Posts

Informativo ABIH-SC 07 de fevereiro

No informativo da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis de Santa Catarina – ABIH-SC, você vai ver:

Reunião da Diretoria Executiva ABIH-SC;– Os 3 erros fatais quando se promove um colaborador;- Sócio Colaborador – JN Zaffiri ;- 33º Encatho & Exprotel;- Curso – Gerentes e Futuros Gerentes Gerais;- Isenção do Ecad em quartos de hotéis e navios beneficia consumidor e pequenos negócios;- Melhores Fornecedores da Hotelaria de 2019 são Eleitos;-Associados ABIH-SC.

Confira o informativo completo AQUI!!

Isenção do Ecad em quartos de hotéis e navios beneficia consumidor e pequenos negócios

Proposta incluída na MP 907 segue em tramitação no Congresso Nacional.

Você sabia que quando se hospeda em um hotel ou pousada no Brasil, o estabelecimento paga uma taxa de direitos autorais pelas músicas das televisões e rádios veiculadas nos quartos, mesmo sem o hóspede ter usado nada? E o pior: a cobrança se reflete no custo do serviço ao consumidor, como o preço das diárias, o que também vale para cabines de cruzeiros marítimos.

Uma das mudanças propostas na Medida Provisória (MP) 907/2019, elaborada pelo Ministério do Turismo em conjunto com as pastas da Economia e da Infraestrutura, é justamente a isenção do encargo exigido pelo Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad) nestes casos.

Os principais impactados com a alteração são os negócios de menor porte, pois 84,6% dos meios de hospedagem do país são pequenos e médios empreendimentos. A MP tramita no Congresso Nacional, e o prazo final de votação é 06 de março, sendo que a partir de 21 de fevereiro ela terá regime de urgência.

De acordo com a lei, cobra-se a taxa em locais de frequência coletiva, a exemplo do hall de entrada, dos restaurantes e de outras áreas comuns dos estabelecimentos hoteleiros. Jurisprudência do Supremo Tribunal Federal (STF) entende o quarto de hotel como extensão da própria casa: de uso privado, individual e inviolável. Ou seja, no momento da ocupação de um quarto por um hóspede, este torna-se um bem de uso exclusivo e privado, pelo tempo determinado de sua ocupação.

“Entendemos a importância do Ecad para os nossos artistas e apoiamos o reconhecimento cada vez maior dos direitos autorais. Porém, a cobrança não é justa, pois é duplicada – as próprias operadoras de TV por assinatura ou de divulgação assemelhadas de streaming já pagam taxas para o Ecad. Além disso, a cobrança se reverte em custo ao consumidor e prejudica principalmente os pequenos meios de hospedagem”, defende o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio.

Hoteleiro há 47 anos, o catarinense Geraldo José Linzmeyer lembra que a reinvindicação é antiga. Segundo ele, a cobrança traz muita insegurança jurídica. “Escuto falar da cobrança do Ecad desde pequeno, em 1958, quando meu pai morava e trabalhava em um hotel. Sempre trouxe muita incompreensão e falta de informação de como a taxa é calculada, principalmente na contagem da ocupação dos estabelecimentos, e para onde vai o dinheiro. Os próprios artistas reclamam que não são contemplados com a arrecadação”, afirma.

Linzmeyer avalia que a MP permite um debate democrático e transparente sobre a exigência. “Agora, podemos tratar a questão da forma como ela deve ser tratada: com informação, igualdade e diálogo. Queremos entender a cobrança, que consideramos abusiva. Pagamos, sem qualquer impedimento, a taxa nas áreas comuns, como na piscina, no bar, no restaurante e na academia. Mas nos quartos, o uso é individual e privado. Não sabemos se os hóspedes usufruem dos meios televisivos, principalmente em tempos de streaming. Aparelhos de rádio não existem mais em muitos lugares”, pontua o hoteleiro.

Dona de uma pousada em Olinda (PE), Bárbara Antunes alega que a cobrança é extremamente indevida e afeta a concorrência com grandes estabelecimentos. “Com essa taxa, já se pressupõe que o hóspede vá usar os meios sonoros do quarto, o que não se pode comprovar. Outro problema grave é que, quando você coloca essa cobrança, abre precedente jurídico para colocar a individualidade inerente ao quarto em risco. Os hóspedes precisam se sentir como se estivessem em sua própria casa”, diz a microempreendedora.

O Ecad arrecada direitos não só de rádios, TVs e shows, mas também bares, academias, consultórios médicos, carros de som, terminais de transporte e até festas de casamento, aniversários, festas juninas e quermesses, além de vídeos e áudios em formato mp3, mp4 ou assemelhados no âmbito da internet. O cálculo é feito com base nos critérios estabelecidos no Regulamento de Arrecadação e na Tabela de Preços, definidos pelas sete associações de música que administram o órgão.

OUTROS PAÍSES – Na Espanha, a Sociedad de Autores y Editores é fiscalizada pelo Ministério da Cultura, e na Colômbia, o órgão de recolhimento e distribuição é composto por autores e pelo governo. Em Portugal, o Ministério da Cultura fiscaliza as entidades. As associações estabelecem o valor pelo uso da música, mas o governo atua como árbitro em casos de conflito. Nos Estados Unidos, a BMI (Broadcasting Music Inc) e a Ascap (American Society of Composers) gerenciam os direitos do autor. Não há uma central de arrecadação e estimula-se a concorrência.

Fonte: Ministério do Turismo

Informativo ABIH-SC 28 de novembro

No informativo da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis de Santa Catarina – ABIH-SC, você vai ver:

Extinta as taxas do ECAD sobre direito autoral em quartos de hotel; – Revista ABIH-SC – 2ª Edição ;- ABIH-SC Presente no 36º Congresso Nacional da Abrajet na Serra Catarinense ;- Sócio Colaborador – Desbravador Software;- DiCarlo – Sócio Colaborador;- Estanislau Emílio Bresolin recebe Comenda do Legislativo Catarinense;- Prêmio Nacional do Turismo: conheça os finalistas da categoria “Dirigentes e Parlamentares”;-Associados ABIH-SC.

Confira o informativo completo AQUI!!

Extinta as taxas do ECAD sobre direito autoral em quartos de hotel

Extinta as taxas do ECAD sobre direito autoral em quartos de hotel

No dia 27.11.2019 foi publicada a Medida Provisória nº 907, dispondo sobre diversas matérias aplicáveis ao Setor do Turismo.

Merece destaque a EXTINÇÃO da cobrança, via Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (ECAD), de direitos autorais em relação à execução de obras literárias, artísticas ou científicas no interior das unidades habitacionais dos meios de hospedagem e de cabines de meios de transporte de passageiros marítimo e fluvial.

A Medida Provisória manteve a cobrança em áreas de uso coletivo dos meios de hospedagem, porém extinguiu a cobrança em áreas privadas, como os quartos de hotel.

É antigo o debate sobre a pertinência do pagamento de direitos autorais em quartos de hotel. No Superior Tribunal de Justiça prevalecia o entendimento sobre a legalidade da cobrança. A Medida Provisória corrige a injustiça que vinha sendo praticada contra o Setor Hoteleiro.

De acordo com o artigo 36, inciso II, a Medida Provisória nº 907/2019 entrou em vigor imediatamente após a sua publicação, isto em 27.11.2019. No entanto, a mesma deverá ser votada pela Câmara dos Deputados em até 120 dias, caso contrário perderá a sua validade.