Posts

ABIH-SC Informa

Gestão do Dinheiro

Conhecida também como Finanças, a Gestão do dinheiro, de forma resumida, nada mais é do que você gerir seus ganhos e gastos de forma integral.

Acrescento ainda que essa integralidade deve vir acompanhada de responsabilidade, pois numa gestão financeira, não é só o nosso dinheiro que está em jogo, mas dos credores também.

Faço sempre a analogia da Gestão Financeira Pessoal com a Gestão Financeira Empresarial.

Nossa vida financeira pessoal é idêntica a de uma empresa, salvo as proporções.

Numa empresa, para que se tenha lucro, você precisa gastar menos do que ganha. Isso vai gerar um resultado operacional positivo (lucro). Com os lucros, podemos fazer os investimentos e ainda ter o retorno do capital investido, como se fosse uma aplicação financeira.

Nas finanças pessoais, precisamos controlar nossos gastos de acordo com nossos ganhos. Precisamos de controle financeiro. E ainda fazer sobrar um pouco no final de cada mês ou período. Essa sobra seria o nosso lucro. E da mesma maneira que uma empresa, faríamos investimentos (carro novo, casa, apartamento, poupança, viagens).

Muitas pessoas se espelham em outras mais bem sucedidas financeiramente criando parâmetro para saberem se estão indo bem nas finanças. Fazer a comparação propriamente dita não é ruim, pois devemos nos inspirar em bons cases. O problema é que esquecemos de avaliar as proporções. Cada caso é um caso particular. O sucesso é algo individual. Devemos respeitar o nosso tempo, nossas limitações e criar metas que sejam desafiadoras mas alcançáveis, caso contrário, teremos frustrações.

Não devemos nunca gastar mais do que ganhamos. As finanças fazem parte das ciências exatas, onde 1 + 1 é 2 e ponto final.

E é com essa matemática que as pessoas e empresas com bom controle financeiro se destacam em relação as que não possuem controle nenhum.

Não existe milagre. É apenas gestão financeira.

Desejo saúde financeira a todos!!!

Deverson L. G. Pereira

Diretor de Controladoria ABIH-SC

ABIH-SC Informa

Vendendo sem erros – 5 tipos de vendedor que você não vai querer ser

Um bom vendedor traz para a empresa bons resultados de faturamento, por isso existe a necessidade de ter bons colaboradores. É preciso adaptar-se ao mercado, à cada situação singular e, principalmente, é necessário aprender com cada erro. Dessa forma, apresentamos aqui 5 tipos de vendedor que você não deve ser!

1.  O vendedor vidente

Como o Google tentando completar sua frase, o vendedor vidente é aquele que tenta desesperadamente adivinhar o que o cliente está pensando, antes mesmo dele pronunciar qualquer palavra. Esse tipo de vendedor acaba perdendo um potencial consumidor, pois não oferece a ele o produto que atende a sua necessidade.

2.  O vendedor acomodado

O vendedor acomodado é aquele que acredita que o cliente é totalmente fiel a ele e não precisa de mais nada para conquistá-lo. No momento em que um vendedor se acomoda, a confiança do cliente pode ser quebrada, bem como a fidelidade à marca.

3.  O vendedor que não escuta

Falar demais e ouvir de menos nunca funciona com um cliente. Ao tentar adivinhar o que o cliente deseja e tentar conquistá-lo na “lábia”, sem ouvir o que ele realmente deseja, o vendedor vai “espantar” o cliente e não vai realizar o seu desejo ou necessidade.

4.  O vendedor inflado

Um vendedor com superego é aquele que acredita que está sempre certo e que o cliente faz um “favor” ao comprar com ele. Sua passividade pode causar muita antipatia com os clientes, fazendo com que eles não queiram comprar com o mesmo vendedor novamente.

5.  O vendedor estagnado

É aquele vendedor que não busca se atualizar sobre as inovações e renovações do mercado, não busca se aprimorar ou melhorar sua forma de trabalho. Um vendedor que não deseja ser mais qualificado para o trabalho, vai continuar no mesmo lugar.

Agora que você sabe o que NÃO deve fazer, bora vender?

Marcos Hardt

Diretor de Operações ABIH-SC

ABIH-SC Informa

Tramita no Congresso Nacional Projeto de Lei que, se aprovado, alterará substancialmente a Lei nº 8.666/93, que estabelece normas gerais sobre licitações.

Para a contratação de um particular, o Poder Público deve, de regra, instaurar uma licitação. Licitação é um procedimento administrativo, de caráter obrigatório (art. 37, XXI, da CF/88), que tem por objetivo principal a seleção da proposta mais vantajosa para o Poder Público.

O Projeto de Lei contempla algumas alterações relevantes, a saber:

  • a inversão das etapas de habilitação e julgamentos das propostas;
  • a criação de uma nova modalidade de licitação, denominada ‘diálogo competitivo’;
  • a previsão de garantia de obras, serviços e fornecimentos por meio de um seguro;
  • a majoração da pena em caso de fraude em licitações;
  • outras.

A Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei no mês de setembro, estando atualmente sob a análise do Senado Federal. Novidades a caminho!

Henrique B. Souto Maior Baião

Diretor Jurídico ABIH-SC

ABIH-SC Informa

A HOSPITALIDADE E A ERA DA EXPERIÊNCIA

“Acredito na hospitalidade como a arte de criar espaços de compartilhamento de experiências” – Luigi Rotunno

Vivemos um momento de mercado no qual a experiência do consumidor é a necessidade mais importante a ser considerada para ter sucesso nas vendas. Trazer uma nova experiência para seu hóspede é essencial para que ele se sinta  realizado com seus desejos.

Os hotéis precisam estar preparados para atender todos os tipos de pessoas, estejam elas em uma viagem a lazer ou a trabalho, suas necessidades precisam ser estudadas com cuidado. O estudo do seu público-alvo, alinhado a uma estratégia  de personalização do hotel, tende a trazer ao cliente uma experiência inesquecível.

Para chegar aos bons resultados, a hospitalidade precisa ser única! Aqui vão algumas dicas para se pensar:

  1. Saiba quem são seus clientes antes mesmo que eles cheguem

Coletar dados importantes sobre clientes novos e habituais pode ser extremamente importante. Identificar o perfil de cada pessoa por transformar o atendimento dela no mais personalizado possível, de forma a tentar tratar todos os hóspedes como VIPs. Dessa forma você deve conhecer as preferências, desejos e necessidades de cada cliente para que possa atendê-lo da melhor forma.

  • Preze por uma recepção calorosa e especial

O primeiro contato entre o hóspede e o hotel precisa ser impactante, por isso, o atendimento da recepção precisa ser único e humanizado, apesar de padronizado. O atendimento cordial, rápido e claro, apresentando todas as informações importantes que o hóspede deve saber, desde taxas a serviços, para evitar constrangimentos e confusão.

  • Invista na decoração personalizada

Qual a cara que você quer dar para o seu hotel? Como você quer que as pessoas o vejam? Preste atenção no estilo do seu hotel e ofereça um ambiente que não só se encaixe no estilo, como surpreenda. Iluminação, mobília, música e decoração precisam conversar entre si em harmonia, promovendo conforto e bem estar.

  • Mantenha sua equipe treinada

Compreender as regras, os processos, a missão, visão e valores, assim como a política interna do hotel é o conhecimento básico que todo colaborador deve ter em qualquer setor em que trabalhar. Mas além disso, é necessário realizar treinamentos para cada setor específico de forma que todos saibam o que devem fazer e de que forma, buscando alcançar o maior nível de eficiência.

  • Ofereça a melhor estrutura ao seu hóspede

Oferecer uma estrutura diferenciada, com serviços especiais, como relaxamento, spa, gastronomia, e outros tipos de opções podem ajudar a tornar a experiência do hóspede inesquecível. Utilizar da tecnologia neste aspecto pode ser uma boa alternativa na forma de conquistar um cliente.

Chegamos ao fim com uma pergunta para você: como está a hospitalidade do seu hotel? Qual o seu diferencial em relação a concorrência?

Marcos Hardt

Diretor de Planejamento e Operações ABIH-SC