Experiências do Brasil Rural: os atrativos do Roteiro Caminhos do Campo, em Santa Catarina

A quarta reportagem da série sobre o Projeto Experiências do Brasil Rural, iniciativa do governo federal que fomenta o turismo no campo, a Agência de Notícias do Turismo “aterrissa” em Santa Catarina. Lá, a região do Alto Vale do Itajaí, marcada por traços da imigração alemã e italiana, abriga mais um dos oito roteiros contemplados no projeto, uma parceria entre os ministérios do Turismo, da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e a Universidade Federal Fluminense (UFF) que proporciona capacitação a empreendedores.

Criada em 2018 pela Assessoria de Turismo e Cultura da Associação de Municípios do Alto Vale (AMAVI), a rota envolve 28 propriedades rurais – sendo oito da agricultura familiar -, que garantem experiências únicas ao visitante. Uma delas, o Rancho Sabores da Roça, em Presidente Getúlio, permite ao turista, rodeado por natureza, saborear um delicioso café colonial recheado de produtos elaborados no próprio local, como tortas doces e salgadas, pães, biscoitos, bolos, queijos, geleias e embutidos, entre outros.

Outra opção é percorrer os belos campos de pêssego da Chácara Esmeralda, em Petrolândia, na qual, guiados por anfitriões, turistas podem, inclusive, passear de trator durante a florada. Quando os frutos amadurecem, há a alternativa do “colha e pague”, acompanhada de explicações sobre o processo de cultivo. A modalidade “colha e pague” se repete na cidade de Vitor Meireles, onde são produzidos vinhos, sucos e geleias. Destaque, ainda, para a Cervejaria Herdt, em Ituporanga, onde o turista tem a chance de conhecer o local e ouvir esclarecimentos a respeito da elaboração da bebida – com direito a degustação.

Segundo a turismóloga Fabiana Dickmann, assessora de Turismo e Cultura da AMAVI, as qualificações do Experiências do Brasil Rural já provocam a oferta de novos produtos no roteiro. “Os agricultores têm percebido, com as capacitações, que ainda podem muito mais, que seus produtos podem ser mais bem harmonizados e que eles podem criar experiências, além das já oferecidas. Então, estão surgindo novos produtos, a exemplo de piqueniques harmonizados com produtos locais”, conta.

Já no município de Chapadão do Lageado, a pedida são os vinhos orgânicos do Sítio Grah, que proporciona passeios, conduzidos pelos proprietários, em meio à fabricação artesanal. Em Ibirama, por sua vez, a atração fica por conta da Atafona Carlos Hajek. Na estrutura, um engenho de moer grãos movido a partir de uma roda d’água datada de 1945, o turista vivencia a experiência de acompanhar descascadores de arroz e milho na pedra. O sistema movimenta ainda uma marcenaria, onde peças de madeira são fabricadas e reformadas.

EXPERIÊNCIAS – O roteiro inclui atividades singulares. O que dizer de verificar a arquitetura de uma colmeia de abelhas sem ferrão? É o que oferece o Recanto das Abelhas, em Presidente Getúlio, onde também se pode experimentar um mel com sabor único, além de aprender sobre a importância dos insetos à natureza e assistir o trabalho de preservação das espécies. Já no Sítio Rouwstik, em Petrolândia, há a chance de pastorear ovelhas, pegá-las no colo e amamentá-las, bem como provar queijos produzidos a partir do leite dos animais.

A turismóloga Fabiana Dickmann avalia que as capacitações do projeto terão forte impacto na atração de visitantes, principalmente no pós-pandemia. “O mês de julho marcou a retomada do Caminhos do Campo, e os agricultores retornaram aplicando parte do conhecimento obtido, potencializado com o que estão aprendendo nas capacitações. Temos certeza de que a procura pelo roteiro vai ser ainda maior com o posicionamento de marketing trabalhado nas capacitações e que os agricultores têm começado a pôr em prática”, aposta.

SUSTENTABILIDADE – O roteiro catarinense tem como premissas a sustentabilidade rural, o respeito ao meio ambiente, a valorização da história e da cultura locais e a criação de alternativas de renda a famílias do campo, incentivando a permanência na área. As propriedades utilizam produtos nativos e regionais, e os guias pertencem à comunidade, o que fomenta os negócios mutuamente e beneficia as economias municipais. O objetivo é favorecer a interação positiva entre a indústria do turismo, os moradores e os visitantes.

PROJETO – Além do Caminhos do Campo, integram o Experiências do Brasil Rural os roteiros “Terra Mãe do Brasil, seus caminhos, segredos e sabores”, da Bahia; a Rota Amazônia Atlântica, do Pará; o Agroturismo do Espírito Santo; a Rota do Queijo Terroir Vertentes e a Rota Gourmet das Terras Altas da Mantiqueira, em Minas Gerais; e a Ferradura dos Vinhedos e o Roteiro Farroupilha Colonial, no Rio Grande do Sul. Após um diagnóstico inicial, empreendedores participam agora de capacitações sobre as cadeias produtivas de interesse do projeto: queijos, vinhos, cervejas e frutos da Amazônia.

O ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, destaca a atenção do governo federal à adequada estruturação do meio rural para o aproveitamento turístico das potencialidades do campo. “Os atrativos rurais do país – referência mundial no setor agrícola – têm um enorme poder de atrair visitantes. O nosso objetivo é ampliar a oferta turística nacional, bem como gerar alternativas de renda a agricultores familiares que também trabalham o turismo, com reflexos extremamente positivos na geração de emprego e renda”, explica.

A primeira etapa das qualificações do projeto consistiu na realização dos seminários virtuais “Visões de Mercado”. Durante as transmissões, realizadas por meio do YouTube do MTur, empreendedores de sucesso no turismo rural detalharam suas trajetórias e destacaram vantagens da capacitação (assista ou reveja aqui e aqui). Em uma segunda fase dos painéis online, em setembro deste ano, estão previstas outras palestras sobre temas apontados nos diagnósticos, também ministradas por especialistas.

Por André Martins

Assessoria de Comunicação do Ministério do Turismo

Fonte: Mtur