Posts

ABIH-SC promove workshop com o tema LGPD para o ramo hoteleiro

Este workshop terá como foco a exposição dos principais aspectos da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) e o treinamento dos participantes com relação à aplicação desta lei a empresas do ramo hoteleiro.

Os participantes serão capacitados com aulas teóricas e terão participação ativa nas análises e discussões de casos práticos que lhes serão apresentados durante o curso, e que lhes permitirão compreender e iniciar um projeto de implementação da adequação à Lei Geral de Proteção de Dados em estabelecimentos do setor hoteleiro.

Público-alvo

O curso é destinado à profissional de qualquer área, seja do setor jurídico, do administrativo, do RH, da TI ou mesmo consultor externo, e que busca conhecimento e ferramentas para compreender melhor a incidência da LGPD no ramo hoteleiro.

Metodologia

O curso será dividido em 03 fases:

  1. Teoria: Exposição dos temas inerentes à LGPD e ao ecossistema de privacidade e proteção de dados;
  2. Parte prática: Análise e resolução de casos hipotéticos sobre assuntos envolvendo a proteção de dados nas empresas do ramo hoteleiro;
  3. Atendimento individual: Após o encerramento do curso, atendimento individual do participante para dúvidas a respeito do conteúdo ministrado.

Tanto na exposição oral quanto no material escrito é usado uma linguagem acessível e de fácil compreensão para todos os profissionais do público-alvo.

Atendimento individual

Como se trata de um curso com forte viés prático em que o participante tende a consolidar o aprendizado e colocar em prática o conteúdo aprendido, será ofertado atendimento individual pós curso.

Em até 20 dias após o encerramento do workshop o participante poderá agendar um atendimento individual com o professor do curso, de forma presencial ou on line, para tirar dúvidas a respeito do conteúdo ministrado.

Carga horária: 15h

Dias: 01/12 – quarta(manhã e tarde), 02/12 – quinta(manhã e tarde) e 03/12 -sexta (manhã) + 01hora do atendimento individual.

Investimento

Associado ABIH-SC: R$1.700,00;

Não associado ABIH-SC: R$2.100,00.

Informações

comercial@abih-sc.com.br

48 98843-7659

ABAV expo

Abav Expo volta a ser itinerante; Ceará recebe edição de 2021

A partir deste ano, a Abav Expo volta a ser itinerante. A feira dá um até logo para São Paulo – que acolheu o evento desde 2013 – e segue rumo ao Ceará. A edição 2021 da principal feira de Turismo do Brasil será em Fortaleza, no Centro de Eventos do Ceará, entre os dias 6 e 8 de outubro, mas será híbrida. No entanto, a presidente da entidade, Magda Nassar, anunciou que a entidade passará a ter duas edições por ano e, em março, será realizada novamente na capital paulista.

A feira itinerante era um sonho antigo de muita gente do trade. O evento foi assim até 2003, quando se instalou no Rio de Janeiro para ampliar a sua internacionalização e permaneceu por dez anos. A ida para São Paulo ocorreu na gestão de Antonio Azevedo com a proposta de aumentar a profissionalização e o público do evento.

Os relatos de quem viveu este período falam de eventos memoráveis em capitais como Salvador e Brasília. Na época, uma das premissas era divulgar o destino nacionalmente, estimulando o turismo doméstico. O próprio crescimento da feira fez com que a maioria dos centros de convenções do País não comportasse o evento. Por isso ele passou tanto tempo no Rio de Janeiro e em São Paulo.

“Estamos muito otimistas e felizes com este anúncio, pois mostra o que a Abav é capaz. Nós, como todos deste setor, sofremos profundamente neste um ano e meio, mas é uma associação guerreira que nunca deixou de atuar”, destacou Magda Nassar. “Faremos dois grandes eventos. O segundo acontecerá em março em São Paulo, quando vamos realizar o maior evento de Turismo do Brasil e aumentando os números de 2019, quando recebemos 32 mil pessoas”, complementou.

A dirigente destacou a coragem da entidade e do secretário de Turismo do Ceará, Arialdo Pinho, que fez o convite. Ela afirmou que não será uma feira como o mercado está acostumado, uma vez que estão previstas uma série de inovações. “Vamos revolucionar a feira”, afirmou. “Vamos levar o evento para Fortaleza, fazer pontes, conexões e uma imersão profunda dos agentes no destino. Estamos há meses estudando isso. Fortaleza irá respirar Turismo durante uma semana”, garantiu.

O CENTRO DE EVENTOS DO CEARÁ

Moderno, bem localizado e totalmente estruturado, o Centro de Eventos do Ceará está em operações desde o dia 18 de agosto de 2012. Ele tem capacidade máxima para receber mais de 30 mil pessoas ao mesmo tempo e é considerado um equipamento multiuso de 39.600 m² de área, dividido por dois pavilhões com 13.500m² e 36 salas de 350m² cada.

Centro de Eventos do Ceará

São dois pavilhões: Leste e Oeste, que se dividem em 36 salas multiuso de 350m² para 250 pessoas e oito salões modulares de até 4.500m². Juntos, os salões fornecem uma área de 13 mil m² para cada pavilhão, enquanto as 36 salas fornecem uma área total de 12.600m².

As 14 docas para descarregar os produtos de cada evento realizado se integram aos salões que levam o nome de cada pedacinho do litoral cearense, entre Iguapé, Aracati, Jericoacoara, Pecém, Taíba, Mundaú, Almofala e Icapuí.

O Centro de Eventos do Ceará ainda conta com um grande área de circulação, também conhecida como lobby, com sete recepções, ambiente totalmente climatizado e infraestrutura moderna, o que cria a possibilidade de realização de exposições, coquetéis e eventos de pequeno porte.

A Área de Convivência de 6.000 metros quadrados também vira uma oportunidade para a realização de coqueteis e comemorações, embora um projeto para a criação de lojas e praça de alimentação ainda queira sair do papel. O estacionamento, por sua vez, conta com 3.200 vagas, sendo 1.760 delas em local coberto.

Fonte: Mercado & Eventos

abih nacional abih sc

OPINIÃO – A hotelaria nacional pede socorro de novo!

Apesar das esperanças de uma retomada já no início de 2021, os números relacionados às atividades econômicas no país mostram um cenário adverso, com previsões de retração entre 4% e 11% no primeiro trimestre desse ano. Para hotelaria nacional, especialmente a localizada nos grandes centros e calcada no turismo de eventos e de negócios, a situação chega a ser dramática, já que com as atividades novamente paralisadas em diversos destinos Brasil afora, não será possível sequer recuperar as perdas de 2020 este ano. A luta que estamos travando hoje é para sobreviver em 2021, sem praticamente nenhuma receita desde o ano passado.

Nosso setor não tem estoque. O que não foi vendido em 2020 e que não está sendo comercializado em 2021 ficam para trás. Não há como recuperar os investimentos e as dívidas estão se acumulando desde março do ano passado. Para sobrevivermos, precisamos de ações imediatas em todos os níveis – municipal, estadual, federal e da iniciativa privada – para então conseguirmos manter as empresas em atividade, garantindo seu funcionamento e os empregos de seus colaboradores.

Entre as questões principais, precisamos sim da efetivação imediata de uma medida provisória semelhante à MP 936 que possibilite a renegociação de contratos de trabalho e a redução de jornada e salários. Ainda esperamos para 2021 a retomada do turismo, mas para que as empresas continuem suas atividades, é necessária a cooperação imediata dos estados e municípios com medidas de impacto econômico direto como, a nível municipal, a redução de impostos como o IPTU; e a nível estadual, a renegociação das tarifas como a de água, cuja a cobrança deveria ser realizada em cima do consumo, e não por tarifa mínima.

Mais uma vez repito que urge a suspensão da cobrança das parcelas dos fundos de financiamentos também em 2021 – como foi feito a partir de abril até dezembro de 2020 – e a reprogramação dos pagamentos a partir de 2022, bem como a abertura de novas linhas de crédito acessíveis para evitar que unidades hoteleiras encerrem suas atividades, como já vem acontecendo em todo o país.

Estamos prontos! Investimos e nos adaptamos à nova realidade. Os hotéis estão abertos para receber, seguindo todos os protocolos e regras de ouro que as autoridades de saúde recomendam. Precisamos redesenhar o mapa de negócios do turismo no país imediatamente, a partir das novas tendências que vêm se estabelecendo.

Já sabemos que o perfil do negócio e dos viajantes mudou radicalmente e contamos com o Ministério do Turismo e com uma agência de promoção internacional do Turismo, a Embratur, para o reposicionamento do setor, divulgando estrategicamente, dentro dos país, nossas potencialidades com foco no que já aparecem em pesquisas que mostram, por exemplo, maior preferência pelo turismo local, em pequenas cidades, ou destinos de ecoturismo e de luxo, bem como encontros para grupos reduzidos de pessoas em ambientes controlados e seguros, o que estimularia a volta dos eventos presenciais, promovidas por empresas, principalmente nas grandes cidades, segmento bastante afetado pela pandemia.

Os estados e municípios também precisam dar sua contribuição para que a indústria do Turismo possa se reerguer, divulgando internamente seus destinos de forma profissional e constante, pois a demanda por viagens próximas ao local de origem é um dos segmentos que mais crescem. Temos que tomar atitudes comuns que nos permitam movimentar uma indústria que abrange uma vasta cadeia produtiva que inclui áreas como alimentos e bebidas, transporte, comunicação, entre outros muitos segmentos econômicos. Por isso, seria importante, por exemplo, desenvolver campanhas e promoções junto aos veículos de mídia especializados em turismo, estimulando uma retomada imediata, consciente e responsável do setor como um todo.

É disso que estamos tratando: da sobrevivência das empresas e a manutenção dos empregos de cerca de um milhão e cem mil pessoas que direta ou indiretamente dependem das empresas que atuam ou se relacionam com o setor de turismo. Não temos como esperar mais. As vacinas estão chegando e a esperança cresce a cada momento. A hora é de agir, pois já sabemos o que tem ser feito para continuarmos cumprindo com excelência nossa missão de receber bem e com segurança.

Manoel Cardoso Linhares, presidente nacional da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis – ABIH Nacional

FONTE: Mercado & Eventos