Empresas aéreas têm alta de 16,2% no número de passageiros em junho

Empresas aéreas têm alta de 16,2% no número de passageiros em junho

Empresas aéreas têm alta de 16,2% no número de passageiros em junho

As empresas aéreas nacionais apresentaram alta no número de passageiros transportados em junho deste ano. De acordo com a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), mais de 4,2 milhões de pessoas voaram pelo país, resultando em uma alta de 16,2% comparado ao mês de maio, quando cerca de 3,6 milhões de pessoas passaram pelos aeroportos brasileiros. O número é o maior dos últimos quatro meses, perdendo apenas para fevereiro, quando foram transportados 4,3 milhões de passageiros.

Para o ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, o resultado abre caminho para que as aéreas retornem aos índices registrados antes da pandemia. “Além do setor aéreo, já podemos ver bons resultados no setor hoteleiro, de bares e restaurantes em algumas cidades. Isso mostra que estamos indo no caminho certo, aliando vacinação à adoção de protocolos de biossegurança no setor de turismo para possibilitar o retorno seguro e responsável das atividades em todo o país”, acrescentou.

Demonstrando também sinais de recuperação da aviação civil, a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) divulgou que as companhias aéreas registraram, em julho, o terceiro mês consecutivo de crescimento da malha aérea doméstica. Por dia, foram registrados uma média de 1.624 partidas em julho. A quantidade de voos é 16,4% maior do que a anotado em junho, mês que teve 1.230 decolagens. E é o maior desde janeiro de 2021, quando houve 1.798 voos por dia.

O aumento no número de voos reflete diretamente na movimentação de passageiros nos aeroportos do país. Os terminais da Rede Infraero, por exemplo, devem receber cerca de 3,5 milhões de viajantes durante o mês de julho. O número representaria um aumento de 284% em relação ao mesmo período do ano passado, quando mais de 900 mil pessoas embarcaram e desembarcaram nos terminais da empresa, que contempla terminais como o de Congonhas (SP) e Santos Dumont (RJ).

Por Victor Maciel

Assessoria de Comunicação do Ministério do Turismo

Fonte: Mtur