A hora da retomada para o RH na sua empresa!

Uma coisa é certa:

Você não está sozinho e tem milhares de ferramentas para auxiliar neste momento.

O fato é que, estamos diante de um desafio enorme: liderar e desenvolver pessoas, num cenário com várias restrições, várias mudanças ( de hábitos, nas operações e processos no serviço, nas relações interpessoais) e principalmente com a responsabilidade de dar sequência ao que na realidade, mudou.

Sim, estamos falando da retomada das atividades dentro de empresas que estiveram paradas durante aproximadamente um mes dependendo do local onde estão inseridas.

Muitos dos processos serão afetados por normas de higiene, que já afetaram pessoalmente os seus hábitos e agora no ambiente corporativo tomam uma outra dimensão.

Um dos maiores desafios é explicar o novo procedimento que tem regras explícitas para serem cumpridas, para  aqueles colaboradores que tem resistência a mudanças.O que fazer? Como fazer?

Se partirmos do princípio que ao nosso redor, em casa e entre amigos vemos e convivemos com pessoas que  parecem não serem afetadas por notícias negativas, parecem não ter medo, surge logo uma dúvida:

– O que fará com que uma pessoa que não tem medo de pegar um vírus, lave a mão? Use máscara? Não esconda que está gripado ou se sente mal?

Trazendo esse pensamento para o mundo corporativo, é preciso tratar objetivamente as novas regras. É preciso entender que para continuar funcionando, operando, produzindo, há mudanças a serem implantadas. Eis algumas dicas para auxiliar neste momento:

1) Antes de mais nada é importante conhecer os aspectos humanos do colaborador neste cenário – como está em casa, família, como se portaram durante a quarentena, como estão de saúde.

2) Explicar detalhadamente os novos procedimentos em relação a saúde, pois vários aspectos dizem respeito a saúde do colaborador como um todo. Neste momento é importante informar as ações de prevenção que a princípio podem ser recebidas com resistência, mas precisam ser adotadas. Uma delas é a conferência de febre assim que o colaborador chega. 

3) Setores de atendimento sofrem algumas interferências que merecem atenção: o colaborador pode ter medo de atender o cliente, assim, em  ( recepções, balcões, locais onde haverá contato direto), certifique-se em atender normas de vigilância que deem segurança para ambos (colaborador e cliente) essas normas vão desde máscaras, a álcool gel, mecanismos de limpeza acessíveis que estejam o mais próximo possível da ação. Não dá mais para: chame a menina da limpeza… ou seja, balcão, mouse, teclados, maquina de cartão, telefones, puxador de gavetas …tudo isso precisa ser higienizado na hora!

4) Comunicação: cartazes, avisos, informativos internos poderão conter informações importantes da empresa como também as informações oficiais como referência, Clique aqui e baixe as peças que podem ser  compartilhadas.

5)Para as reuniões, treinamentos e os  momentos em que existam a necessidade de interação é preciso seguir normas, que vão desde a distância entre todos os  presentes, até  os cuidados com o uso de máscaras e demais orientações. E? Seja objetivo no tema e duração da reunião. Já em relação aos treinamentos preocupe-se em usar ambientes abertos, com distanciamentos entre os participantes. E não se esqueça do aspecto humano: um chá, café e um suco podem ser servidos individualmente, seguindo as normas que regem as questões de A&B.

 6) Extensão de casa: isso mesmo, o trabalho é uma extensão da casa do colaborador. É provável que alguém que ficou em casa venha a ter receio quando o outro que saiu chegar. E, este também será responsável pela informação que está recebendo ser disseminada para os seus.

Existem formas de fazer isso: no informativo da empresa, na impressão das cartilhas a disposição. O importante é pensar que ele será o elo da empresa também com a família e a sociedade. Baixe aqui o Guia de convívio responsável. 

7) Qualidade no ambiente de trabalho: aqui não vamos falar somente da qualidade do ambiente de forma estrutural: higiene, ventilação, higienização bem aplicada, seguindo as normas.E o cuidado principalmente redobrado em ambientes comuns. Vamos expandir nossa dica para a qualidade das relações e do ambiente no aspecto humano. Importante que o gestor ou líder mantenha um ambiente tranquilo, com foco no que precisa ser feito,evitando comentários que não acrescentam em nada e possam prejudicar o humor, o respeito e o bem estar da equipe.

Um pouco de cada coisa, um pouco de cada vez, respeitando os limites, o cenário mas principalmente levando em conta a responsabilidade que cabe a cada num momento sensível mas que fará toda a diferença se construído com profissionalismo, respeito e amor pelo que faz. 

Lara Perdigão

Relações Públicas  CONRERP 4ª Região – 3304

Diretora de Capacitação e de eventos da ABIH-SC

Outros artigos sobre este tema e contato clique aqui