Posts

Informativo ABIH-SC 14 de fevereiro

 

No Informativo ABIH-SC de 14 de fevereiro você vai ler:

 

Reunião da diretoria executiva ABIH-SC;-10ª edição do Simpósio de Governança está confirmada no Encatho 2019;- Convênio firmado entre ABIH-SC e Uniodonto;-Itajaí será a única parada do sul do Brasil para o embarque e desembarque da MSC;-Cadastur atinge recorde de 80 mil cadastrados;-3º Congresso Catarinense de Empreendedorismo & Vendas “A magia do mundo dos negócios”;- Festival náutico Blumenau a bordo;-Associados ABIH-SC!

 

 

Leia também: 10ª edição do Simpósio de Governança está confirmada no Encatho 2019

 

 

 

Cadastur atinge recorde de 80 mil cadastros

 

Marca histórica é alcançada após 2 anos do início do trabalho de orientação e fiscalização, em parceria com órgãos de Turismo das 27 UFs.

Nesta segunda-feira (11), o Ministério do Turismo atingiu a marca histórica de 80 mil cadastros no Cadastur, cadastro nacional que reúne prestadores de serviços atuando legalmente no mercado de Viagens. O número é resultado do trabalho de sensibilização, orientação e fiscalização iniciado pela equipe de fiscais do MTur em 2017 em parceria com órgãos estaduais de turismo das 27 unidades da Federação.

Para dar continuidade à ampliação da regularização de empreendimentos do setor em todo o Brasil, os agentes do MTur desembarcaram nesta segunda-feira (11) em Ubatuba (SP) para visitar meios de hospedagem que atuam na cidade turística do litoral de São Paulo.

Para o secretário nacional de Desenvolvimento e Competitividade do Turismo do MTur, Aluizer Malab, “a primeira ação de 2019 reforça a conscientização sobre a importância do registro. Ganha o turista, que se sente mais seguro para contratar um serviço; ganha o estabelecimento, que passa a ser considerado legal perante o órgão máximo do setor no Brasil; e ganha o destino, que tem um mercado regularizado e legalmente estruturado”, ressalta.

O trabalho dos fiscais tem produzido resultados marcantes para o setor. No início de 2018, 64.591 prestadores estavam registrados junto ao MTur. A marca de 80 mil significa um crescimento de 24% em apenas um ano.

“Esse trabalho do ministério é importante para conscientizar as pessoas da necessidade do cadastro de seus estabelecimentos. A secretaria de Turismo de Ubatuba está comprometida com essa ação e vai orientar que os turistas procurem apenas estabelecimentos regularizados para se hospedarem”, afirma o secretário de Turismo do município, Luiz Bischof.

Além da formalização de meios de hospedagem, o cadastro também é obrigatório para outras seis categorias: agência de turismo; parque temático; acampamento turístico; organizadora de eventos; guia de turismo e transportadora turística.

A última ação de fiscalização da Pasta em 2018 ocorreu em Alto Paraíso de Goiás (GO), na Chapada dos Veadeiros. Na ocasião, a equipe visitou 89 estabelecimentos turísticos para incentivar o cadastro no Cadastur, além de orientar e notificar irregulares. A fiscalização contemplou, ainda, empreendimentos de São Jorge e Cavalcante.

BENEFÍCIOS – Pessoas físicas e jurídicas inscritas regularmente no Cadastur têm acesso a financiamento por meios de bancos oficiais, participação em programas de qualificação profissional promovidos pelo MTur, visibilidade nos canais oficiais de divulgação da Pasta, entre outras vantagens.

Quem for flagrado sem o registro ou com o cadastro fora do prazo de validade é considerado ilegal, será advertido e pode ser autuado pelos órgãos de controle. Caso não regularize sua situação, o empreendimento ou profissional podem ser penalizados com multa que pode chegar a R$ 854 mil.

 

Fonte: Ministério do Turismo

Turismo de observação de baleias é restabelecido em Santa Catarina

Ministros do Turismo (D) e do Meio Ambiente (E) comemoram regulamentação do turismo embarcado

Ministros do Turismo (D) e do Meio Ambiente (E) comemoram regulamentação do turismo embarcado

 

Portaria normatiza o turismo embarcado na Área de Proteção Ambiental da Baleia Franca como atividade recreativa e educativa.

 

Os ministros do Turismo, Vinicius Lummetz, e do Meio Ambiente, Edson Duarte, assinaram nesta terça-feira (18), em Brasília, portaria do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMbio) que estabelece normas e procedimentos para o turismo embarcado de observação de baleias. A visitação turística na Área de Proteção Ambiental da Baleia Franca, em Santa Catarina, será feita mediante autorização prévia das embarcações de empresas regularizadas no Cadastro de Prestadores de Serviços Turísticos do Ministério do Turismo (Cadastur), atendendo a um pleito apresentado pelo Ministério do Turismo.

“Esse entendimento é uma prova de que o turismo pode ajudar e muito no desenvolvimento sustentável e nas políticas de preservação das baleias”, disse Lummertz. O futuro ministro da Pasta, Marcelo Álvaro Antônio, que também participou da solenidade, reafirmou o compromisso de manter a parceria do MTur com o MMA. “É possível promover o desenvolvimento do turismo respeitando o meio ambiente. Esse é o meu compromisso”, firmou

Além da portaria, também foi assinado o Plano de Manejo da Área de Proteção Ambiental (Apa) da Baleia Franca, que abrange a costa e parte do território dos municípios de Imbituba, Garopaba e Laguna. “Estamos normatizando a visitação, regulamentando o uso da área de proteção e garantindo a segurança jurídica do berçário da baleia Franca na região sul”, destacou o ministro do Meio Ambiente, Edson Duarte. Ele ressaltou que na temporada encerrada este mês foram avistadas mais de 280 baleias na região. “Meio ambiente e turismo sustentável andam juntos e a visitação embarcada é uma grande oportunidade de desenvolvimento”, completou o presidente do ICMbio, Paulo Carneiro.

A próxima temporada turística de observação da baleia Franca na costa catarinense está prevista para iniciar em 15 de agosto de 2019, terminando no dia 5 de dezembro, com alterações do calendário de visitação quando da ocorrência e distribuição das baleias na área. Os passeios embarcados serão realizados apenas em quatro dias da semana, com uma embarcação por vez nas baias e enseadas. Um mesmo local só poderá ser visitado duas vezes por dia com intervalo mínio de duas horas entre um passeio e outro. Nos outros três dias da semana, não haverá passeio para avistamento das baleias. O número de visitantes é limitado à capacidade da embarcação.

A portaria determina, ainda, áreas de refúgio ecológico, onde não será permitida a visitação a bordo, mesmo dentro da APA da Baleia Franca. O refúgio adicional fica situado entre as praias da Ibiraquera e Ribanceira. O documento detalha também a distância mínima de 120 metros entre as embarcações e os animais a serem observados, até meia hora de observação por animal ou grupo, posicionamento dos barcos em relação as baleias, velocidade e acionamento dos motores, tanto para a segurança dos passageiros como dos animais. Em caso de aproximação voluntária das baleias, os motores devem ser engrenados a uma distância mínima de 60 metros.

Os passeios contarão com a presença de condutores de visitantes treinados sobre a preservação do meio ambiente e conservação das espécies avistadas. A atividade turística também será acompanhada de um observador de bordo. O profissional ou estudante da área de biologia não será vinculado a qualquer operadora turística. Ele vai ser responsável pelo monitoramento e levantamento de dados para avaliação dos possíveis impactos ambientais causados pelo turismo na área pré-estabelecida de observação das baleias.

 

Fonte: Ministério do Turismo

Brasil ganha código de conduta contra a exploração de crianças e adolescentes no turismo

 

O ministro do Turismo, Vinicius Lummertz, e o secretário executivo do Ministério dos Direitos Humanos (MDH), Marcelo Varella, assinaram nesta quinta-feira (13), em Brasília, portaria interministerial que institui o código de conduta contra a exploração sexual de crianças e adolescentes no turismo. O documento tem o objetivo de orientar e regular a conduta ética de empresas e prestadores de serviços turísticos, seus funcionários e colaboradores, para que, no desempenho de suas atividades, adotem ações de enfrentamento à exploração de crianças e adolescentes.

“Estamos lançando uma semente para defender o lado do bem. O enfrentamento à exploração de crianças e adolescentes é um assunto transversal com o qual o Brasil tem um compromisso internacional e com este código de conduta estamos deixando um importante legado para o país”, afirmou o ministro do Turismo, Vinicius Lummertz. Na avaliação dele, a geração de empregos por meio do turismo pode ser uma ferramenta importante para ajudar o país a enfrentar a violência e tirar os jovens da situação de vulnerabilidade.

O secretário executivo do MDH defendeu a importância de se criar normas de conduta, mas disse que somente a mobilização da sociedade permitirá que o problema seja enfrentando com efetividade. Segundo Varella, como o governo não tem condições de estar em todos os lugares para fiscalizar, a sociedade precisa aprender a se auto proteger e se unir. “A indiferença virou indignação e agora tem que virar ação”, comentou.

Responsável pela equipe que trabalhou na elaboração do código, o secretário nacional de Qualificação e Promoção do Turismo do MTur, Bob Santos, elogiou o empenho dos técnicos e a celeridade para a entrega do documento ainda este ano. “É um crime da maior gravidade e vamos enfrentar isso juntos. Esperamos que o código seja multiplicado por todos os segmentos que compõem o setor de turismo”, disse.

Durante a cerimônia, a representante da Rede Accor de Hotéis, Adriana Pinto, assinou o primeiro termo de adesão ao novo código, que será disponibilizado para empresas e prestadores de serviços turísticos que quiserem aderir ao projeto. “Esperamos que a hotelaria se envolva nesta campanha. A tolerância com a exploração de crianças e adolescentes em nossos empreendimentos é zero”, disse ela.

O código de conduta será disponibilizado no portal do Ministério do Turismo. Tem como público-alvo empresas, pessoas físicas e prestadores de serviços que atuem direta ou indiretamente no setor de turismo. O documento está alinhado ao Plano Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes e ao Grupo de Ação Regional das Américas (GARA).

Para aderir ao código, a empresa ou prestador de serviços turísticos deverá preencher o Termo de Adesão e encaminhá-lo por e-mail ao Ministério do Turismo, além de estar com o cadastro regular no Cadastur e cumprir os 12 compromissos estabelecidos no documento.

 

Fonte: Ministério do Turismo

De cara nova!

Ministério do Turismo cria novo modelo para carteira de guias de turismo e altera o certificado do Cadastur.

 

A tecnologia é mais uma aliada do Ministério do Turismo para impulsionar o setor no país. Após a modernização do site do Cadastur, foi a vez das carteiras de guia de turismo ganharem “cara nova”. A emissão do documento é gratuita e o cadastro deve ser realizado pelo site do Cadastur (CLIQUE AQUI E ACESSE).

Agora, a carteira tem também um QR Code (ou Código QR), símbolo que pode ser lido por aplicativo de celular e que facilita a identificação do guia. O cadastro no Cadastur e a carteira são obrigatórios para quem exerce a profissão de guia de turismo.

Profissionais que buscarem regularização ainda em 2018 já receberão o novo documento. Para os que possuem a carteira de guia no modelo antigo e dentro do prazo de validade, não é necessária a troca, que só será feita quando o profissional for renovar a documentação.

“A nova carteira veio para acompanhar a mudança de todo Sistema Cadastur, buscando oferecer, cada vez mais, um trabalho digital e prático tanto para os prestadores de serviços quanto para o turista”, ressalta a coordenadora-geral de Cadastramento e Fiscalização de Prestadores de Serviços Turísticos do MTur, Tamara Galvão.

O viajante que vai contratar o serviço deve ficar atento à documentação do profissional. A carteirinha, válida nos dois modelos, certifica que o guia atua de forma legal e formal no mercado. A dica para o turista é observar o prazo de validade do documento como mais uma credencial de segurança do passeio.

CERTIFICADOS ALTERADOS – Quem emite o certificado no site do Cadastur vai notar que o diploma também foi renovado. Foram incluídas informações sobre a atividade exercida pelo prestador e a data de validade do documento. O novo material pode ser adquirido pelo site do Cadastur (CLIQUE AQUI E ACESSE).

12 12 18 NovaCarteiraGuia2

 

Fonte: Ministério do Turismo

Mais de 70% dos hotéis de Bombinhas e Balneário Camboriú estão fora do cadastro nacional

Uma fiscalização do Ministério do Turismo levantou que mais de 70% dos hotéis e pousadas de Balneário Camboriú e Bombinhas estão fora do Cadastur, o cadastro obrigatório do governo federal.

Dos 107 estabelecimentos que receberam os fiscais, 81 não possuem o registro — 44 em Bombinhas e 37 em Balneário Camboriú.

Os proprietários foram notificados e terão até 30 dias para se regularizarem. Quem não fizer o cadastro nesse prazo está sujeito a multa de até R$ 854 mil.

Recursos

Dirce Fistarol, vice-presidente do Sindisol, o sindicato dos hoteleiros de Balneário Camboriú, diz que o cadastro federal é importante porque permite, por exemplo, que o estabelecimento participe de licitações públicas de hospedagem.

O número de estabelecimentos cadastrados também interfere na possibilidade do município pleitear recursos e financiamentos junto ao Ministério do Turismo.

Fonte: NSC Total

Há um ano, MTur fiscaliza turismo no Brasil

 

Trabalho dos agentes do MTur, com o apoio das Secretarias de Turismo das 27 UFs, promoveu avanços na formalização e legalidade da prestação de serviços turísticos no país

 

Desde que a equipe de fiscais do Ministério do Turismo foi a campo pela primeira vez, há um ano, 1.581 estabelecimentos turísticos foram visitados em todo o Brasil. A ação, realizada em parceria com as secretarias estaduais de turismo das 27 unidades da Federação, foi pioneira como medida educativa, oferecendo orientações sobre a regularização dos empreendimentos e divulgando as vantagens do cadastramento para as empresas do setor.

“Foi uma experiência fantástica. Realizamos um trabalho amigável de aproximação com o trade e os gestores locais de turismo, mostrando os benefícios do Cadastur. Para muitos prestadores de serviços fiscalizados, nossa presença foi o primeiro contato com o Ministério do Turismo”, conta a agente fiscal Juliana Oliveira.

O registro no Cadastur, cadastro oficial de prestadores de serviços do setor de turismo, representa uma credencial de segurança para o turista. O cadastro, totalmente gratuito, é obrigatório para 7 categorias, conforme a Lei Geral do Turismo: meios de hospedagem, agências de turismo, transportadoras turísticas, parques temáticos, organizadoras de eventos, acampamentos turísticos e guias de turismo.

Do total de estabelecimentos fiscalizados ao longo de 365 dias de atividades da equipe, 1.139 apresentaram irregularidades. Todos foram notificados pelos fiscais do MTur e 1.033 já estão regularizados no Cadastur. As multas previstas para os serviços que se mantiverem irregulares variam de R$ 350,00 até R$ 1 milhão de reais.

“O objetivo do MTur, antes de multar os prestadores de serviços fiscalizados, é promover um amplo trabalho de sensibilização para proporcionar ao visitante uma experiência turística de qualidade, por meio de serviços formalizados e aptos a atuar no mercado”, destaca Bob Santos, secretário nacional de Qualificação e Promoção do Turismo.

CORPO TÉCNICO – Os fiscais são servidores públicos federais que passaram por um processo de seleção e formação. Todos usam crachá de identificação. O grupo atua em parceria com os órgãos oficiais de turismo dos estados e tem priorizado a fiscalização dos meios de hospedagem, entre os serviços turísticos com registro obrigatório no Cadastur.

“Queremos ampliar a formalização de empreendimentos turísticos, além de coibir irregularidades na prestação de serviços ao turista, que é o consumidor final”, disse Gentil Filho, diretor do Departamento de Formalização e Qualificação no Turismo do MTur. Ele destacou ainda o preparo técnico dos agentes, que receberam instruções sobre a legislação do turismo, o processo de fiscalização e a composição do Cadastur.

O trabalho de fiscalização é também uma demanda dos segmentos do turismo que atuam na legalidade. “Esse nosso empenho em fiscalizar e notificar os serviços irregulares faz parte de um esforço maior de trazermos para a legalidade toda a atividade turística que ainda não foi formalizada”, reforça Tamara Galvão, coordenadora-geral de Cadastramento e Fiscalização de Prestadores de Serviços Turísticos do MTur.

CADASTUR – As pessoas físicas e jurídicas inscritas regularmente no Cadastur têm acesso a financiamento por meios de bancos oficiais, participação em programas de qualificação profissional promovidos pelo MTur, visibilidade nos canais oficiais de divulgação da Pasta, entre outras vantagens.

Além dos prestadores de serviço cujo cadastro é, por lei, obrigatório, também poderão se inscrever no Cadastur estabelecimentos como restaurantes, parques aquáticos, marinas, centros de convenções e locadoras de veículos. Para esses serviços o cadastro é facultativo, mas ajuda o turista na busca por serviços regulares, proporcionando maior segurança ao planejar uma viagem. O cadastro traz uma série de informações relativas aos serviços ofertados pelo empreendimento, o que aponta para o turista que o estabelecimento está legalizado.

Desde o final de março, o procedimento de inscrição ou renovação de cadastro de prestadores de serviços turísticos do Brasil, que é gratuito, pode ser feito totalmente online e de forma simplificada pelo site cadastur.turismo.gov.br.

 

Fonte: Ministério do Turismo

Encontro contou com a participação de representantes das cinco macrorregiões brasileiras, em Brasília.

MTur prepara novo Mapa do Turismo Brasileiro

Encontro contou com a participação de representantes das cinco macrorregiões brasileiras, em Brasília.

Encontro contou com a participação de representantes das cinco macrorregiões brasileiras, em Brasília.

 

Regras para atualização do mapa em 2019 estão sendo discutidas em parceria com os técnicos do Programa de Regionalização do Turismo do MTur e os estados.

Técnicos do Programa de Regionalização do Turismo e representantes do PRT das cinco macrorregiões brasileiras encerraram nesta quarta-feira (22), em Brasília, uma série de reuniões para discussão das novas regras de inclusão/exclusão dos municípios considerados de interesse turístico no Mapa do Turismo Brasileiro. A próxima atualização do mapa será válida até 2021.

Entre as novas exigências obrigatórias para inclusão de um município no Mapa do Turismo Brasileiro estão a comprovação de um conselho municipal de turismo em funcionamento e de um órgão gestor do turismo local com orçamento próprio. O município também deverá participar de uma instância governamental formada por gestores públicos e privados dos municípios que integram a região turística na qual está inserido. Além disso, será preciso comprovar a inscrição de empreendimentos locais ou prestadores de serviços turísticos no Cadastur do Ministério do Turismo.

“Com essas mudanças, nós vamos trabalhar no avanço das políticas públicas, em parceria com os estados, com foco na qualidade dos destinos e na melhoria dos serviços prestados aos turistas”, disse Ana Carla Fernandes Moura, Coordenadora-Geral de Mapeamento e Gestão Territorial do Turismo do MTur, que defendeu o trabalho de forma integrada com a participação do grupo macrorregional como impulso às ações e projetos desenvolvidos pelo PRT. Os detalhes para atualização do mapa serão apresentados na 30ª Reunião Nacional de Interlocutores do PRT, prevista para novembro deste ano, em Brasília.

Para Luciano Guimarães, técnico da Goiás Turismo, que representou os três estados do Centro-Oeste e o Distrito Federal, a construção cooperada do novo mapa vai dar mais qualidade ao turismo regional. “São critérios elaborados de forma coletiva que melhoram o turismo na ponta, onde o turista é atendido. Não queremos quantidade”, destacou. O atual Mapa do Turismo Brasileiro conta com 3.285 municípios.

Outro reflexo da atualização do mapa se dará na categorização dos municípios turísticos, que vai de “A” a “E”. Essa classificação é um instrumento de acompanhamento do desempenho das economias turísticas municipais. “Com esses critérios, fortalecemos a presença de destinos bem estruturados e capazes de induzir a expansão regional do setor”, ressaltou Rogério Coser, diretor do Departamento de Ordenamento do Turismo do MTur.

Na reunião, as macrorregiões Nordeste, Centro-Oeste, Sul, Norte e Sudeste foram representadas por interlocutores dos estados da PB, GO, PR, PA e MG, respectivamente. Eles são responsáveis pelo repasse das informações aos demais interlocutores estaduais.

O MAPA – Instrumento de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento do turismo regional, o Mapa do Turismo subsidia a priorização de investimentos por programas do Ministério do Turismo, incluindo ações de infraestrutura turística, qualificação profissional e promoção dos destinos, observando características peculiares de demanda e vocação turística de cada município. CLIQUE AQUI PARA ACESSAR O ATUAL MAPA DO TURISMO.

 

Fonte: Ministério do Turismo

Evento debate formalização do Turismo no Brasil

Representantes do MTur e dos Estados discutem ação conjunta para a regularização e fiscalização de operadores do setor

Começou nesta terça-feira (31), em Brasília, o 10º Encontro de Coordenadores do Cadastur, o cadastro oficial de prestadores de serviços turísticos do Ministério do Turismo. Reunidos até o próximo dia 02 na sede da Embratur, representantes da Pasta e de secretarias estaduais de Turismo de todo o país debatem o alinhamento de ações voltadas à formalização e fiscalização dos empreendimentos do setor.

Entre setembro de 2017 e maio deste ano, 1.300 meios de hospedagem de 24 capitais foram alvos da Operação Verão Legal do MTur, que identificou e notificou 940 irregulares. O diretor do Departamento de Formalização e Qualificação da Pasta, Gentil Venâncio Filho, citou benefícios do movimento de regularização. “Unindo esforços, vamos disponibilizar toda uma estrutura de turismo legalizada, desde hospedagem a outros serviços”, observou.

O Cadastur possui atualmente cerca de 72.400 registros em todo o território nacional. Além dos meios de hospedagem, a Lei Geral do Turismo obriga a realização do cadastro no sistema para mais seis ramos do segmento: acampamentos turísticos, agências de turismo, empresas organizadoras de eventos turísticos, guias de turismo, parques temáticos e transportadoras turísticas.

Juliana Maia, representante da Secretaria de Turismo da Bahia e coordenadora regional do Cadastur no estado, enfatizou que a regularização favorece todos os envolvidos com a atividade turística. “Isso é bom para o empresário da área e para o turista. A formalização é importante para gerar mais empregos, fazer com que turistas visitem os estados e que isso possa alavancar a economia de cada um deles”, apontou.

Na reunião, técnicos do MTur expuseram outras iniciativas que contemplam a qualificação de serviços. Uma delas foi o Prodetur + Turismo, linha de crédito do BNDES que disponibiliza R$ 5 bilhões a estados, municípios e empresários. A coordenadora de Cadastramento e Fiscalização do ministério, Tamara Galvão, defendeu empenho pela integração de ações. “É muito importante porque você propaga a política nacional de turismo e potencializa resultados para o País”, sublinhou.

MODERNIZAÇÃO – Desde março deste ano, uma nova versão do Cadastur (3.0) permite que a inscrição de prestadores de serviço seja feita de forma totalmente online. O sistema é interligado ao banco de dados da Receita Federal, e o certificado de formalização conta com tecnologia QR Code, reunindo todas as informações dos cadastrados. Além disso, veículos que realizam transporte turístico receberão selos dotados da mesma funcionalidade.

 

Fonte: Ministério do turismo

Meios de hospedagens legais aumentam 54% após fiscalização do MTur

 

Força-tarefa realizada no primeiro semestre de 2017 registrou aumento expressivo no número de estabelecimento regularizados junto à Pasta.

O número de meios de hospedagem cadastrados no Cadastur, do Ministério do Turismo, cresceu 54% desde o início da “Operação Verão Legal” realizada pela Pasta e que visitou, até maio, estabelecimentos de 24 capitais brasileiras. A iniciativa também impactou no número total de cadastros incluindo outros segmentos. Atualmente, o Cadastur conta com 70.760 registro, marca histórica da ferramenta e que representa um aumento de 22% em comparação ao início da operação.

 “O crescimento expressivo de pessoas físicas e jurídicas credenciadas reforça que a ação inovadora do Ministério do Turismo encontrou respaldo em todo o setor que entendeu a importância de estar regularizado junto ao órgão máximo do turismo. Sempre tratamos a operação como uma ação acima de tudo de sensibilização sobre a importância da formalização para o desenvolvimento do setor”, explicou o ministro do Turismo, Vinicius Lummertz.

A ação contou com a participação de sete fiscais da Pasta que visitaram 1,3 mil estabelecimentos.  Destes, 940 estavam irregulares e foram notificados. Pela Lei do Turismo, sete atividades turísticas são de cadastro obrigatório: guias de turismo, agências de turismo, meios de hospedagem, transportadoras turísticas, empresas organizadoras de eventos, acampamentos turísticos e parques temáticos.

Os estados com maior índice de regularização foram Paraná (88%), Piauí (87%)m Maranhão e Mato Grosso do Sul (83%) e Paraíba (80%). “Os altos índices de regularização confirmam que o trabalho em parceria entre governo federal e governos estaduais é altamente benéfico para o setor e gera resultados positivos para todos aqueles que trabalham com a atividade turística”, afirma a coordenadora-geral de cadastramento e fiscalização de prestadores de serviços turísticos, Tamara Galvão.

NOVO CADASTUR – O trabalho de fiscalização é realizado para acompanhar a nova versão da ferramenta lançada em março deste ano. Totalmente modernizado, o Cadastur 3.0 possibilita que a inscrição seja inteiramente eletrônica, feita em uma interface amigável e interligada ao banco de dados da Receita Federal, trazendo menos burocracia e mais rapidez para quem deseja estar formalizado.

A ferramenta é mais um passo dado pelo Ministério do Turismo em busca da formalização total dos prestadores de serviço turísticos.  O novo Cadastur também modernizou o certificado que agora contará com a tecnologia de QR Code com todas as informações dos cadastrados. Além disso, os veículos que realizam transporte turístico receberão também novos selos com a mesma tecnologia.

Fonte: Ministério do Turismo