espanhol

 

No ano em que bateu seu recorde na recepção de turistas internacionais, a Espanha também registrou aumento significativo na presença de brasileiros. Num balanço relativo ao ano passado, em comparação a 2016, nota-se crescimento de 25,7% no fluxo de viajantes oriundos do Brasil.

O índice foi o destaque na fala de Juan Antonio Ruiz Morales, diretor do Escritório de Turismo da Espanha no Brasil, no lançamento da nova campanha turística da capital espanhola. No evento realizado hoje (7), o executivo pontuou o desenvolvimento que a atividade turística naquele país vive e deu alguns números para que mostram essa evolução.

Citando dados da OMT (Organização Mundial do Turismo), Morales destacou a vice liderança da Espanha como a nação que mais recebe estrangeiros no mundo. O país ibérico ocupa também o segundo lugar em mais duas listas: dos destinos que mais geram receitas com o turismo e dos países que mais investem no segmento.

Para o diretor, a prova de que os investimentos estão sendo aplicados de maneira correta é a fidelização dos viajantes. Cerca de 80% dos viajantes que vão à Espanha tem intenção de voltar e 40% dos que estiveram naquele país em 2017 já estiveram ali mais de 10 vezes.

Brasileiros em Madri

Outro dado apresentado por Morales é a alta procura viajante do Brasil por Madri. Na capital espanhola, o fluxo de brasileiros cresceu 45,5% entre 2016 e 2017. O crescimento representa mais de 149 mil viajantes.

 

Fonte: Hotelier News

Preços baixam para atrair argentinos durante a temporada de verão

 

No sábado (22) começa a primavera e vão faltar 90 dias para o começo do verão. A preparação para a próxima temporada já começou em Santa Catarina. Porém, este ano a preocupação maior se relaciona com a presença dos turistas argentinos que, anualmente, lotam as praias do Norte da Ilha em Florianópolis. Com uma crise interna grave e o preço do dólar frente ao peso dobrando em relação ao último verão, o sinal vermelho acendeu para empresários que possuem negócios ou empreendimentos que sobrevivem da movimentação turística. Em uma imobiliária consultada pelo Conexão, o pedido de reservas da Argentina caiu 50% em relação a 2017. Até os hotéis estão baixando as tarifas para conseguir atrair esse público que vai gastar menos na temporada.

Para vir de férias, os 330 mil argentinos que estiveram na Capital na última temporada, trocam o peso pelo dólar. Chegando ao Brasil, eles fazem a conversão novamente e acabam ganhando mais dinheiro na troca. Só que na última temporada, o valor de U$$ 1 dólar era $ 20 pesos. Hoje, o valor dobrou com possibilidade de aumentar para $ 60 pesos até o fim do ano, segundo preveem economistas. No país vizinho, a moeda se desvalorizou e a inflação disparou.

Em uma imobiliária dos Ingleses, os hermanos diminuíram o número de reservas para o verão em 50%, se comparado o mesmo período do ano passado. Para tentar driblar a crise argentina, a SC Imóveis está diminuindo ou congelando preços para aluguéis de temporada. Segundo José Carlos de Oliveira, proprietário, para o período pós-réveillon os valores de apartamentos com ar-condicionado, TV e internet estão sendo segurados.

“Um apartamento de um dormitório, não pode passar de R$ 200 reais por dia. Dois dormitórios R$ 300 e três R$ 400. Isso, no período intermediário da temporada, depois do ano novo e antes do Carnaval. Nos períodos de maior movimento, estamos colocando aqui para a virada, por exemplo, valores que chegam a R$ 300 reais para um imóvel de um quarto, R$ 400 de dois dormitórios e R$ 500 por dia se for de três quartos. Precisa haver uma conscientização de que se não baixarmos preços em vários setores neste verão, os turistas argentinos não vão vir para nossas praias e ninguém ganha nada”, comentou.

A Associação Brasileira da Indústria de Hotéis em Santa Catarina (ABIH/SC) também confirmou a diminuição no valor das diárias de hotéis. Osmar Vailatti, presidente da entidade, explicou que não só a redução de valores, mas o prazo para pagamento também está mudando. “A consciência do hoteleiro é real que vivemos um momento difícil. Temos que atuar com promoções, tarifas e preços menores, prazos mais dilatados de pagamento para mantermos o nosso faturamento. Isso é certeza, tarifas menores. Quando faltam turistas, você faz isso. Não só em Santa Catarina, mas diárias em todo o país estão menores para não perder venda. É uma política nova que os hoteleiros estão tendo para não deixar quartos vazios”, explicou. A associação ainda não calcula perdas, pois espera a Feira Internacional do Turismo (FIT) marcada para Buenos Aires no mês de outubro.

Uma reportagem do jornal argentino Clarín, publicada na semana passada, adjetivou como “caro” um voo de ida e volta para um casal que vem férias para Florianópolis. A pesquisa realizada pela publicação colocou o trecho a $ 20 mil pesos, enquanto no último verão o valor era a metade. Uma casal e dois filhos sai por $ 85 mil pesos, cerca de R$ 8,5 mil. No Facebook, agências argentinas comercializam pacotes de sete dias em Canasvieiras com voo, hotel (7 noites), traslado e meia pensão negociado a $ 65 mil pesos por pessoa, cerca de R$ 6,5 mil reais. Existem pacotes mais baratos. Outra agência negocia em valores que chegam a $ 22 mil pesos, o que dá R$ 2,2 mil reais no câmbio do dia 19/09. Uma empresa de Buenos Aires montou pacotes de ônibus e hospedagem em Canasvieiras por 7 noites por $ 19 mil pesos, cerca de R$ 1,9 mil por pessoa. Uma agência consultada pelo Conexão confirmou que está sofrendo muitas consultas, mas não tem fechado pacotes para Florianópolis.

Para Vinicius de Lucca, superintendente de turismo de Florianópolis, ‘provavelmente’ teremos menos turistas argentinos nesta temporada, sendo que no ano passado 330 mil visitaram a cidade. Segundo ele, ações já estão sendo desenvolvidas. “Estamos trabalhando para que eles não venham no período de alto movimento. Estamos buscando a negociação com as empresas que fretam voos para que eles venham para cá fora do período de altíssima temporada (Ano Novo e Carnaval). As tarifas estão mais altas no ano novo em Florianópolis. Queremos colocar para a segunda semana de janeiro. Estamos tentando colocar também para março voos charter, quando as tarifas estão mais baixas”, comentou. Ele ainda não especula quanto deve ser a redução no número de argentinos na cidade.

Quem lida com o turista

Foto: Divulgação

A Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel/SC) confirmou que a temporada será ditada pelo câmbio. Eles acreditam na redução no número de argentinos. Segundo Raphael Dabdab, presidente da associação, o setor trabalha com a redução no número de turistas e que os preços serão pautados pela concorrência. “Florianópolis tem um restaurante por mil habitantes. (…) Não teríamos artifícios para regularizar os preços. Vimos na última temporada turistas frequentando mais supermercados e atacados, do que restaurantes. Entendemos que existem abusos de preços, mas são pontuais. Não é a grande maioria. Hoje o empresário luta para sobreviver. No verão, o empresário tira as promoções e não aumenta os preços. Porém, camarão e filé mignon triplicam de preço (no fornecedor) no verão”, comentou. Ele disse ainda que não faz sentido o dono do restaurante aumentar o preço e não ganhar na quantidade, quando não há muito movimento. “O maior inibidor de abusos é a concorrência”.

Eduardo Loch, presidente da Associação Brasileira das Agências de Viagem (ABAV/SC), acredita que quem ia para outros destinos mais distantes daqui, deve vir para Florianópolis. Ele não aposta em diminuição de preços ou congelamento de tarifas. “Queremos um turismo que seja profissional. (…) Nós precisamos qualificar o turista. Precisamos de uma cidade que seja boa para o turista”, afirmou. Ele defende que o turista que venha tenha condições financeiras de gastar na cidade, além de comentar que haverá um incremento de turistas vindos do Chile diretamente para a Capital.

Fonte: Jornal Conexão

Nesta sexta-feira (24), ministro reuniu-se com representantes do Sweedish Institute, Visit Sweeden, Ministério de Indústria e Inovação da Suécia e operadores de viagens no país.

Brasil aposta no ecoturismo para atrair suecos

Nesta sexta-feira (24), ministro reuniu-se com representantes do Sweedish Institute, Visit Sweeden, Ministério de Indústria e Inovação da Suécia e operadores de viagens no país.

Na sexta-feira (24), ministro reuniu-se com representantes do Sweedish Institute, Visit Sweeden, Ministério de Indústria e Inovação da Suécia e operadores de viagens no país.

 

Em reuniões com autoridades governamentais e operadores de viagem da Suécia, governo brasileiro promoveu destinos de natureza.

O ministro do Turismo, Vinicius Lummertz, pediu o apoio do governo sueco para aumentar o fluxo de turistas entre os dois países e atrair investidores. O foco são os destinos de natureza, que estão em primeiro lugar na preferência dos viajantes dos países nórdicos.

“Somos o número um no mundo em atrativos naturais e precisamos aproveitar melhor esse nosso diferencial para atrair investimentos e gerar emprego”, comentou o ministro do Turismo do Brasil, Vinicius Lummertz. De acordo com o Relatório de Competitividade do Turismo Fórum Econômico Mundial (WEF, na sigla em inglês), entre todos os 136 países analisados, o Brasil é o primeiro no quesito natureza.

O ministro do Turismo informou à ministra de Indústria e Inovação, Stina Billinger, a quem os assuntos referentes ao turismo da Suécia estão relacionados, que o Brasil, por meio do Ministério do Meio Ambiente e ICMBio, vai abrir concessões em alguns dos principais parques nacionais do país. “Seria bom contar com empresas suecas participando desse processo. Queremos que os principais atores mundiais nos ajudem a gerir de maneira sustentável esse importante patrimônio da humanidade”, comentou Lummertz.

Os parques nacionais do Pau Brasil, na Bahia, e Chapada dos Veadeiros, em Goiás, serão os próximos a terem serviços como de bilheteria e alimentação concedidos para a iniciativa privada. Atualmente, o Brasil recebe 10,7 milhões de visitantes nas unidades de conservação. Mais da metade desse total são registrados nos parques que já contam com algum tipo de concessão, como os de Foz do Iguaçu (PR), Fernando de Noronha (PE) e Tijuca (RJ). Os Estados Unidos, que estão em terceiro lugar em atrativos naturais no ranking de competitividade do WEF, recebem mais de 300 milhões de pessoas nos seus parques nacionais anualmente.

Pesquisa realizada pela revista sueca especializada em turismo Vagabond sobre o que os suecos buscam nas viagens revela que 16% deles querem “calma e tranquilidade para relaxar” e 10%, “se desligar”. O Brasil, que já chegou a ter 42 mil turistas suecos em 2014, registrou a entrada de 23 mil viajantes desse país no último ano, uma queda de 45,3% em três anos.

Atualmente, o gasto dos turistas dos países escandinavos é o quinto maior do mundo, com 42,8 bilhões de euros, atrás apenas da China (228,1 bi de euros), EUA (119,7 bi de euros), Alemanha (74,1 bi de euros) e Reino Unido (56,1 bi de euros). Para tentar reverter esse quadro, o chefe da Assessoria de Gestão Estratégica da Embratur, Rafael Felismino, apresentou destinos de natureza do Brasil para operadores de viagens da Suécia. Enquanto o turista internacional que visita o Brasil gasta, em média, US$ 55,78 por dia, o sueco deixa US$ 170 por dia nos destinos internacionais.

Além das reuniões com a ministra de Indústria e Inovação, Stina Billinger, e com operadores de viagens, a delegação brasileira na Suécia encontrou-se também com o chefe do Departamento de Diálogo Intercultural do Sweedish, Henrik Selin, e com a presidente da Visit Sweeden, Ewa Lagerqvist. Na pauta, o modelo de gestão dos órgãos especializados em promover os destinos suecos para o mundo.

Para o ministro do Turismo brasileiro, há um enorme potencial a ser trabalhado para aumentar o fluxo turístico de turistas suecos no Brasil. “Enquanto recebemos pouco mais de 20 mil turistas suecos por ano, a Tailândia, que está a mais ou menos a mesma distância, recebe mais de 200 mil”, comparou. Ele destacou que já há uma relação comercial intensa entre os dois países, o que favorece a atração de viajantes. Cinco das maiores empresas do país escandinavo estão no Brasil: Volvo, Scania, Ericsson, Electrolux e Saaby.

 

Fonte: Ministério do Turismo

Veja também: Curso de Recepção

Brasil está entre os destinos preferidos dos russos após a Copa

 

País fica em segundo lugar em pesquisa do site Skyscanner sobre quais países os turistas russos querem visitar depois do contato com torcedores durante o mundial

A Campanha Happy By Nature (Felizes Por Natureza) que a Embratur (Instituto Brasileiro de Turismo) realizou na Rússia, durante a Copa do Mundo, e que levou a alegria e hospitalidade do povo brasileiro como atrativo turístico continua dando resultados. Segundo pesquisa realizada na Rússia pelo site Skyscanner, o Brasil ficou na segunda colocação entre os países que os turistas russos desejam visitar após terem tido contato com a torcida durante o torneio.

O Brasil, de acordo com a pesquisa online do site especializado em busca de passagens aéreas, hotéis e aluguel de carros, ficou atrás apenas da Islândia, uma das sensações da Copa e à frente de países como México, Austrália e Peru. O resultado da pesquisa reforça o interesse dos russos pelo Brasil como destino turístico, pelo povo brasileiro e ratifica a escolha do tema da campanha.

“Nosso povo é acolhedor e bem humorado. O brasileiro é sim um atrativo turístico. Em um país com tamanha variedade de produtos turísticos, esse resultado da pesquisa é uma demonstração da força que a energia e a simpatia brasileira têm ao redor do planeta”, afirma a presidente da Embratur, Teté Bezerra.

Um dos motivos para escolha do tema da campanha Felizes Por Natureza foi o resultado de outra pesquisa, realizada após as Olimpíadas do Rio de Janeiro, em 2016. Após o megaevento, 98% dos turistas estrangeiros que visitaram o Brasil elencaram a hospitalidade do brasileiro como diferencial. Esse dado foi um dos balizadores para a definição da estratégia da campanha da Embratur.

O retorno de mídia da campanha é considerado expressivo. A campanha durou 40 dias e teve alcance de 304 milhões de pessoas, contabilizando os impactos gerados nas ruas, com as publicações da imprensa internacional e também com o engajamento nas redes sociais. Somente na imprensa internacional, o público estimado é de 200 milhões, com mais de 50 matérias publicadas em veículos nacionais e internacionais. Nas mídias sociais, são 104 milhões de impressões das publicações. Mais de 2,8 milhões de engajamentos nas postagens, como curtidas, reações e comentários. Além disso, houve um alcance aproximado de 3 milhões via influenciadores digitais.

MERCADO RUSSO

A Rússia é um mercado considerado estratégico para a Embratur. Desde setembro do ano passado, a Embratur realiza ações e reuniões in loco, ao estabelecer um escritório em Moscou. São 23 milhões de russos que viajaram pelo mundo no ano passado e gastaram US$ 27 bilhões, mas apenas 27 mil visitaram o Brasil.

 

Fonte: Embratur

Hotel Renar comemora 37 anos de sucesso

 

A ABIH-SC homenageia o amigo e competente empresário e  hoteleiro Edson Ziolkowski, pelos 37 anos do hotel Renar, marca de valor, e sua história de sucesso.

O Hotel Renar, situado na conhecida ”Terra da Maçã”, em Fraiburgo (SC), comemorou no dia 31 de julho 33 anos de fundação. O hotel conta com 150.000 m² de área verde, permitindo uma ampla visão da cidade, em especial o Lago das Araucárias. O empreendimento foi fundado em 1981 por Rene Frey e já recebeu ao longo de sua existência mais de 1,5 milhão de hospedes.

Desde sua fundação, em 1981, o Hotel Renar vem encantando turistas de todas as regiões do país. Seja por sua arquitetura, estilo alpino-germânico; pela localização, no alto de um morro ou seus jardins deslumbrantes.

Pioneiro no meio oeste catarinense – quando o assunto é turismo e lazer – o hotel é o lugar perfeito para quem procura relaxar e manter contato com a natureza, mas não abre mão do conforto e qualidade.

A diversão é presente em todo o estabelecimento. Além das noites musicais, no Apfel Bar, os hóspedes podem desfrutar de tardes tranquilas nas piscinas aquecidas, tomar sol nos deques ou relaxar nas saunas e banheiras de hidromassagem. Caso a ideia seja extravasar, o hotel dispõem de salão de jogos, quadra poliesportiva, playground e equipe de recreação.

Tudo isso aliado à hospitalidade e apartamentos amplos e confortáveis. Além da presença do Restaurante das Estações – que é um destaque a parte – com sua vasta opção de pratos nacionais e internacionais que satisfazem os mais exigentes paladares.

 

Hotel Renar

ABR e Embratur querem trazer mais turistas estrangeiros para os resorts

 

O presidente da Associação Brasileira de Resorts (ABR), Alberto Cestrone, esteve terça-feira (17), na sede da Embratur (Instituto Brasileiro de Turismo), em Brasília (DF), para estreitar o relacionamento com a autarquia, e sugerir ações conjuntas que visem uma retomada no número de turistas internacionais nos equipamentos brasileiros.

Participaram do encontro a presidente da Embratur, Teté Bezerra, e os diretores de marketing, Walter Vasconcelos e de Inteligência Competitiva e Promoção Turística do instituto, Gilson Lira.

“Em 2009, 40% dos turistas que se hospedavam nos resorts nacionais eram estrangeiros. Hoje, esse número é inferior a 10%”, afirma Cestrone. Segundo o diretor executivo da associação, Ricardo Domingues a ideia da ABR é intensificar a divulgação dos resorts brasileiros no exterior e a estratégia passa pela participação em workshops que a Embratur promove para mercados prioritários e pela presença efetiva no calendário internacional de feiras nas quais o instituto tem estande de divulgação dos destinos e produtos turísticos brasileiros no exterior.

A expectativa é que o setor possa participar de um workshop na Embaixada da Argentina, em outubro, quando será realizada a Feira Internacional de Turismo (FIT), em Buenos Aires. “A Argentina é um mercado primário e tem sido muito importante para nosso setor”, afirma Domingues.  O aumento da conectividade aérea entre Brasil e Argentina foi decisivo para o número de argentinos nos resorts, especialmente na região Nordeste do Brasil, segundo informações da Embratur.

Apesar da queda no número de turistas internacionais nos resorts nos últimos anos, o mercado tem números contundentes para a economia do turismo. A Associação Brasileira de Resorts, que representa 70% do segmento, conta com 48 associados em 13 estados do Brasil e um total de aproximadamente 14 mil leitos. Os resorts da ABR faturam R$ 1,9 bilhão por ano e geram quase 20 mil empregos diretos.

 

Fonte: Hotelnews

Vem aí o Caminho dos Vinhos no Oeste catarinense

Com o objetivo de atrair mais turistas e fortalecer os negócios considerando suas localizações geográficas no Oeste catarinense, quatro vinícolas de altitude lançam o Caminho dos Vinhos Terras Altas Catarinenses. Integram o projeto a Villaggio Grando de Água Doce; Panceri, de Tangará; Kranz de Treze Tílias; e a Santa Augusta, de Videira.

– Nosso projeto é focado em enogastronomia, considerando as características de cada vinícola. O centro da rota será em Treze Tílias, que é a cidade que tem maior rede hoteleira – afirma Guilherme Grando, diretor comercial da Villaggio Grando e também presidente da entidade Vinhos de Altitude – Produtores Associados, que reúne as empresas do setor em SC.

Segundo ele, é uma forma de projetar a região com atenção à localização porque Santa Catarina é um Estado pequeno, mas as distâncias, na prática, para os turistas, são grandes porque falta infraestrutura aérea. O aeroporto polo para a rota Caminhos do Vinho será o de Chapecó, que fica a 180 quilômetros de Treze Tílias. Por rodovias, Florianópolis fica a 420 quilômetros; Blumenau a 350; Balneário Camboriú a 400; e São Joaquim, município que sedia o maior número de vinícolas de altitude, fica a cerca de 300 quilômetros de Treze Tílias.

O projeto foi feito com consultoria do IEL, da Federação das Indústrias de SC, e o nome foi escolhido porque os vinhedos da região estão numa altitude de 1,3 mil metros, em média. Essa parceria não se sobrepõe à associação Vinhos de Altitude, que tem outro foco, diz Grando.

Fonte: NSC Total. 

Leia também: Neve, frio e culinária europeia movimentam o turismo da serra catarinense

Receita cambial do turismo cresce 6,7% no acumulado do ano

Turistas estrangeiros gastaram US$ 2,86 bilhões no Brasil de janeiro a maio; em 2017 foram US$ 2,68 bilhões

 

Pelo segundo mês consecutivo, os gastos dos turistas internacionais no Brasil tiveram desempenho superior ao registrado em 2017. Depois do desempenho excepcional de abril, quando a receita cambial do turismo aumentou 19,63% em relação ao ano passado, em maio a variação ficou positiva em 2,3%, subindo de US$ 419 milhões para os atuais US$ 429 milhões.

No acumulado de janeiro a maio os gastos dos visitantes estrangeiros cresceram 6,71%, alcançando US$ 2,86 bilhões contra os US$ 2,68 bilhões do ano passado, segundo dados divulgados pelo Banco Central. Apesar da variação positiva, maio foi o único mês do ano no qual o crescimento foi de apenas um dígito. Com exceção de março, quando houve queda, os demais meses registraram crescimento de dois dígitos em relação aos resultados de 2017.

“Temos trabalhado fortemente para ampliar cada vez mais a presença de turistas estrangeiros em solo brasileiro porque eles trazem novas divisas para o país e esses números mostram que estamos no caminho certo e que iniciativas como a facilitação de vistos para americanos, canadenses, australianos e japoneses foi acertada”, comentou o ministro do Turismo, Vinicius Lummertz.

Os gastos de brasileiros no exterior também apresentaram crescimento em maio, de 7,95%, e no acumulado do ano, de 10,83%. A despesa cambial do turismo aumentou de US$ 7,29 bilhões para US$ 8 bilhões de janeiro a maio deste ano na comparação com o mesmo período do ano passado. Em maio, cresceu de US$ 1,49 bilhão para US$ 1,6 bilhão.  As estatísticas do Banco Central referem-se a gastos com cartões de créditos e trocas cambiais oficiais.

 

Fonte: Ministério do Turismo