Posts

Pandemia afeta venda de chocolates, pescados e a hotelaria na Páscoa

Pandemia afeta venda de chocolates, pescados e a hotelaria na Páscoa

Com a pandemia de covid-19 forçando estados e municípios a adotarem medidas que limitam a circulação de pessoas e o funcionamento de estabelecimentos, comerciantes buscam formas de aproveitar a Semana Santa para incrementar as vendas e faturar.

Na tradição católica, a semana em que se celebra a Sexta-Feira Santa e a Páscoa exalta a morte e a ressurreição de Jesus Cristo. Em tempos normais, a data impulsiona não só as vendas do comércio – principalmente de pescados e de chocolates -, como também o turismo doméstico, já que a sexta-feira é feriado.

No entanto, pelo segundo ano consecutivo, a celebração ocorre em meio às restrições que afetam não só as cerimônias religiosas, como também as atividades comerciais. Para a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), as vendas no varejo em geral devem ser 2,2% inferiores às de 2020, movimentando cerca de R$ 1,62 bilhão – o que, se confirmado, seria o pior resultado desde 2008.

Em nota, o presidente da CNC, José Roberto Tadros, afirmou que a retração nas vendas deste ano se deve não só às restrições de funcionamento do comércio, mas também ao fato de que parte da população viu sua renda cair em um momento em que a desvalorização do real frente ao dólar encareceu a importação de alguns produtos típicos. Segundo a confederação, a quantidade de chocolates importada (2,9 mil toneladas) é a menor desde 2013. A de bacalhau (2,26 mil toneladas), a mais baixa desde 2009.

Segundo o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Amendoim e Balas (Abicab), Ubiracy Fonsêca, os fabricantes de chocolate tiveram que levar em conta a perda de poder aquisitivo de parte dos consumidores para pensar suas estratégias de vendas, mas, ainda assim, o setor está otimista.

“A perda de poder aquisitivo é real. Há muita gente sem emprego, sem poder trabalhar. Tendo isso em vista, as fabricantes de chocolate procuraram oferecer produtos acessíveis à população. Quem não puder comprar um ovo de Páscoa, pode adquirir uma barra de chocolate. A estratégia do setor é oferecer o que o mercado quer”, disse Fonsêca à Agência Brasil.

A quatro dias do domingo de Páscoa, Fonsêca destacou que a indústria de chocolates previa criar, direta e indiretamente, 11.665 vagas de trabalho temporário e superar as 8,5 toneladas vendidas em 2020. Metas que, segundo ele, vão ser atingidas.

“Apesar das dificuldades, estamos otimistas. Até porque, cerca de 80% das vendas de ovos de Páscoa acontecem nos supermercados, que estão funcionando normalmente em quase todo o país. Além disso, muitos comerciantes se prepararam para atender aos consumidores pela internet”, comentou o presidente da Abicab, garantindo que as vendas online, que já vinham crescendo ano a ano, deram um salto após o início da pandemia.

O gerente de Marketing, Francisco Alves de Faria Neto, confirma a importância do comércio digital. Com duas lojas físicas no Distrito Federal e uma clientela estabelecida ao longo de 20 anos, a Casa do Chocolate expandiu suas vendas para outras unidades da Federação graças à tecnologia.

“Tivemos um aumento das vendas online de cerca de 70% em comparação à Páscoa do ano passado, quando lançamos o site, em meio à pandemia, que nos fez acelerar o processo”, comentou Neto, acrescentando que o comércio eletrônico já representa metade de todas as vendas da empresa.

De acordo com o gerente, também as vendas nas lojas físicas, autorizadas a funcionar por comercializarem alimentos, “vão indo bem”, embora chocolates mais caros, principalmente os importados, tenham vendido menos que o esperado. “Baixou muito o giro de vários dos itens importados que vendemos. Tanto que tivemos que colocar produtos em oferta para não perder mercadoria. Mas, em geral, vendemos muito bem nas últimas semanas.”

PESCADOS

Em Santos (SP), onde o funcionamento de boa parte do comércio e serviços está suspenso até o domingo (4), os comerciantes do tradicional Mercado de Peixes tiveram que se organizar para levar os produtos ainda frescos até a casa dos clientes, que passaram a fazer suas compras por telefone. Ainda assim, de acordo com Alex Vieira, dono de um dos 20 boxes em funcionamento no local, muitos viram as vendas caírem drasticamente.

“No nosso caso, as vendas caíram em torno de 60% a 70%”, afirmou Vieira, cuja família está no ramo há cerca de 40 anos. “Esta é uma situação totalmente nova para todo mundo, incluindo os clientes. Muitos, que comem peixe sempre e são nossos fregueses há tempos, nos telefonaram e anteciparam seus pedidos, mas há também aqueles que gostam de vir ao mercado, de ver o peixe, escolher. Desses, parte não compra sem olhar o produto, não tem uma relação de confiança já estabelecida”, acrescentou o comerciante santista.

O presidente da Associação Brasileira de Piscicultura (Peixe BR), Francisco Medeiros, destacou que o comércio de pescados comporta diferentes realidades. Segundo ele, para os produtores de peixes cultivados (piscicultores), cujos principais clientes são os supermercados (autorizados a funcionar mesmo onde o lockdown foi adotado), as boas expectativas já se concretizaram.

“Os supermercados não estão sofrendo grandes restrições. Pelo contrário. Estão vendendo muito bem. E, ao contrário da indústria pesqueira marítima, afetada pela pandemia, a piscicultura também não parou. Mantivemos a regularidade, entregando aos compradores as quantidades previamente estabelecidas em contratos e sem aumento nos preços”, comentou Medeiros, estimando que o segmento vendeu cerca de 100 mil toneladas ao longo do último mês.

“Mais uma vez, não voltamos a registrar uma explosão das vendas como as de 2018 e 2019, quando, em alguns locais, chegaram a crescer 300%. Isso não aconteceu, mas, neste ano, também não perdemos vendas. Ao contrário de 2020, quando aí sim, fomos afetados negativamente”, afirmou Medeiros.

HOTELARIA

Outro ramo de atividade que costuma aguardar pelo feriado de Páscoa, o setor hoteleiro é o mais afetado dos três. Segundo o presidente nacional da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH Nacional), Manoel Linhares, a taxa de ocupação dos hotéis de todo o país não deve chegar a 10%, agravando a crise decorrente da pandemia.Manoel Linhares, presidente da ABIH Nacional. 

“A hotelaria está preparada para receber os hóspedes, adotando todos os protocolos recomendados pelas autoridades sanitárias, mas com parques, restaurantes e outras atrações fechadas em quase todo o país. A situação está muito difícil. Só em São Paulo, 27 hotéis já fecharam as portas, demitiram funcionários e os responsáveis estão decidindo o que fazer com os imóveis”, disse Linhares. 

Para ele, o setor precisa urgentemente da promulgação de uma iniciativa semelhante à Medida Provisória 936, de abril de 2020, posteriormente transformada na Lei nº 14.020, que permitiu acordos de redução temporária de jornada de trabalho e salários ou a suspensão de contratos trabalhistas até 31 de dezembro do ano passado.

“Se algo assim não for feito, muitos outros hotéis terão que encerrar as atividades. Atualmente, a hotelaria não tem recursos nem para arcar com os salários e encargos dos cerca de 1,1 milhão de profissionais que emprega em todo o país”, disse o presidente da ABIH Nacional.

Ele pediu que o Poder Público promova campanhas para estimular os brasileiros a viajar pelo país depois que a pandemia estiver sob controle, e que governos estaduais e municipais ajudem o setor reduzindo impostos e taxas, mesmo que temporariamente, e renegociando tarifas de serviços essenciais. “Neste momento difícil, um desconto no IPTU [Imposto Predial e Territorial Urbano, cobrado pelas prefeituras] ou no ICMS [Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços, estadual] cobrado na conta de luz pode ajudar a manter negócios e preservar empregos”, concluiu.

Fonte: Agência Brasil

Embratur ABIH SC

Gilson Machado Neto assume presidência do Conselho Deliberativo da Embratur

Ministério do Turismo e Embratur possuem sinergia total, e quem ganha com isso é o Brasil”. Foi o que enfatizou o ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, ao assumir na quarta-feira (27.01), em Brasília, a presidência do Conselho Deliberativo da Embratur (Agência Brasileira de Promoção Internacional do Turismo).

Na primeira reunião ordinária do ano do colegiado, Machado apontou a recuperação do turismo a partir de medidas adotadas pelo governo federal e destacou a atenção do presidente Jair Bolsonaro às necessidades do setor.

“O setor começou a apresentar sinais de recuperação no segundo semestre de 2020, ainda na gestão do ministro Marcelo Álvaro, e esta é uma tendência, como no caso das empresas aéreas. O cenário está melhorando bastante graças ao governo Bolsonaro, com atitudes enérgicas. Temos a principal vocação para o turismo após a pandemia, que é o turismo de natureza, e isso é um grande diferencial, juntamente com a vacinação contra o coronavírus pelo nosso governo, que trará segurança a turistas e trabalhadores”, ressaltou o ministro.

 Gilson Machado citou iniciativas a exemplo da disponibilização do Selo Turismo Responsável pelo MTur, que indica o cumprimento de medidas de prevenção à Covid-19 por atividades da área e que já soma mais de 26 mil adesões, e a oferta de R$ 5 bilhões em crédito a empresas do segmento por meio do Fundo Geral de Turismo (Fungetur). O ministro também destacou o repasse de R$ 8,3 milhões a 16 estados e ao Distrito Federal para a promoção de atrativos locais, a fim de reforçar o posicionamento de destinos no pós-pandemia.

O presidente da Embratur, Carlos Brito, empossado como secretário executivo do Conselho, enalteceu o empenho do governo e do trade pela retomada do turismo. “É uma alegria poder somar a tantos esforços para uma verdadeira transformação do turismo no Brasil. Tivemos vitórias verdadeiramente históricas desde o início do atual governo, e a minha intenção é seguir a linha desenvolvida pelo ministro do Turismo, ressaltando todo o potencial que o nosso país tem para ser o protagonista no setor do turismo”, declarou.

A reunião teve a participação de Manoel Linhares, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH Nacional); de Marco Ferraz, presidente da CLIA Brasil (Associação Brasileira de Cruzeiros Marítimos); de Roberto Nedelciu, presidente da Associação Brasileira das Operadoras de Turismo (Braztoa); de Paulo Solmucci Júnior, presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), e de Marta Feitosa, técnica de turismo da Confederação Nacional de Municípios (CNM), entre outros integrantes do Conselho Deliberativo da Embratur.

Fonte: Mtur

Leia também: ABIH’S unem forças em prol do Amazonas

ABIH'S unem forças - ABIH SC

ABIH’S unem forças em prol do Amazonas

Hotelaria nacional promove campanha para ajudar o Amazonas

ABIH Nacional e a ABIH Amazonas lançam em todo Brasil uma campanha para doação de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) para os profissionais de saúde do Amazonas que estão trabalhando diretamente com os infectados pelo novo coronavírus na rede hospitalar do estado.

“Como todos já sabemos, os casos chegaram a números alarmantes no Amazonas, por isso estamos promovendo essa campanha para apoiar esses verdadeiros heróis que estão tratando dos doentes e salvando vidas”, explicou o presidente da ABIH Nacional, Manoel Linhares.

Segundo o presidente da ABIH Amazonas, a ideia é mobilizar não apenas o setor de hotelaria nacional mas todo o país para que esses profissionais tenham o material necessário para que possam realizar o seu trabalho em segurança.

“Quem estiver disposto a ajudar, basta entrar em contato com o telefone da ABIH Amazonas – (92) 3233-7335 – que tomaremos as providências necessárias”, finalizou Roberto Bubol, presidente da ABIH Amazonas.

ABIH Nacional - ABIH Santa Catarina

ABIH nacional participa dos 54 anos da Embratur e comemora sede da OMT no Brasil

No final da tarde da última terça-feira (17), em cerimônia concorrida no Palácio Planalto, com a presença do presidente Jair Bolsonaro e sua esposa, Michele Bolsonaro, do chefe da Casa Civil, general Braga Neto, do presidente da Embratur, Gílson Machado e do presidente dos Correios, General Floriano Peixoto, a Embratur – Agência Brasileira de Promoção Internacional do Turismo comemorou seus 54 anos, com lançamento de um selo postal personalizado e do carimbo comemorativo da data.

Agradecendo a presença da cúpula do governo federal e dos ministros das Comunicações, Fábio Faria, da Cidadania, Onix Lorenzoni, da Secretaria-Geral da Presidência, Jorge Oliveira, da Educação, Milton Ribeiro, e da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, além de seis congressistas, Gilson Machado Neto, abriu sua fala destacando a presença do diretor-geral da OMT, Zurab Pololikashvili e seu encontro no dia anterior com o Presidente da República:

“Na imprensa em geral não se falou nisso, mas a maior autoridade de turismo do mundo está no Brasil e se disse encantado com o que viu em nosso país e anunciou ter escolhido o Brasil para receber um dos quatro escritórios no mundo da Organização Mundial do Turismo (OMT). O escritório da organização no Brasil será o primeiro na América Latina e terá como objetivo principal desenvolver o turismo no continente”, disse Gilson Machado citando o Rio de Janeiro, Brasília e Manaus como possíveis sedes para o escritório da OMT.

Ainda de acordo com o presidente da Embratur, o Brasil tem muitos desafios e entraves, mas tem no turismo um enorme potencial econômico, que pode se tornar do tamanho do agronegócio. “Quero dar boas noticias. O Brasil é o país com o maior potencial no período pós pandemia, e de acordo com ministério do Turismo, já temos a volta de 88% do fluxo de turistas internos recuperados. As Cias aéreas já voltaram com cerca de 80% de suas operações e, na segunda feira, recebi um telefonema do presidente da  Royal Caribbean International dizendo que voltará operar no Brasil”. Gilson Machado também anunciou uma nova coordenação da Embratur para o Turismo de inclusão, uma vez que esse segmento merece ter programas especiais como acontece no mundo todo.

Entre as autoridades presentes, representando o setor de hotelaria brasileiro, Manoel Cardoso Linhares, presidente da ABIH Nacional – Associação Brasileira da Indústria de Hotéis, acompanhado do atual presidente da ABIH-DF, Henrique Severian, e de Adriana Pinto, ex-presidente da entidade na capital federal, também prestigiaram o evento.

Segundo Linhares, o redirecionamento que o governo do presidente Bolsonaro vem dando à Embratur será fundamental nesse momento da retomada das atividades no setor

Segundo Linhares, o redirecionamento que o governo do presidente Bolsonaro vem dando à Embratur será fundamental nesse momento da retomada das atividades no setor: “Conversei pessoalmente com o presidente durante uma hora antes do evento e fiquei muito satisfeito com que ouvi. O presidente Jair Bolsonaro reconhece o potencial do turismo e disse que não medirá esforços para incentivá-lo, principalmente através da Embratur que no seu governo passou a ter sua atuação focada na divulgação de nossos destinos. Parafraseando o presidente da Embratur, acredito que o turismo tem o potencial de contribuir para a economia nacional no mesmo nível do agronegócio”, afirmou o presidente da ABIH Nacional.

Fonte: Diário do Turismo

Conotel

Conotel – Edição Especial acontece de maneira híbrida nos dias 28 e 29 de outubro

O Congresso, que tradicionalmente conta com nomes de destaque no cenário de turismo e hotelaria no Brasil, esse ano terá entre seus palestrantes Raul Martins, presidente da Associação da Hotelaria de Portugal (AHP) e Patrick Mendes, ex-CEO e hoje diretor financeiro da Accor, que farão um panorama da retomada do turismo no mercado internacional.

No primeiro dia (28.10), às 15 horas, após as boas vindas de Manoel Linhares, presidente da ABIH Nacional, de Ricardo Roman Júnior, presidente da ABIH-SP, e de Milton Vasconcelos, presidente do Conotel Brasil, Marcelo Álvaro Antônio, Ministro do Turismo, e Gilson Machado Neto, presidente do Embratur, abrem oficialmente os trabalhos.

Após a palavra inicial das autoridades, Raul Martins, presidente da Associação da Hotelaria de Portugal inicia sua apresentação. Em seguida, participa do painel: “2021 – Ações e Expectativas para o mercado hoteleiro em tempos de NOVO Normal”, mediado por Érica Drumond, vice-presidente da ABIH Nacional, no qual participam Orlando Souza, presidente executivo do FOHB – Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil, Sérgio Souza, presidente da Resorts Brasil, além do presidente da ABIH Nacional, Manoel Linhares.

Novo Normal

No dia 29 de outubro, a programação será centrada no tema “Trabalhando o Novo Normal – Hotelaria, Turismo, Agenciamento, Aviação e Eventos”, que será discutido, também com a mediação de Erica Drumond, por Chieko Aoki, presidente da Blue Tree, Patrick Mendes, diretor financeiro da Accor, Eduardo Sanovicz, presidente ABEAR – Associação Brasileira das Empresas Aéreas, Claiton Armelin, diretor executivo Produtos Nacionais da CVC, Toni Sando, presidente da Unidestinos, e Alexis Pagliarini, presidente-executivo da Ampro – Associação de Marketing Promocional.

Para Manoel Linhares, presidente da ABIH Nacional, realizar o Conotel – Edição Especial 2020 foi desafiador: “Essa edição do Congresso, juntamente com a Semana da Hospitalidade da Equipotel, é bastante simbólica e considero um marco para a retomada dos eventos no setor de hotéis. Claro que gostaríamos que fosse totalmente presencial, mas todo o aprendizado, a troca de informação, a conexão com as pessoas e o nerworking não podem ficar para depois, pois isso a decisão de manter a edição de 2020 do Conotel e realizá-lo  de forma híbrida”, comentou Linhares.

Para Érica Drumond, para o setor de eventos iniciar a retomada, é necessário que todos os setores do turismo trabalhem unidos nesse momento: “Precisamos de união e foco, principalmente a parte de eventos e hotelaria, para que o retorno das atividades seja não só o mais rápido possível, mas que também aconteça de forma segura. Isso requer responsabilidade, investimentos em tecnologia e em certificações na área de saúde. Espero que essa união possa trazer de volta o público o mais rápido possível. Esse é meu desejo”, finalizou a vice-presidente da ABIH Nacional.

Érica Drumond, vice-presidente da ABIH Nacional, (Foto: arquivo DT)

Inscrições no site: equipotel.com.br

PROGRAMAÇÃO DO CONOTEL 2020 – EVENTO DIGITAL

28 de outubro

Solenidade de abertura/ Boas vindas

Ricardo Roman Jr. – Presidente da ABIH São Paulo

Milton Vasconcelos – Presidente do CONOTEL 2020

Manoel Linhares – Presidente da ABIH Nacional

Palavras Iniciais

Marcelo Álvaro Antônio – Ministro do Turismo

Gilson Machado – Presidente do EMBRATUR

Palestra especial: Raul Martins – presidente da Associação de Hotelaria de Portugal

PAINEL 1: Das 15h às 18h

2021 – Ações e Expectativas para o mercado hoteleiro em tempos de NOVO Normal

Moderação: Érica Drumond – Vice-Presidente da ABIH Nacional

Participantes

Manoel Linhares – Presidente da ABIH Nacional

Raul Martins – Presidente da Associação da Hotelaria de Portugal

Orlando de Souza – Presidente Executivo do FOHB

Sérgio Souza – Presidente da Resorts Brasil

Encerramento: Érica Drumond – Vice-Presidente da ABIH Nacional e Manoel Linhares – Presidente da ABIH Nacional

Dia 29 de outubro

Abertura: Manoel Linhares – Presidente da ABIH Nacional

PAINEL 2: Das 15h às 18h

Trabalhando o Novo Normal – Hotelaria, Turismo, Agenciamento, Aviação e Eventos

Moderação: Érica Drumond – vice-presidente da ABIH Nacional

Participantes

Chieko Aoki – Presidente da Blue Tree Hotels

Patrick Mendes – CCO da Accor Global

Eduardo Sanovicz – presidente da Associação Brasileira das Empresas Aéreas

Claiton Armelin – Diretor Executivo de Produto Terrestre Nacional da CVC Corp

Toni Sando – Presidente da Unedestinos

Alexis Pagliarini – Presidente Executivo da AMPRO – Associação de Marketing Promocional

Encerramento: Érica Drumond – Vice-Presidente da ABIH Nacional e Manoel Linhares – Presidente da ABIH Nacional

Fonte – Diário do Turismo

Pandemia no setor hoteleiro - Osmar José Vailatti é entrevistado por Larissa Kümmel

Impacto da Pandemia no Setor Hoteleiro

Os impactos da pandemia no setor hoteleiro foi o tema da entrevista de Osmar José Vailatti, diretor-presidente da ABIH-SC, à Larissa Kümmel, apresentadora da Record News TV de Balneário Camboriú, também hoteleira e diretora da ABIH-RS. Confira abaixo as perguntas e respostas desta conversa.

Larissa: De uma forma geral. Qual o impacto da Covid-19 no setor hoteleiro em Santa Catarina? Qual o percentual de hotéis que estão fechados e de hotéis que estão fechados e não serão reabertos.

Osmar: A Covid-19 afetou mais do que os setores do turismo e a hotelaria, mas certamente, lideramos o ranking dos mais atingidos. Fomos ao fundo do poço. Milhares de demissões, muitos hotéis sucumbiram. Acreditamos que em torno de 20% dos hotéis não abrirão mais. Temos hoje aproximadamente 40% de hotéis fechados no estado. Uma medida inteligente, pois abrir o hotel na maioria das vezes custa mais caro do que deixá-lo fechado. Os que estão abertos trabalham com baixa ocupação, variando de 5 a 15%.

Larissa: Quais são as principais mudanças que você acredita que afetará o setor diante essa pandemia e como o hoteleiro pode se adaptar a elas?

Osmar: Primeiramente o hoteleiro precisa pensar em salvar sua empresa. Não sabemos quando terminará esta agonia. Há muita incerteza ainda. A hotelaria não será mais a mesma. Precisamos hoje demonstrar às pessoas e ao mercado que mudamos, que estamos dando prioridade aos protocolos, que estamos cuidando da saúde e preocupados com a vida das pessoas, sejam colaboradores ou visitantes/hóspedes.   

Percebo também um movimento do mercado para o digital, já que a tecnologia tem proporcionado essa nova experiência de consumo. É preciso manter a comunicação e manter a presença no mercado, pois a escolha do cliente será pelas experiências que ele tiver durante a compra e pela confiança que conseguir sentir nesta relação.

Larissa: Qual a sua previsão para o setor voltar a “normalidade”?

Osmar: A pandemia está resistente. No início, em março, achávamos que em julho já teríamos vencido o coronavírus. Hoje as melhores previsões citam o último trimestre deste ano como início forte da recuperação, outros preveem a recuperação total somente para final de 2021.

Larissa: Acredito que nosso hóspede está muito mais exigente após a Covid-19. Quais serão as principais necessidades dele na sua visão?

Osmar: O novo coronavírus afetou a saúde das pessoas no aspecto econômico, físico e mental. As pessoas estão inseguras, com medo e sem condições de fazerem planos, de terem sonhos, pois estão psicologicamente perturbadas. A hotelaria precisa criar ambientes para vencer estas barreiras e proporcionar ao turista um ambiente de paz, acolhimento e bem-estar. Neste momento, o que o hóspede mais quer é segurança e limpeza. Sentir que estão em um ambiente com segurança sanitária em todos os ambientes do quarto, as áreas comuns, academias, restaurante, entre outras.  

Larissa: Como a ABIH-SC e ABIH Nacional estão agindo para ajudar o setor hoteleiro?

Osmar: O Presidente da ABIH Nacional, Manoel Linhares, é um lutador sem igual. Tem lutado muito, trabalhado incansavelmente para defender junto ao Governo, ao Congresso Nacional, Ministérios e entidades a necessidade de apoio ao turismo e a hotelaria. O setor de serviços emprega muito e representa um pilar forte da economia de SC, do Brasil e do mundo. Tenho orgulho de fazer parte da Diretoria Nacional sob a liderança de Manoel Linhares e sua Equipe. Apesar das lutas, muitas demandas foram atendidas, outras não.

Em Santa Catarina criamos um grupo de apoio aos associados via whatsapp, envio de informativos constantes com decretos atualizados, orientações e suporte de toda equipe de consultores da entidade na área jurídica, administrativa, comercial e de pessoal. Foram criados cursos e gratuitos e pagos para também colaborar com a atualização profissional neste momento de isolamento. Uma campanha nas redes sociais de apoio, incentivo e valorização dos hoteleiros também foi iniciada com artigos para uma retomada de sucesso, peças publicitárias e divulgação dos hotéis que estavam em funcionamento. Além de todo suporte dos hoteleiros nas regionais através dos diretores locais.

Larissa: Quais são as medidas adotadas pelo Governo para proteger o setor?

Osmar: o Governo tem contribuído muito pouco para ajudar a salvar a hotelaria. Algumas medidas ajudaram o setor, porém muito pouco para satisfazer e contribuir mais fortemente com a recuperação da hotelaria. A economia do turismo quer voltar a ser o que era, e o Governo precisa se envolver mais. Várias linhas de crédito foram e são anunciadas pelo Governo, porém, os bancos não disponibilizam os recursos e dificultam a liberação. Não chegam ao destino. É lamentável.

Larissa: As principais diferenças que os hotéis que atendem o turismo de negócio têm para o turismo de lazer. Existem expectativas diferentes para esses setores?

Osmar: Se a hotelaria de lazer foi afetada mortalmente pelo novo coronavírus, muito mais o foi o turismo de negócios, o corporativo. Sabemos que a tecnologia está sendo utilizada intensamente tanto para a prática de reuniões quanto para eventos e tudo o mais que se relaciona a negócios, diminuindo as viagens longas. Já o turismo de lazer pode se fortalecer com o turismo regional, disponível em viagens curtas, gastos menores e destinos seguros que se incorporam à natureza.   

Larissa: Quais são as suas perspectivas para o futuro da atividade hoteleira no Estado de Santa Catarina e no Brasil?

“O turismo sumiu, o turista não”. Esta frase sintetiza bem o que esperamos. Tenho muita fé e esperança na recuperação do setor de turismo. Acredito que tudo passará e que as pessoas voltarão a viajar muito.

“O mundo ama viajar”. Santa Catarina é um oásis de belezas naturais, de destinos turísticos que encantam as pessoas, as famílias. Precisamos da união de todos os segmentos que envolvem a economia do turismo. O turismo congrega 21 atividades diretas (que existem exclusivamente para o turismo), 142 atividades indiretas, 191 atividades compartilhadas e 217 atividades aquecidas, ou seja, a soma alcança 571 setores envolvidos no turismo. É essa união que será a grande engrenagem para a recuperação e retomada econômica..

Precisamos trabalhar muito, ser criativos, valorizar as pessoas e amar o que fazemos.

Viva o turismo e sucesso à hotelaria!

Você também quer conversar com o diretor-presidente da ABIH-SC?

Então, entre em contato com o fone (48) 98843-7711

Vote dentro da lei – Sim à MP 948

A hotelaria nacional reconhece a importância do Ecad para os nossos artistas e apoia o pagamento dos direitos autorais.

O setor não questiona o pagamento ao Ecad pelas obras executas nas áreas públicas dos meios de hospedagem, como recepção, restaurantes, áreas sociais, recreativas, etc.

Porém, não é pertinente a cobrança dentro dos quartos de hotéis já que, assim como o Ecad é autorizado pela Lei 9.610/98 (Lei de Direitos Autorais) a cobrar a execução lítero-musical em locais públicos, os quartos de meios de hospedagem são considerados pela Lei 11.771/2008 (Lei Geral do Turismo) unidades de frequência individual e de uso exclusivo do hóspede e, portanto, residências temporárias.

Também é preciso lembrar que as emissoras de TV e Rádio, ou operadoras de divulgação assemelhadas de streamings, já pagam as taxas do Ecad, o que significa que a cobrança dos direitos autorais dentro de um quarto de hotel já está sendo taxada e, sendo assim, a cobrança torna-se uma dupla tributação.

Sim a MP 948!

Abih Nacional

Vitória esmagadora mostra a força do atual Presidente da ABIH-Nacional, Manoel Linhares “Baixinho”

Brasília, 1º de outubro de 2019 – Após a decisão do Conselho Deliberativo da entidade ter votado pelo indeferimento do recurso da Chapa Renovação e União, foi aberta a eleição e colhidos os votos, onde a chapa liderada pelo atual presidente da ABIH Nacional, Manoel Cardoso Linhares, obteve 49 votos, contra 01 da chapa concorrente.

Sendo assim, Manoel Linhares foi conduzido novamente a presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis – ABIH Nacional, para o biênio 2020/ 2021, e sua diretoria foi composta por nomes de reconhecida atuação no setor de hotelaria e turismo nacional.

Na vice-presidência da ABIH Nacional, Érica Campos Drumond, ex-presidente da ABIH de Minas Gerais. Como diretor administrativo, Manoel Lisboa Barbosa, ex-presidente da ABIH de Sergipe; Vice-presidente administrativo, Artur Maroja da Costa Pereira Filho, presidente da ABIH de Pernambuco; Diretor financeiro, José Odécio Rodrigues Júnior, presidente da ABIH do Rio Grande do Norte; Vice-diretor financeiro, Henrique Lenz César Filho, ex-presidente da ABIH do Paraná; Diretor operacional, Osmar José Vailatti, presidente da ABIH de Santa Catarina, e como vice-diretor operacional,  José Reinaldo Ritter, presidente da ABIH do Rio Grande do Sul.

O conselho fiscal é formado por Eduardo Fontes Neto, da ABIH da Bahia, Alfredo Lopes, presidente da ABIH do Rio de Janeiro, e Clóvis Armando Lemos Carneiro, ex-presidente da ABIH do Pará e presidente da Associação Comercial do Pará. Seus suplentes são Eduardo Costa Cavalcanti, ex- presidente da ABIH de Pernambuco, Antônio Carlos Franco Sobrinho, presidente da ABIH de Sergipe, e Orlando Kubo, presidente da ABIH do Paraná.

A nova diretoria do Conotel foi eleita por aclamação nova diretoria, composta pelos atuais presidente e diretores: Presidente, João Antônio Barros Filho, presidente da ABIH do Maranhão; vice-presidente, Milton Hênio Neto Gouvêa Vasconcelos, presidente da ABIH de Alagoas; Diretor financeiro, Luis Simões de Faria, da ABIH de Sergipe e vice diretor financeiro,  Jack Joseph Abboudi, presidente da ABIH do Mato Grosso.

Como membros do Conselho Fiscal foram eleitos: Antônio Eliseu de Barros, presidente da ABIH do Ceará, Ilza Corrêa Rocha, ex-presidente da ABIH de Tocantins e Manoel Andrade Lima Filho, da ABIH de Rio Grande do Norte. Como suplentes do Conselho Fiscal, Guilherme Ferreira de Oliveira Sanson, presidente da ABIH de Minas Gerais e Marcelo Azevedo Constantino, presidente da ABIH de Tocantins.

Fonte: GPHR

Informativo ABIH-SC 12 de setembro de 2019

ABIH-SC marca presença na Equipotel 2019;- ABIH-SC Informa;- Sócio Colaborador – Gazin;- Curso-Recepção, Comercial e Reservas;-Equipotel: ABIH lança oficialmente Conotel 2020;- Pesquisa do Mtur aponta otimismo entre empresários do setor hoteleiro;- Treinamento de persuasão em vendas com técnica de coaching e PNL ;-Associados ABIH-SC.

Confira o informativo na íntegra AQUI!

Leia também: Curso – Recepção, Comercial e Reservas

ABIH-SC marca presença na Equipotel 2019

A Equipotel, feira sinônimo de hospitalidade na América Latina iniciou na última terça-feira (10) no São Paulo Expo. Com o tema “onde a hospitalidade se reinventa”, o evento traz diversas novidades no ramo da tecnologia, alimentos & bebidas, amenities, e muito mais no ramo da hotelaria e turismo.

Para o Diretor-presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis de Santa Catarina – ABIH-SC, Sr. Osmar Vailatti “ a Equipotel 2019, bem como o lançamento do Conotel 2020 na encantadora Salvador, Bahia, se constituíram em eventos de pleno êxito, a Equipotel superou as expectativas, apresentou-se bem diversificada e muito prestigiada, e a Bahia se apresenta com muita esperança para o setor turístico / hoteleiro”.

O evento acontece até sexta-feira (13), com uma programação vasta e diversificada.