Posts

De cara nova!

Ministério do Turismo cria novo modelo para carteira de guias de turismo e altera o certificado do Cadastur.

 

A tecnologia é mais uma aliada do Ministério do Turismo para impulsionar o setor no país. Após a modernização do site do Cadastur, foi a vez das carteiras de guia de turismo ganharem “cara nova”. A emissão do documento é gratuita e o cadastro deve ser realizado pelo site do Cadastur (CLIQUE AQUI E ACESSE).

Agora, a carteira tem também um QR Code (ou Código QR), símbolo que pode ser lido por aplicativo de celular e que facilita a identificação do guia. O cadastro no Cadastur e a carteira são obrigatórios para quem exerce a profissão de guia de turismo.

Profissionais que buscarem regularização ainda em 2018 já receberão o novo documento. Para os que possuem a carteira de guia no modelo antigo e dentro do prazo de validade, não é necessária a troca, que só será feita quando o profissional for renovar a documentação.

“A nova carteira veio para acompanhar a mudança de todo Sistema Cadastur, buscando oferecer, cada vez mais, um trabalho digital e prático tanto para os prestadores de serviços quanto para o turista”, ressalta a coordenadora-geral de Cadastramento e Fiscalização de Prestadores de Serviços Turísticos do MTur, Tamara Galvão.

O viajante que vai contratar o serviço deve ficar atento à documentação do profissional. A carteirinha, válida nos dois modelos, certifica que o guia atua de forma legal e formal no mercado. A dica para o turista é observar o prazo de validade do documento como mais uma credencial de segurança do passeio.

CERTIFICADOS ALTERADOS – Quem emite o certificado no site do Cadastur vai notar que o diploma também foi renovado. Foram incluídas informações sobre a atividade exercida pelo prestador e a data de validade do documento. O novo material pode ser adquirido pelo site do Cadastur (CLIQUE AQUI E ACESSE).

12 12 18 NovaCarteiraGuia2

 

Fonte: Ministério do Turismo

Brasileiros farão 75,5 milhões de viagens domésticas no verão

 

Crescimento é de 2% e setor projeta aumento de vendas da ordem de 18% a 20% em relação à temporada 2017/18.

 

Estimativa do Ministério do Turismo aponta para a realização de 75,5 milhões de viagens entre dezembro deste ano até fevereiro de 2019. O resultado é cerca de 2% maior em relação aos números do verão passado. A Associação Brasileira de Agências de Viagens (Abav) também projeta crescimento nas vendas em percentuais entre 18% e 20% no mesmo período.

São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia, Santa Catarina e Minas Gerais estão entre os estados que serão mais visitados no período das festas de fim de ano (Natal e Réveillon) e das férias escolares em todo o país. Outros destinos que também receberão expressivos volumes de turistas, segundo a projeção do MTur, são Rio Grande do Sul, Paraná, Ceará, Pernambuco e Goiás.

“Tenho batido muito nesta tecla, de que o turismo é um celeiro de respostas positivas pois tem uma capacidade incrível de influenciar positivamente a economia. O aumento do número de viagens gera mais oportunidades de geração de empregos temporários e movimenta o comércio e equipamentos turísticos nas nossas cidades”, avalia o ministro do Turismo, Vinicius Lummertz.

Segundo a Abav, as vendas devem manter a mesma proporcionalidade do verão passado. Ou seja, 60% das vendas para destinos nacionais e 40% para o exterior. “Tivemos uma instabilidade cambial importante este ano, revertida agora, e a projeção é de que a demanda reprimida dos meses anteriores se concretize em vendas para a alta temporada”, comenta a presidente em exercício da entidade, Magda Nassar.

Os destinos de sol e praia lideram a preferência na maior operadora de turismo do país para o período. No Nordeste, estão na dianteira destinos como Porto Seguro, Fortaleza, Maceió, Salvador e Natal. Em outras rotas destacam-se atrativos sem e com litoral, como Foz do Iguaçu, Caldas Novas (GO) e Balneário Camboriú, os dois últimos “devido aos parques aquáticos e de diversão”.

Outra grande empresa do setor, a agência de viagens online Decolar, coloca Rio de Janeiro, Porto Alegre e Natal como destinos nacionais preferidos para o Ano Novo. Entre os dez mais buscados pelo público estão também Foz do Iguaçu, Recife, Florianópolis, São Paulo, Fortaleza, Vitória e Salvador, reforçando a tese de que sol e praia ainda é o segmento mais demandado no país.

MUDANÇA – A operadora CVC identificou nesta temporada uma mudança de comportamento de viagem do brasileiro: “diferente de anos anteriores, quando os brasileiros deixaram a decisão da viagem para a última hora, neste a CVC percebe que o consumidor voltou a se planejar e tem fechado a viagem com maior antecedência, aproveitando as promoções do mercado” comenta a assessoria de comunicação da empresa.

RANKING – Segundo as estimativas do Ministério do Turismo, o estado de São Paulo deverá receber o maior contingente de turistas no período, cerca de 18% do total ou 13,65 milhões de viagens realizadas. Já o Rio de Janeiro, na segunda posição, ficará com 10,3% do volume de viagens, seguido da Bahia, com 9,5%. Santa Catarina e Minas Gerais devem ser destino de 5,86 milhões e 5,3 milhões das viagens que serão realizadas no próximo verão, que começa em 21 de dezembro próximo.

12.12.2018 Filhos de Gandhy BentoViana

 

Fonte: Ministério do Turismo

Prodetur+Turismo Itinerante chega a Minas Gerais

 

MTur roda o Brasil para apresentar programa de crédito que oferece incentivo ao desenvolvimento de projetos públicos e privados do setor.

Minas Gerais é o décimo estado a receber a ação itinerante do Prodetur+Turismo, programa que dispõe de R$ 6 bilhões para a estruturação de destinos brasileiros. Durante o Encontro Mineiro dos Dirigentes das Instâncias de Governanças Regionais de Turismo, em Belo Horizonte, o coordenador-geral de Planejamento Territorial do Turismo do MTur, Eduardo Madeira, apresentou a linha de crédito do Ministério do Turismo, atendeu gestores públicos e empresários do setor e tirou dúvidas sobre projetos que se preparam para acessar o financiamento.

Segundo Madeira, durante o encontro, o estado confirmou interesse pela expansão do mercado de Viagens, com iniciativas de aproveitamento da vocação turística dos municípios mineiros e fomento à geração de empregos. “As instâncias de governança regionais são importantes pilares na implementação do Prodetur + Turismo, pois integram projetos e apoiam os municípios que pleiteiam o Selo + Turismo”, disse Madeira. O Selo+Turismo é um carimbo de aprovação do MTur para proposta alinhadas às diretrizes da Política Nacional do setor.

Além de Minas Gerais, o Programa já foi apresentado em outros nove estados brasileiros: Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte e Amazonas. Até o momento, as propostas em análise somam R$ 3,8 bilhões em 91 projetos apresentados ao MTur. Desses, R$ 530 milhões são pleitos da região Sudeste. Os recursos são destinados a financiar infraestrutura pública e privada de turismo no Brasil, bem como ações de promoção dos destinos, informação ao turista e estudos de planejamento e diagnósticos de mercado.

São elegíveis ao Prodetur empresas de turismo de qualquer porte, microempreendedores individuais, fundações, associações, cooperativas, entidades, clubes, órgãos públicos e prefeituras dos 3.285 municípios que fazem parte do Mapa do Turismo, pré-requisito para dar entrada no programa.

PRODETUR + TURISMO – O Ministério do Turismo instituiu o Programa Nacional de Desenvolvimento e Estruturação do Turismo por meio da portaria nº 74, de abril de 2018. O objetivo é disponibilizar recursos para a estruturação dos destinos turísticos brasileiros, oferecendo oportunidade de fomento ao desenvolvimento local e regional por meio de parcerias com estados, municípios e entes privados.

Um call center disponibilizado pelo MTur esclarece dúvidas de gestores públicos e privados em relação ao Prodetur+Turismo. O trabalho agiliza o atendimento de demandas municipais e estaduais, bem como de empresários interessados em investir no setor. O telefone é o 0800 200 8484, e o email atendimento.prodetur@turismo.gov.br também recebe questionamentos sobre o programa.

Os pleitos de financiamento devem ser encaminhados diretamente ao Ministério do Turismo, em versão digital, para o e-mail institucional cgpla@turismo.gov.br (Coordenação Geral de Planejamento Territorial do Turismo). O telefone para contato é o 61 2023-7291 ou 7888.

 

Fonte: Ministério do Turismo

Conselho Nacional de Turismo critica possível extinção de Ministério

Entidades ligadas ao setor justificam permanência da pasta como essencial para a criação de novas vagas de emprego, aumento da renda e investimentos em infraestrutura no País.

 

Diante da possibilidade de fusão dos ministérios do Turismo e das Cidades em uma só pasta, o Conselho Nacional de Turismo se reuniu em Florianópolis, nesta terça-feira (20), onde foi criada e enviada uma carta destinada ao presidente eleito Jair Bolsonaro alertando para os prejuízos que o Brasil teria caso a decisão se concretize.

Segundo o documento, o Ministério do Turismo tem grande importância econômica. Representantes de entidades empresariais e trabalhistas ligadas à área afirmam que extinguir ou fundir a pasta ministerial é um retrocesso, pois “deixa em segundo plano um setor que foi responsável pela criação de um em cada cinco empregos gerados no mundo na última década e que representa hoje 10,4% do PIB global”.

 

Para Moacyr Auersvald, presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Turismo e Hospitalidade (CONTRATUH), enidade sindical que representa trabalhadores do turismo em todo o território nacional, o Brasil perde ao deixar de voltar seus olhos para uma fonte de renda que traz desenvolvimento para todas as regiões. “Temos o maior potencial turístico do mundo, de acordo com o Fórum Econômico Mundial. São oito mil quilômetros de litoral, rios, florestas, fauna e cultura diversificada, para todos os gostos. Somos dezenas de países em um só, mas precisamos de mais apoio governamental e infraestrutura. E essa decisão de fundir ministérios vem na contramão disso”, avalia.

“É um setor democrático, que emprega e gera renda desde o recepcionista, passando pela camareira, o garçom do restaurante, artesão, centros culturais e o empresariado. Além de se fazer necessário, com o crescimento do turismo, um investimento natural em infraestrutura privada e pública. Toda a população ganha com isso. É o futuro de muitas nações, como exemplo de Dubai, nos Emirados Árabes”, completa.

Turismo e geração de renda

Desde a criação do Ministério do Turismo, segundo dados do próprio órgão, o setor registrou um salto na movimentação econômica de US$ 24,3 bilhões, em 2003, para US$ 163 bilhões, em 2017. No mesmo período, o número de visitantes estrangeiros no Brasil subiu de 4,13 milhões anuais, para os atuais 6,6 milhões, com perspectiva de alcançar ao final deste ano a histórica marca de 7 milhões de visitantes. O número de viagens domésticas também cresceu, passando de 138,7 milhões para mais de 200 milhões atualmente.

A carta também ressalta que Jair Bolsonaro, por diversas vezes, enfatizou a importância do turismo como vetor do desenvolvimento econômico, geração de emprego e ferramenta de preservação do meio ambiente. “Chegou a hora de transformar unanimidade retórica em atitude. Manter o Ministério do Turismo é, antes de mais nada, ter uma atitude patriótica, de exaltação do país que é número um do mundo em atrativos naturais e tem tudo para se posicionar como nova potência do planeta no setor de viagens”, diz o documento.

Fonte: Turismo Online

Mais de 70% dos hotéis de Bombinhas e Balneário Camboriú estão fora do cadastro nacional

Uma fiscalização do Ministério do Turismo levantou que mais de 70% dos hotéis e pousadas de Balneário Camboriú e Bombinhas estão fora do Cadastur, o cadastro obrigatório do governo federal.

Dos 107 estabelecimentos que receberam os fiscais, 81 não possuem o registro — 44 em Bombinhas e 37 em Balneário Camboriú.

Os proprietários foram notificados e terão até 30 dias para se regularizarem. Quem não fizer o cadastro nesse prazo está sujeito a multa de até R$ 854 mil.

Recursos

Dirce Fistarol, vice-presidente do Sindisol, o sindicato dos hoteleiros de Balneário Camboriú, diz que o cadastro federal é importante porque permite, por exemplo, que o estabelecimento participe de licitações públicas de hospedagem.

O número de estabelecimentos cadastrados também interfere na possibilidade do município pleitear recursos e financiamentos junto ao Ministério do Turismo.

Fonte: NSC Total

Acordo visa criar portfólio de destinos para indústria audiovisual

Objetivo é aproveitar potencial da economia criativa do cinema para impactar promoção turística no Brasil.

O Ministério do Turismo e a organização do Festival de Cinema de Gramado (RS) assinam nesta quinta-feira (8), na solenidade de abertura da 30ª Feira Internacional de Turismo (FESTURIS), o protocolo de intenções que define ações conjuntas para transformar o Brasil em um grande portfólio de locações para a indústria criativa do cinema.

As medidas de promoção do segmento nos mercados doméstico e internacional serão preparadas por meio do Grupo Técnico de Trabalho para a Promoção do Turismo Cinematográfico, criado pelo MTur e oficialmente instituído pela portaria nº 162/2018 publicada no último dia 1º no Diário Oficial da União.

O protocolo estabelece também ações de observação de boas práticas nacionais e internacionais, mapeamento de instituições com conhecimento sobre o tema e criação de uma rede de inovação na área.

Segundo o ministro do Turismo, Vinicius Lummertz, cidades escolhidas para gravação de novelas, séries e filmes têm ganhos reais historicamente experimentados pelo turismo nacional. “Esses destinos ampliam a visibilidade de seus atrativos, passando a ser um ‘tesouro’ a se descobrir. É assim que são mais lembrados pelos consumidores e entram em um ciclo virtuoso de comercialização de serviços”, analisa Lummertz.

É o caso de Tocantins, recente cenário de novela brasileira. Uma pesquisa da plataforma de planejamento de viagens online Kayak identificou que 50 dias após a estreia da trama, as buscas pelo destino Tocantins tinham aumentado 80%.

“A ideia do grupo é trabalhar para criar destinos de referência para gravações da indústria audiovisual nacional e internacional, em cenários do Brasil que promovam tanto os atrativos já estruturados como também lugares a serem ‘desbravados’ pelos viajantes e pelo mercado de uma forma geral”, complementa a diretora do Departamento de Marketing e Apoio à Comercialização do MTur, Vanessa Mendonça.

APOIO E EXPERIÊNCIA – De acordo com o presidente da Gramadotur e também do Festival de Cinema de Gramado, Edson Néspolo, o impacto da indústria cinematográfica no turismo é de grande potencial e gera efeitos no longo prazo. “Essa parceria com o Ministério do Turismo engrandece os dois lados do acordo, beneficiando ambos os mercados. A ideia cria possibilidades para Gramado e outros destinos, tradicionais ou não no segmento, se reinventarem, crescerem e se consolidarem”, analisa.

Marta Rossi, diretora do Festival de Turismo de Gramado – palco da assinatura do acordo – , afirma que a iniciativa revela a importância de se valorizar o universo do cinema e entendê-lo como um parceiro do turismo. “A assinatura deste protocolo, tendo Gramado como apoiadora, diz muito sobre a força do cinema para nós: foi o que transformou a cidade e nos tornou o destino-modelo que somos hoje”, analisa.

Para Rossi, a parceria público-privada amplifica resultados das políticas públicas de turismo. “Quando a comunidade entendeu a importância que o Festival de Cinema tinha para a cidade não apenas como evento, mas como ferramenta de promoção do destino como um todo, os benefícios desse engajamento trouxeram negócios e posicionaram Gramado no cenário nacional do setor”, conta. Ela avalia que o maior legado da 7ª arte na cidade foi “ter nos feito acordar para a hotelaria e para todos os serviços e produtos que hoje são a base da nossa economia”, conclui.

 

Fonte: Ministério do Turismo

Curso online Brasil Braços Abertos: inscrições vão até 31 de outubro

 

Plataforma de ensino a distância do MTur já tem mais de 22 mil inscritos de todo o Brasil.

 

Quem ainda não se inscreveu no canal Brasil Braços Abertos (BBA), plataforma de ensino a distância do Ministério do Turismo, tem até o final do mês para se matricular. O prazo para inscrições no curso de Atendimento ao Turista termina no próximo dia 31 de outubro, abrindo oportunidade de qualificação profissional para pessoas que já atuam ou pretendem trabalhar em atividades relacionadas ao turismo.

O BBA é uma oportunidade também para aquelas pessoas que pretendem ampliar seus conhecimentos profissionais na área. Para os universitários, é uma ajuda extra para turbinar o currículo com uma atividade complementar, já que o curso é considerado de extensão e tem carga horária de 80 horas. Qualquer pessoa maior de 15 anos pode se inscrever e acompanhar as aulas em qualquer equipamento com acesso à internet, como smartphone, tablet ou computador.

O curso tem linguagem simples e conteúdo abrangente sobre temas que interessam para o prestador de serviços turísticos, que, ao se profissionalizar, melhora a qualidade do atendimento ao turista. Noções básicas de inglês, dicas para elaboração de planos de negócios e formação de preços, gestão, higiene no trabalho, manipulação de alimentos, ética, segurança, marketing e como lidar com reclamações são algumas das matérias que compõem os quatro módulos do curso. A utilização de jogos e vídeos, com simulação de situações reais de atendimento ao turista, são recursos que o tornam mais atrativo e ajudam na fixação do conteúdo programático.

“O canal foi planejado de forma que o aluno, principalmente aquele que trabalha durante todo o dia, tenha tempo suficiente para absorver o conteúdo e concluir o curso de forma tranquila, pois mesmo os que se inscreverem agora terão cerca de três meses para terminar ”, estima o secretário nacional de Qualificação e Promoção do Turismo do MTur, Bob Santos.

Para concluir o curso o aluno precisa ter acumulado 696 pontos, o que poderá conquistar com o aproveitamento de todos os módulos do conteúdo programático. Com isso, poderá emitir o seu certificado de conclusão no próprio canal. O prazo final para conclusão dos estudos online é dia 15 de janeiro de 2019. Para mais informações sobre as ações de qualificação profissional do Ministério do Turismo, CLIQUE AQUI.

 

Fonte: Ministério do Turismo

Outubro: roteiros de fé em destaque

 

Das 185 atrações e festividades inscritas no Calendário Nacional de Eventos do Ministério do Turismo, 49 estão relacionadas ao turismo religioso em outubro.

Em outubro, a força dos destinos brasileiros da fé está voltada para as grandes celebrações, ponto alto da programação religiosa do país. Do total de 185 atrações e festividades inscritas, para o mês, no Calendário Nacional de Eventos do Ministério do Turismo, 49 estão relacionadas a romarias, círios, procissões, peregrinações e missas.

No Brasil, o turismo religioso movimenta cerca de 20 milhões de viagens por ano e é responsável por injetar R$ 15 bilhões nas economias anfitriãs, aquecendo atividades do comércio e serviços com a geração de emprego e renda.

De acordo com Cristiano Borges, coordenador-geral de Produtos Turísticos do MTur, o fato de um a cada quatro eventos do Calendário estar focado neste segmento ao longo do mês revela a importância das comemorações da fé para o turismo doméstico.

“Enquanto os viajantes podem conhecer melhor a oferta de eventos em épocas e regiões específicas, os destinos têm o calendário como uma vitrine de divulgação direta para um público segmentado. Assim, a ferramenta digital oferece apoio ao turista que planeja uma viagem pelo Brasil e aos destinos, por estimular o incremento do fluxo turístico em todas as regiões”, explica Borges.

AGENDA – Entre os grandes momentos de religiosidade no país, estão as festas de São Francisco de Assis, cujo centro de romarias é Canindé (CE), localizada a 110 km de Fortaleza. A cidade tem a segunda maior romaria Franciscana do mundo, com um milhão de fiéis por ano. Eles percorrem até esta quinta-feira (4), Dia de São Francisco, mais de cento e vinte quilômetros debaixo do forte sol até chegar ao maior santuário franciscano das Américas.

Além do complexo do santuário, formado pela basílica e pela praça dos romeiros, o turista poderá conhecer a estátua de São Francisco com 30 metros de altura e sua vista panorâmica, o museu de São Francisco e o zoológico dedicado ao santo protetor dos animais.

O feriadão de 12 de outubro coincide também com o Círio de Nazaré, em Belém (PA), realizado sempre no segundo domingo de outubro, quando a cidade chega a reunir mais de dois milhões de fiéis. A celebração religiosa dura duas semanas e está para os paraenses assim como o Natal para o restante do Brasil. De tão significativa e simbólica, a festa da padroeira da Amazônia foi reconhecida pela Unesco como patrimônio imaterial da humanidade.

No Sudeste, Aparecida do Norte (SP) é amplamente conhecida pelo Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida, segundo maior do mundo, atrás apenas da Basílica de São Pedro, no Vaticano. A Basílica de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil, é considerada também o maior santuário mariano do mundo. Maior espaço religioso do país, com 143 mil m² de área construída, recebe mais de 12 milhões de romeiros por ano, entre turistas e excursionistas.

A passagem do turista pelo santuário inclui visita ao Nicho de Nossa Senhora Aparecida, uma capela com 37 metros de altura onde está a imagem encontrada por pescadores no rio Paraíba do Sul (SP) em 1717; e também à Sala das Promessas, ao Memorial da Devoção, ao Museu, ao campanário com 13 sinos e ao mirante no 18º andar, de onde se tem uma visão privilegiada do rio e da Passarela da Fé. Outro atrativo é o passeio nos bondinhos aéreos, com extensão de 1.170 metros, até o Morro do Cruzeiro.

03.10.2018 basilicadenazare belem BrunaBrandao
Basílica de Nazaré, em Belém (PA). Foto: Bruna Brandão/Banco de Imagens do MTur

 

Fonte: Ministério do Turismo

É dia de festa no Turismo!

 

Sob o tema “Turismo e Transformação Digital”, Dia Mundial do Turismo de 2018 marca sucesso do visto eletrônico implantado pelo Ministério do Turismo.

O dia 27 de setembro é de dupla celebração para quem ama ou trabalha no setor de viagens. Foi escolhido pela Organização Mundial do Turismo (OMT) como Dia Mundial do Turismo e também é a data nacional dedicada aos turismólogos, profissionais que atuam no planejamento e execução de ações estratégicas para que as viagens sejam feitas de forma legal, sustentável e segura. Neste ano em que o tema da comemoração é “Turismo e a Transformação Digital”, o Ministério do Turismo aproveita para festejar a marca de 119 mil vistos eletrônicos solicitados por cidadãos do Estados Unidos, Japão, Canadá e Austrália, primeiros países beneficiados com a medida.

O visto eletrônico promove uma verdadeira transformação no turismo brasileiro. O início da facilitação de emissões teve início em novembro de 2017 para a Austrália e em janeiro deste ano para os demais países. Desde então, o Ministério das Relações Exteriores observou um aumento de 39% na solicitação do documento – entre os meses de janeiro e agosto de 2018 – em comparação com o mesmo período do ano anterior. Se convertidas em viagens, as autorizações de visita ao Brasil podem representar US$ 47 milhões a mais na economia nacional.

“O visto eletrônico é um exemplo claro de como tecnologia e inovação impactam positivamente no turismo e ajudam na circulação de pessoas e ideias” , afirma o ministro do Turismo, Vinicius Lummertz. Para a OMT, os avanços digitais e de inovação são parte da resposta ao desafio de conciliar crescimento contínuo com maior sustentabilidade e responsabilidade no setor do turismo.

“Esse é um dia de festa para nosso setor e de prestarmos homenagens aos profissionais que tanto fazem pelo turismo nacional, além de também ser um momento de reflexão para o momento da chegada de novas tecnologias que vivemos e que já têm um impacto significativo na atividade, contribuindo de forma vital inclusive para o rumo do futuro”, finalizou.

TURISMÓLOGO – Criada inicialmente com o objetivo de celebrar o Dia do Bacharel em Turismo, a ideia é transformar a data em Dia do Turismólogo por meio do Projeto de Lei 3629/12. A profissão passou a ser reconhecida em 2012 e, segundo a Associação Brasileira de Turismólogos e Profissionais do Turismo (ABBTUR), o Brasil conta com aproximadamente um milhão de profissionais. Sua atuação no mercado se divide entre bacharéis, tecnólogos, licenciados e provisionados.

 

Fonte: Ministério do Turismo

Cruzeiros poderão ficar mais tempo no Brasil

Decreto publicado no Diário Oficial evita a perda de 7 mil empregos e R$ 450 milhões na economia brasileira.

 

Os amantes dos cruzeiros marítimos têm motivo para comemorar. O Decreto Presidencial número 9.500, publicado nesta  terça-feira (11) no Diário Oficial aumentou de 90 para 180 dias a validade do visto dos profissionais que trabalham nos navios em viagem de longo curso. O texto afasta o risco do Brasil ter uma temporada reduzida de 120 para 90 dias em 2018/2019. Pelas estimativas da entidade que representa os navios de cruzeiros, Clia Brasil , com base na última temporada, caso a duração da estada dos navios na costa brasileira fosse encurtada, a economia nacional perderia 7 mil empregos e R$ 450 milhões.

Para os cruzeiros marítimos, o aumento na validade do visto para marítimos representa uma redução no custo operacional com taxas em R$ 5 milhões.  “Essa era uma demanda histórica, que ajuda a simplificar a nossa operação e, consequentemente, facilita a busca por novos navios para a próxima temporada. É mais um entrave que, com a ajuda fundamental do Ministério do Turismo, com a ajuda da Casa Civil e a atuação determinante da Presidência da República a gente consegue superar”, comentou Marco Ferraz, presidente da Clia Brasil.

A temporada 2018/2019 de cruzeiros começa em novembro e terá sete navios de cabotagem, com viagem com início e fim nos portos nacionais, e 29 embarcações de longo curso, com escalas no país. Em média os navios permanecem 120 dias em operação no Brasil. Uma eventual redução para 90 dias representaria uma perda de 25% na movimentação econômica e geração de emprego. De acordo com estudo da FGV, um cruzeirista gasta mais de R$ 500 em cada escala.

“Não podemos nos dar ao luxo de perder esses empregos e a injenção desses recursos na nossa economia. Temos a obrigação moral de abrir postos de trabalho e criar alternativas para a população. O turismo tem diversas soluções nesse sentido”, comentou o ministro do Turismo, Vinicius Lummertz.

 

Fonte: Ministério do Turismo