Osmar Vailatti – Empreendendo em cenários de transformações e mudanças

Conheça a história de Osmar José Vailatti e seu legado como representante da hotelaria em Santa Catarina

Hoteleiro em franca expansão e presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis, a ABIH-SC, Osmar José Vailatti provou que momentos difíceis e cheios de incertezas não são páreo para o seu fôlego empreendedor. No auge de seus 70 anos, o empresário comemora 20 anos na hotelaria, mostrando que é possível iniciar um projeto de sucesso aos 50 anos, e diante de um cenário de transformações e mudanças como o que estamos vivenciando com a pandemia mundial do novo coronavírus.

Com uma visão empreendedora e sempre muito focado em seus objetivos, Vailatti mostrou seu êxito como empresário no ramo imobiliário ainda quando residia em Jaraguá do Sul. Apaixonado pelo litoral, adquiriu em 1991, um imóvel na praia Alegre em Balneário de Penha que, 9 anos depois, viria a transformar na Pousada Pedra da Ilha, reconhecido e badalado empreendimento do litoral catarinense, com 77 apartamentos, empregando 45 colaboradores de forma direta, além de suporte de consultorias e serviços terceirizados.

Casado com Maria Otília, pai de três filhos Pablo José, Diego e Carlos Ramon, frutos do primeiro casamento, avô dedicado e um empreendedor bem-sucedido, Osmar Vailatti conta como é empreender justamente em um momento de incertezas. “Na virada do século, o medo do bug do milênio e a transição do analógico para o digital também fez muitas empresas pequenas e renomadas companhias, fecharem suas portas. Quem estava preparado, com uma gestão eficiente, pôde crescer e prosperar. Neste momento, a sobrevida das empresas também passa por uma adaptação e vão sobreviver e prosperar aqueles que melhor se prepararem para os novos tempos”, enfatizou Vailatti.

A esperança no futuro

Sempre muito otimista, o empresário acredita que o momento atual é muito semelhante ao já vivido, e segue confiante para o lançamento do novo empreendimento, o Solar Pedra da Ilha, com 10 andares e 102 apartamentos, em frente ao Beto Carrero World, com inauguração adiada para o segundo semestre em virtude da pandemia, mas que, em breve, deve empregar mais de 70 colaboradores. “Eu poderia estar aposentado, mas saber que posso gerar empregos, atrair visitantes e colaborar com o turismo do município me deixa motivado a não parar. Como diz Dom Hélder Câmara, o segredo da eterna juventude é dedicar a vida a uma causa. Eu sou um apaixonado pelo turismo e quero continuar me dedicando para o crescimento do setor enquanto conseguir”, afirma Vailatti.

Se não é possível saber até quando durará esta crise, a retomada econômica é uma certeza. “O mercado voltará a operar como aconteceu em todas as crises econômicas. Vamos novamente precisar de muito tempo, paciência e motivação para voltar a crescer, mas o Brasil continuará sendo um dos destinos mais procurados do mundo. A hora é de pensar, planejar, acreditar, mas também de agir”, reforça Vailatti.

Nem mesmo a vida agitada de hoteleiro e empresário de outros segmentos atrapalhou uma vida dedicada ao serviço voluntário e entidades não governamentais. Sempre com participação ativa em entidades como APAE, LIONS, rede feminina de combate ao câncer em Jaraguá do Sul, na diretoria da associação de hotéis e restaurantes de Penha, Comtur e, nos últimos anos, com uma destacada atuação como diretor-presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis de Santa Catarina ABIH-SC e diretor da ABIH Nacional.

Um associado participativo

Sua ligação com a ABIH-SC começa pouco tempo depois de inaugurar seu primeiro empreendimento no ramo hoteleiro. Em 2003, Vailatti associou o seu meio de hospedagem à entidade buscando justamente obter apoio para sua gestão, qualificação de mão de obra e crescimento no setor. Para o empresário, o associativismo é muito importante para o crescimento de qualquer segmento, em especial, o turismo. “A entidade representa o seu associado. Possui em sua gestão pessoas com conhecimento técnico capaz de apoiar, orientar e lutar pelos direitos dos empresários, além de oferecer inúmeros benefícios. Como sempre fui um ativo participante em entidades, na ABIH-SC não foi diferente. Obtive muito conhecimento e também pude colaborar com o desenvolvimento da entidade”, explica.

Gestão Profissional da ABIH-SC

Desde que foi eleito em 2017, muito de sua atuação empresarial também foi aplicada na gestão da entidade como diretor-presidente da ABIH-SC. Com uma diretoria composta por pessoas técnicas e especialistas nas principais áreas de um negócio, Vailatti buscou por uma gestão profissional, com análises baseadas em relatórios, índices e uma perfeita harmonia entre os diretores e colaboradores.

Sua expertise administrativa, priorizou deste o início o ponto central de atendimento as necessidades dos associados e da sustentabilidade da entidade para poder cumprir esse papel. Instaurou uma gestão participativa e decentralizada, ouvindo a opinião de todos sobre os assuntos da entidade, e retomando a atuação dos diretores regionais, como forma de ouvir as demandas dos empresários do setor em cada canto do Estado, além de levar também o posicionamento da entidade para cada região catarinense.

Entre os grandes feitos da gestão os principais foram a retomada do Encatho & Exprotel, grande evento da hotelaria no sul do país, poucos meses após assumir a presidência da entidade; O lançamento do novo website, com atualização constante e otimizado para as buscas na internet, além de outras estratégias para dar ainda mais relevância aos seus associados como presença no Instagram, Facebook, Youtube, Linkedin e divulgação dos hotéis no informativo mensal para mais de 18 mil contatos.

Representatividade nacional

Osmar Vailatti não mede esforços para representar a hotelaria catarinense em negociações, eventos e reuniões com os representantes do setor em outros estados. Com carisma e liderança naturais contribuiu também para o fortalecimento da imagem da ABIH Nacional diante dos hoteleiros de Santa Catarina, levando o posicionamento da entidade pessoalmente, ou orientando os demais representantes com informações e posturas para que as solicitações sejam atendidas dentro dos princípios estabelecidos em sua gestão.

Liderança humanizada

Osmar Vailatti também levou para a entidade a mesma liderança humanizada que garante o sucesso dos seus empreendimentos. Sua sensibilidade, atenção às individualidades de cada colaborador, sempre com uma palavra e atitudes de otimismo, carinho e preocupação foram alguns dos destaques de quem trabalha diretamente sob sua liderança. Para a Lara Perdigão, relações públicas da entidade, “Uma das principais características de um líder de sucesso é a motivação dos que trabalham com ele através de seu posicionamento e ações. Neste sentido, sempre que existe uma oportunidade de reconhecimento do trabalho, o Sr. Osmar o faz publicamente e se não existe a oportunidade, ele cria. Quando há necessidade de uma adequação aos princípios que ele acredita serem fundamentais para que a entidade atinja seus objetivos, ele também o faz o seu feedback promovendo o crescimento e o amadurecimento do colaborador”, enfatiza ela.

Sua atenção e reconhecimento público também vale para as parcerias do associado, do fornecedor, das autarquias, da imprensa e de todos os atores que colaboraram para o desenvolvimento dos projetos realizados pela entidade ao longo destes quatro anos de gestão.

A história deste grande empreendedor já pode ser documentada em um livro, por isso, vamos encerrar por aqui para, em breve, fazer um novo capítulo dessa trajetória que mostra a todos que época de crise econômica, também é tempo de empreender, basta ter bom planejamento, gestão e visão de futuro. 

COVID-19: Caos na economia e a revisão de contratos bancários

Em menos de 30 dias, a nação brasileira passou a figurar no rol dos países com inúmeros casos de coronavírus e viu a sua economia ruir diante dos dados alarmistas veiculados nos noticiários e nos anúncios das autoridades nacionais.

Medidas normativas estaduais e municipais determinaram o fechamento do comércio em vários estados e municípios, dando início a crise econômica que culminaria, em poucos dias, numa situação preocupante com relação à saúde financeira da iniciativa privada brasileira. Independente do acerto ou não da quarentena imposta, é fato que ela ocorreu (e ainda se opera em vários lugares) e trouxe consigo consequências econômicas e jurídicas.

Milhares de empresários, já alavancados com créditos tomados em bancos, viram-se desprovidos de faturamento enquanto ainda comprometidos junto aos credores bancários. Seria o caso de exonerar a mora por conta de caso fortuito ou força maior? Estaria presente a possibilidade de revisão judicial do contrato?

Primeiro, com relação à eventual mora do cliente junto ao banco no período crítico da pandemia, com o cerramento das portas do comércio, parece-me evidente que se trata de um caso fortuito ou de força maior, na forma prevista no artigo 393, do Código Civil[1], aplicado subsidiariamente às relações de consumo.

A situação de completo impedimento de exercício do comércio por determinação do poder público revela, sim, um evento extraordinário e que, até o festivo mês de fevereiro/2020, era imprevisível e inevitável. Importante ressaltar que o empresário estava compulsoriamente impelido de não desempenhar o seu negócio. E mais do que isso, para além da falta de condições de realizar a atividade empresarial, há todo o contexto de retração do consumo da grande maioria de produtos, posto que a população, em modo de alerta, restringiu-se a comprar produtos tidos como essenciais (alimentos e remédios).

No parecer da Senadora Simoni Tebet, para aprovação do Projeto de Lei n.º 1.179/20 (Regime Jurídico Emergencial e Transitório – RJET), em 03/04/2020, consta textualmente que “a pandemia é o clássico exemplo do que dispõe o art. 393 do Código Civil.”

Se assim o é, duvidas não há quanto à exclusão dos efeitos da mora na ausência de cumprimento das obrigações contratuais junto às instituições financeiras, no período após o dia 20/03/2020 (data indicada no projeto de lei para efeitos jurídicos da pandemia). Em alguns estados e municípios, esse prazo poderá ser questionado em juízo, já que autoridades municipais e estaduais se anteciparam nas medidas restritivas, como ocorreu, por exemplo, em Santa Catarina.

Porém, a exclusão dos efeitos da mora (juros, multa, rescisão antecipada do contrato, etc.) não encerra o problema junto aos bancos. O cenário que se avizinha na economia ainda é nebuloso e pessimista, pois sobram relatos de falta de caixa para pagamento até mesmo daquilo que são prioridades para o funcionamento de qualquer empresa, pessoas e matéria prima.

Há, nesse segundo momento, a possibilidade de revisão de contrato junto aos bancos, não com base nos dispositivos do Código Civil, mas sim nas normas consumeristas. Explico. Previamente, é necessário ter em vista que a relação da empresa perante os Bancos é uma relação de consumo, cuja principal legislação de regência é a Lei n.º 8.078/90 (Código de Defesa do Consumidor – CDC). Essa compreensão está sedimentada na jurisprudência nacional, forte na Súmula n.º 297 do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

E o artigo 6.º do CDC dispõe que: “São direitos básicos do consumidor: (…) V – a modificação das cláusulas contratuais que estabeleçam prestações desproporcionais ou sua revisão em razão de fatos supervenientes que as tornem excessivamente onerosas;”. É uma norma de alcance maior e mais protetora do que aquelas normas civis que fundamentam a possibilidade de resolução ou revisão de contrato diante de um fato extraordinário. São marcos teóricos distintos, mas com efeito prático muito grande, pois o consumidor (parte mais vulnerável da relação) tem o caminho mais facilitado para, judicialmente, exigir a revisão dos termos do contrato.

Evidentemente a revisão contratual não ocorre ao acaso ou com simples indicativos de impossibilidade de cumprimento das obrigações junto ao Banco. Cabe ao empresário, à micro e/ou à pequena empresa, demonstrar, pelo menos:

  • os efeitos da derrocada da economia na sua atividade (pois nem todos os comércios tiveram prejuízos, já que alguns poucos até aumentaram a sua receita);
  • a onerosidade excessiva para cumprimento das obrigações contratuais;
  • indicações claras e reais de medidas que restabeleçam o equilíbrio contratual.

Em que pese a revisão contratual se opere em juízo, não se pode descartar a importante tentativa extrajudicial prévia de renegociação de dívida ou das cláusulas do contrato junto a instituição financeira. Ainda mais que, no dia 16/03/2020, foi publicada a Resolução n.º 4.782, pelo Banco Central, determinando critérios mais brandos para reestruturar operações de crédito tanto para pessoa jurídica quanto para pessoa física.

Em desfecho, há importantes e efetivos mecanismos para que o empresário, as micro e pequenas empresas, lancem mão para, no meio desta crise econômica, não sejam vitimados pelos contratos celebrados em momentos distintos junto às instituições financeiras.

Henrique Barros Souto Maior Baião

OAB/SC 17.967

Diretor Jurídico da ABIH-SC

Advogado da BAIÃO & FILIPPIN ADVOGADOS ASSOCIADOS

João Paulo de Mello Filippin

OAB/SC 18.112

Advogado da BAIÃO & FILIPPIN ADVOGADOS ASSOCIADOS


[1] Art. 393. O devedor não responde pelos prejuízos resultantes de caso fortuito ou força maior, se expressamente não se houver por eles responsabilizado. Parágrafo único. O caso fortuito ou de força maior verifica-se no fato necessário, cujos efeitos não era possível evitar ou impedir.

Como preparar o seu hotel para o retorno das atividades

Santiago Edo – Fundador e CEO da reviewr | customer review intelligence

Seus clientes mais insatisfeitos são sua maior fonte de aprendizado.

Bill Gates

Nas últimas semanas o mundo virou de pernas pro ar. Tudo mudou. Tudo parou. E no mundo corporativo, o impacto vem sendo estrondoso. Não vou falar sobre o Covid-19, a minha proposta neste artigo é tentar mostrar para você que, por mais que estejamos em um modo de “suspensão” generalizado, isso não significa que nós temos que ficar parados. Na verdade, entendo que este é um momento de oportunidades e de transformação. E vou explicar porque e como aproveitar este momento de forma produtiva.

Para quem não me conhece, sou o fundador e CEO da startup reviewr (www.reviewr.me). A reviewr vende no mercado um software de gestão de reputação online, um tema que é de grande interesse do mercado hoteleiro. As vantagens de se ter uma reputação positiva na internet é amplamente relevante para quem trabalha com meios de hospedagem, pois está mais do que comprovado que as avaliações online que os hotéis recebem influenciam diretamente as escolhas dos hóspedes.

Avaliações online funcionam como um anzol para pescar mais hóspedes ou podem funcionar justamente ao contrário. Avaliações positivas atraem mais hóspedes, avaliações negativas, teoricamente, afastam hóspedes do seu hotel. Digo teoricamente porque eu entendo que uma avaliação sempre é positiva, mesma uma avaliação negativa pode se tornar algo positivo, desde que tratada corretamente.

O seu hotel certamente não está recebendo avaliações neste momento. Basta vermos o gráfico abaixo para comprovar o que estou falando. No gráfico abaixo mostramos o que aconteceu com as avaliações dos associados ABIH-SC no mês de Março 2020. 

Notem que, à partir do dia 21 de Março, quando iniciamos a quarentena, o número de avaliações despencou, chegando praticamente a zero. A explicação é mais que óbvia. Sem hóspedes, não há o que avaliar… Também notamos um pico de avaliações no dia 20/03, provavelmente motivado pela saída inesperada de muitos hóspedes ao mesmo tempo, em função do início da quarentena.

Porém nos meses de Dezembro a Fevereiro, alta temporada, o número de reviews recebidos pelos associados ABIH-SC foi altíssimo, como mostra o gráfico abaixo. 

Em 3 meses foram mais de 10 mil reviews recebidos, o que dá uma média de 200 reviews por hotel (são 51 associados). Esses reviews trazem dados super relevantes sobre a experiência dos hóspedes no seu hotel, apontando pontos fortes e fracos, em detalhes.

Então que tal usar este período para estudar mais a fundo cada avaliação recebida nos últimos meses, a fim de buscar soluções e caminhos que permitam você preparar o seu hotel para o tão esperado retorno das atividades? Que tal aproveitar este momento de forma construtiva e “ouvir” atentamente os seus hóspedes, através dos reviews postados na internet, onde eles contam, em detalhes, tudo que gostaram e não gostaram durante a estadia? 

Vejam abaixo este exemplo:

“Hotel OK! A região tem um visual incrível, um rio de água de água doce tem de ser atravessado para acesso a praia. O hotel tem uma pessoa de apoio para atravessar num barquinho. Bem tranquilo. A cozinha oferece refeição ok. Café da manhã bem servido. Quartos com comodidades ok e sem novidades. Funcionários fazem o trivial, sem mimos. Nota do hóspede: 3 estrelas.

No review acima, publicado no Trip Advisor, com nota 3 estrelas (o que significa que o hotel não encantou), o hóspede elogia o visual da região, aponta que o hotel oferece pessoal de apoio para atravessar o rio de água doce que leva a praia (experiência que marcou a sua estadia, por isso ele comenta no review), que a cozinha oferece refeições adequadas (mas não surpreendentes pelo visto) e que o café-da-manhã é um ponto forte. Porém ele identificou um ponto que é muito interessante: que os funcionários fazem o trivial, sem mimos… Eu costumo dizer nas minhas palestras que uma experiência memorável está nos detalhes. Este hóspede acaba de corroborar com essa afirmação. 

Então eu pergunto: não seria este o momento, diante da identificação de uma opinião que provocou o hóspede a não avaliar o hotel com uma melhor nota, pensar no que pode ser feito para melhorar a experiência dos futuros hóspedes, focando em pequenos detalhes, em pequeno mimos? O hóspede deu a letra. Agora, basta você agir.

Como esse review acima, cada hotel tem na média mais 200 para reler, dos meses de Dezembro, Janeiro e Fevereiro. Alguns mais, alguns menos, mas todos receberam grande quantidade de reviews. E reviews são dados e dados são inteligência. 

O que eu proponho aqui é justamente isso. Usem essa inteligência, neste momento de “suspensão” temporária, para pensar no que pode ser feito para melhorar o seu hotel e a experiência que ele gera para os seus hóspedes. Este é o momento para agir e voltar com mais força, mais preparado, para um hóspede que estará ainda mais exigente, isso eu garanto.

Então a hora é agora. Entre no Google Meu Negócio, no Trip Advisor, no Facebook, no Booking, Expedia, Hotéis.com, agora mesmo, e leia review por review. Tabule tudo numa planilha, separe em grupos os pontos fortes e as críticas e depois, com tudo bem organizado, comece a pensar em como melhorar cada situação apontada pelos seus hóspedes. 

Monte uma matriz para identificar os assuntos por sentimento. Abaixo mostramos como apresentamos essa matriz na nossa ferramenta mas, se você não usa a reviewr ou alguma outra ferramenta de gestão de reviews, faça isso na mão mesmo. 

A nossa Head de Customer Success, Tamara Corrêa, dá mais algumas dicas do que fazer para aproveitar este momento, baseada nas atividades que o time dela está realizando junto aos nossos clientes:

“Empatia, transparência e colaboração têm sido os pilares do time de Customer Success nessas últimas semanas. Nosso contato com os clientes sempre foi muito próximo, no entanto intensificamos ainda mais para poder ajudar. Nesse cenário, estruturamos um plano de ação com os serviços que poderíamos oferecer e colocamos em prática, contactando cada um e entendendo como está a empresa nesse momento. A partir disso colocamos a mão na massa: atualizando perfis no Google, colocando horários de funcionamento durante a quarentena, assim como descritivos com o posicionamento da marca e a maneira de atendimento. Também passamos a responder avaliações de clientes com demanda excessiva, dessa forma o consumidor continua recebendo retorno e entende como está a organização da empresa. Além disso, estamos enviando e-mails com sugestões, notícias e tendências de cada segmento durante a crise. Nossa missão, mais do que nunca, é estar presente na vida dos nossos clientes oferecendo suporte e entregando valor no que estiver ao nosso alcance”.

Resumindo o que a Tamara pontuou acima, o recado é: sempre existem atividades que podem ser implementadas em momentos como este que estamos vivendo, com objetivo de reforçar o relacionamento entre as empresas e seus clientes. 

A empresa pode estar parada, mas a sua marca continua viva e você precisa entender que ela precisa continuar se relacionando com os seus clientes de forma ativa. As empresas que fizerem isso de forma planejada e estratégica, são as que vão se recuperar mais rápido após a crise.

Lembre-se da frase do Bill Gates, no início deste artigo: Seus clientes mais insatisfeitos são sua maior fonte de aprendizado.

A reviewr está oferecendo para os associados ABIH-SC um relatório completo com osdados dos meses de Dezembro, Janeiro e Fevereiro (alta temporada), totalmente gratuíto. Caso queira receber o seu relatório, pedimos que entre em contato através do e-mail cs@reviewr.me identificando o email com o assunto: NOME DO HOTEL – QUERO RECEBER O RELATÓRIO DA REVIEWR.

Agendada audiência pública sobre concessão do centro de eventos de Balneário Camboriú

Fotos: Saul Oliveira Filho (Ascom/Santur)

Fotos: Saul Oliveira Filho (Ascom/Santur)

 

A concessão do Centro de Eventos de Balneário Camboriú está mais perto de se tornar realidade. A audiência pública para debater o processo de concessão do espaço à iniciativa privada foi agendada para quarta-feira, dia 24 de julho, às 14h, no Teatro Municipal Bruno Nitz, em Balneário Camboriú.

A realização de audiência é determinada pela Lei de Licitações (nº 8.666/93). A Agência de Desenvolvimento do Turismo de SC (Santur) e a SC Par contaram com o apoio da Prefeitura Municipal da cidade para a realização do evento.

A documentação relativa ao edital de concorrência e outras informações estarão disponíveis neste endereço eletrônico 48 horas antes da data da audiência. A consulta pública ficará disponível no site por 30 dias.

Pré-agenda de eventos

O equipamento já conta com uma lista de 12 eventos pré-reservados, com realização a partir de julho de 2020. São seis formaturas, cinco feiras e um congresso. O pré-agendamento pela Santur já está ocorrendo para eventos com realização a partir do segundo semestre de 2020. No entanto, a empresa que ganhar a concessão poderá agendar e executar eventos a partir do momento em que assumir a gestão. Interessados devem entrar em contato com a diretoria de planejamento turístico da Santur, pelo telefone: (48) 3665-7455.

A estratégia de agendar eventos que serão realizados a partir do segundo semestre do próximo ano é uma forma de resguardar os prazos legais para a instalação dos equipamentos e a finalização da obra física. Além disso, essa postura tem como objetivo assegurar a captação de eventos que necessitam de certa antecedência para sua realização.

“O Governo está preocupado e atento para apresentar a melhor proposta. Queremos que a entrega ocorra com a agilidade e transparência que a sociedade exige e que o Centro de Eventos entregue os melhores resultados”, salienta a presidente da Santur, Flavia Didomenico.

Obras de acabamento

Seguindo o cronograma de trabalho do centro de eventos de Balneário Camboriú, foi assinada na manhã desta quarta-feira, 10, a ordem de serviço para fornecimento e instalação das divisórias móveis. O valor do investimento é de R$ 2.398.994,20 e a previsão é que o trabalho seja concluído em quatro meses.

Além da presidente da Santur, participaram da assinatura o diretor de planejamento turístico, Mané Ferrari e Henrique Rech, diretor da HPR Engenharia, empresa de Porto Alegre/RS, que venceu a licitação. A instalação do piso e forro será feita pela Salver, empresa responsável pela obra física do equipamento, e só pode ocorrer após a colocação das divisórias, para evitar danos no gesso e no carpete.

Site_IMG_5293.jpg

Na tarde desta quarta foi realizada ainda uma reunião de alinhamento técnico entre profissionais da Santur, da HPR, da Caixa Econômica Federal, da Secretaria de Infraestrutura e da Salver. De acordo com o diretor Mané Ferrari, o encontro buscou reunir todos os envolvidos e primar pela agilidade: “Estamos comprometidos em finalizar o quanto antes a obra física e dar andamento ao processo de concessão”, finaliza.

Fonte: Santur

Conheça os benefícios que a ABIH-SC oferece

 

A Associação Brasileira da Indústria de Hotéis de Santa Catarina – ABIH-SC é uma entidade empresarial associativista que está presente em todas as regiões do Estado e trabalha de forma constante para defender os legítimos interesses da indústria hoteleira de Santa Catarina. Além disso, busca sempre proporcionar vantagens aos meios de hospedagem associados através de ações, benefícios e parcerias.

Atuação ABIH-SC

A Associação Brasileira da Indústria de Hotéis de Santa Catarina – ABIH-SC com mais de 50 anos de atividades com presença e representatividade nas doze regiões turísticas de Santa Catarina.

ABIH-SC Eventos – Encatho & Exprotel tradicional pela qualidade e sucesso de sempre há quase 30 anos, fomenta a congregação da classe hoteleira, propicia networking com gestores e proprietários dos meios de hospedagem, além da Feira de Produtos e Serviços para a Hotelaria, ideal para fechar negócios com os fornecedores do segmento.

ABIH-SC Educação – Planejamento de cursos, workshop, palestras, treinamentos e consultorias para aperfeiçoamento dos proprietários e colaboradores;

ABIH-SC Benefícios e Vantagens – Ampliar parcerias com fornecedores de diversos segmentos para que os associados usufruam descontos e vantagens. Certamente tem um benefício ou vantagem perfeito para você, seu meio de hospedagem ou seus colaboradores;

  • Consultas gratuitas em diversas áreas;
  • Espaço no site da ABIH-SC com foto e dados do meio de hospedagem;
  • Divulgação de notícias do seu meio de hospedagem no informativo da entidade;
  • Poderá incluir o logo da ABIH-SC no site do seu meio de hospedagem, enquanto associado.

 

BENEFÍCIOS 

 

 – AGEMED: Planos de saúde empresarial; 

– UNIODONTO: Planos odontológicos empresariais; 

– MULTIPLICA CARTÕES: Assistência jurídica, Seguro de Vida, Seguro funeral, desconto em farmácias, consultas médicas e odontológicas em estabelecimentos credenciados; 

– CONVÊNIO SAÚDE E EDUCAÇÃO: Descontos e clinicas, farmácias, laboratórios, escolas e demais empresas parceiras;

– SALA ABIH-SC: Utilização da sala de reuniões;

– SESI FARMÁCIA: Desconto em produtos e/ou serviços na rede credenciada;

– KOMBO: Desconto de 25% dos serviços/produtos, fornecimento on line para a área de gestão de pessoas; 

– TRIO CARD: Cartão magnético, sistema de administração e gestão de benefícios para os afiliados e em rede de estabelecimentos comerciais e de serviços;

  • CARTÃO TRIO MAIS engloba a gestão integrada e completa, possibilitando comprar em farmácias, óticas, papelarias, lojas e clínicas médicas e odontológicas com vantagem de desconto em folha de pagamento.

 – SICREDI: Linha de Crédito para Antecipação de Cartões com diferenciadas;

  • Convênio de crédito investimento empresarial parcelados em até 60 meses a partir de 0,54% + CDI ;
  • Convênio de pagamento a fornecedores: TED a R$2,37
  • Cartão de Crédito Empresarial;
  • Taxas diferenciadas para aquisição de máquina de cartão Sicredi (principais bandeiras aceitas).

Para mais informações, entre em contato através do e-mail abih@abih-sc.com.br ou pelo telefone 48 3222-8492.

Nova sala de eventos sociais do Faial Prime Suites

 

O hotel associado a ABIH-SC, Faial Prime Suites não para de inovar, no início do mês de novembro foi inaugurado o mais no novo espaço de eventos do hotel.

Voltado para eventos corporativos e sociais, com vista privilegiada para a Baía Sul. Espaço ideal para casamentos, jantares sociais, formaturas, cerimônias, eventos corporativos, coquetéis, entre outros. Muito requintado, possui mezanino com escadaria de mármore e guarda-corpo em blindex, foyer, 4 elevadores, lustres de cristais e toda uma estrutura gastronômica independente, exclusiva para atender o espaço. Possui capacidade para até 170 pessoas em auditório no primeiro piso e no mezanino mais 80 pessoas.

Segundo o Gerente Comercial do Hotel, Luciano Vieira, “este espaço foi criado para atender a demanda crescente de eventos sociais que careciam de um local sofisticado na região. E com uma vista de encher os olhos”.

Faial Prime Suites conquista o Top de Marketing e Vendas ADVB/SC 2018

 

 

A Associação Brasileira da Indústria de Hotéis de Santa Catarina – ABIH-SC, parabeniza nosso associado, Hotel Faial Prime Suites pela premiação na categoria “serviços” oferecido pelo Top de Marketing e Vendas ADVB/SC 2018.

Com a narrativa de sua história de superação, o Faial Prime Suites, de Florianópolis, recebeu o Top de Marketing e Vendas ADVB/SC 2018, o mais importante prêmio do mercado em Santa Catarina.

Fundado em 1979, em local privilegiado do centro da capital catarinense, o Faial foi a primeira referência de hotelaria contemporânea naquela cidade. Mas contaminado pelas dívidas, quase faliu e viu sua situação agravada pelo envelhecimento de sua estrutura.

Adriano Palma Silva, filho do proprietário, assumiu a direção do hotel com apenas 24 anos e liderou uma equipe que conseguiu recolocar o Faial entre os melhores hotéis da cidade – tanto na qualidade das instalações e dos serviços, quanto na ocupação média e na avaliação dos hóspedes, sejam turistas ou corporativos.

Além de uma gestão financeira e administrativa enxuta e de cuidados milimétricos, investiu em uma política de vendas e marketing arrojada e inovadora. “A hotelaria moderna está representada no modelo atual do Faial, agregando um conceito dinâmico e moderno, mas recebendo as pessoas de uma maneira que gera o sentimento de estar em casa”, definiu Rogério Siqueira, CEO do Beto Carrero World. “A história de Adriano é fantástica! Só quem gosta muito do que faz tem essa capacidade de ‘dar a volta por cima’. É uma história para ouvir e se inspirar, todos os dias”, resumiu Topázio Silveira, proprietário da Flex Relacionamentos Inteligentes, grande empresa de marketing direto.

Promovido pela Associação dos Dirigentes de Marketing e Vendas de Santa Catarina (ADVB/SC), o Top só reconhece 18 empresas ou instituições, em seis categorias. A cerimônia de premiação será no dia 28 de novembro.

Floripa Airport anuncia mudanças na via da entrada do aeroporto de Florianópolis

Concessionária afirmou que as alterações, que valem a partir desta quarta-feira (13), têm como objetivo acabar com problemas comuns como carros parados em faixa dupla e estacionamento irregular.

A nova organização da via na entrada do terminal de passageiros do aeroporto de Florianópolis será implementada nesta quarta-feira (13) pela Floripa Airport. A rua foi revitalizada, com faixas mais largas, há novas áreas para embarque e desembarque e placas e pinturas no chão delimitando as vagas de parceiros e órgãos públicos.

A partir de quarta-feira, haverá duas faixas nas extremidades da via, pintadas de vermelho, para deslocamento de pedestres. Outra novidade é referente aos aplicativos de transporte, que passam a ter uma área específica para estacionar na entrada do terminal.

Segue sendo permitido parar apenas para embarque e desembarque. Para estacionar, o visitante deverá usar o estacionamento do Aeroporto, cujo tempo de tolerância é de dez minutos.

Segundo a Floripa Airport, a mudança na organização do meio-fio tem como objetivo “acabar com problemas comuns na via em frente ao terminal, como carros parados em faixa dupla e estacionamento irregular”. A concessionária informou também que terá orientadores de trânsito para ajudar os motoristas quando começar a valer a nova organização.

Confira as principais mudanças:

  • Uma faixa maior e mais larga para o fluxo de veículos;
  • Táxi, ônibus e vans de turismo, locadoras de veículos, polícias, veículos de transporte de valores e aplicativo de transporte têm vagas identificadas com placas;
  • Uma área de espera no entorno do terminal será reservada para veículos de turismo e aplicativos de transportes;
  • Duas faixas vermelhas para deslocamento de pedestres;
  • Amplo espaço delimitado para embarque e desembarque.

Fonte: Noticias do dia

Presidente da Câmara Brasileira de Comércio e Turismo LGBT, Ricardo Gomes, ministro Vinicius Lummertz e presidente da Embratur, Teté Bezerra

Acordo promove turismo LGBT no Brasil

Presidente da Câmara Brasileira de Comércio e Turismo LGBT, Ricardo Gomes, ministro Vinicius Lummertz e presidente da Embratur, Teté Bezerra

Presidente da Câmara Brasileira de Comércio e Turismo LGBT, Ricardo Gomes, ministro Vinicius Lummertz e presidente da Embratur, Teté Bezerra

 

Convênio firmado entre Mtur, Embratur e Câmara do Comércio e Turismo LGBT busca desenvolver o país para receber mais turistas deste segmento

 

Um acordo para promover e desenvolver o turismo gay-friendly foi assinado entre a Câmara de Comércio e Turismo LGBT do Brasil, o Ministério do Turismo e a Embratur (Instituto Brasileiro de Turismo), nesta segunda-feira (21), em São Paulo. Uma das principais metas é desenvolver, conjuntamente, pesquisas e diagnósticos para compreender da melhor maneira o segmento, bem como detectar as oportunidades para capacitação do trade para a divulgação do País como destino turístico, de lazer e negócios para este público.

“A assinatura de um acordo como este de hoje reforça a importância deste turista para a economia nacional, bem como impacta positivamente na representatividade para esta comunidade”, afirma a presidente da Embratur, Teté Bezerra. “O Brasil é um País representado por sua diversidade. Devemos apoiar e criar condições para que isto também aconteça no turismo”, completa a presidente.

A Embratur será responsável por apoiar a participação dos associados da Câmara de Comércio e Turismo LGBT do Brasil em ações de promoção e comercialização do segmento nos mercados internacionais, divulgar estudos e pesquisas, e disponibilizar dados e informações para que os agentes de turismo nacionais e internacionais, bem como os estabelecimentos brasileiros a se adequarem às tendências internacionais para este segmento.

No evento, participaram o ministro do Turismo, Vinicius Lummertz; a secretária Municipal de Direitos Humanos de São Paulo, Eloísa de Sousa Arruda; Márcio Fernando Elias Rosa, secretário de Estado da Justiça e Defesa do Estado de São Paulo, e os representantes da Câmara Brasileira de Comércio e Turismo LGBT: o presidente Ricardo Gomes e o vice-presidente, Marcelo Michieletto.

Segundo o ministro do Turismo, Vinicius Lummertz, para avançar na relação LGBT com o comércio e os negócios do setor, é preciso primeiro aprimorar as ideias que constroem o país.

“O Brasil é uma nação muito conservadora, ainda que diversa, mas o turismo faz muitas coisas acontecerem. Ele aproxima, cria canais, faz as pessoas viajarem, se comunicarem, se entenderem, apesar dos idiomas distintos. O turismo é uma forma de ‘respirar’, de ‘oxigenar’ o Brasil”. Além de tudo, gera muitos empregos e, portanto, é um avanço junto com outros países”, ressaltou.

Ricardo Gomes, presidente da Câmara de Comércio e Turismo LGBT do Brasil, comentou no evento que “juntos, fazemos uma campanha em prol da empregabilidade, do fomento dos negócios, da busca de uma sociedade onde todos são respeitados”.

 

Fonte: Embratur

Leia também: Grupo Diretiva, Expositor no Encatho & Exprotel 2018

Ministério Público cobra Estudo de Impacto Ambiental. (Foto: Projeto Baleia Franca / Divulgação)

Turismo embarcado para observação de baleias será analisado pelo STJ

Ministério Público cobra Estudo de Impacto Ambiental. (Foto: Projeto Baleia Franca / Divulgação)

Ministério Público cobra Estudo de Impacto Ambiental. (Foto: Projeto Baleia Franca / Divulgação)

 

Finda a temporada de verão e as atenções do setor turístico no litoral catarinense voltam-se para o turismo de observação de baleias em Garopaba, Imbituba e Laguna. Na terça-feira (17), a 2ª turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) deve apreciar um recurso especial do Ministério Público Federal (MPF), que pede esclarecimento a respeito de suposta contradição no entendimento de segunda instância. Para os procuradores federais, a decisão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) não deixa clara a obrigatoriedade de um estudo de impacto ambiental para que a atividade volte a ser exercida no Sul de Santa Catarina.

O entendimento da relatora Assusete Magalhães, no entanto, é de manter a decisão do TRF-4 sem alterações, no que deverá ser seguida pelos demais membros da turma. Decisão mantida, tudo indica que a pesquisa iniciada pela Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) em 2017 provavelmente deve ser retomada em junho deste ano para avaliar o impacto sonoro das embarcações na vida dos animais. Porém, mais importante que a investigação, no entendimento da Justiça, são o plano de manejo da Área de Proteção Ambiental da Baleia Franca (APABF) e a portaria que estabelece regras para o transporte de turistas próximo aos mamíferos do mar. Com relação a esse último, o chefe da APABF, Cecil Barros, esclarece em entrevista concedida a Rede de Notícias NSC que o texto foi finalizado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) em dezembro.

“Editamos a portaria a partir de diálogo com o conselho da APA e manifestações das operadoras interessadas sobre as adequações necessárias sem comprometer a segurança operacional. Agora, o jurídico do ICMBio em Brasília avalia a última versão. Está em fases finais e a publicação deve acontecer nos próximos dias”, projeta.

Após essa etapa, o plano de manejo que está sendo elaborado pelo base do instituto em Santa Catarina também deve ser finalizado, conforme Barros. O responsável pela região acredita que esse segundo documento será validado entre o final deste ano e o início de 2019. O que não impediria, segundo a sua análise, a ocorrência do turismo embarcado de observação de baleias-franca no Estado ainda em 2018.

“Se a portaria for publicada ainda neste mês, existe a possibilidade de acontecer neste ano’, aponta Barros.

A proposta da portaria ainda se encontra em análise jurídica pela Procuradoria Federal Especializada do ICMBio, que não informou possível data de publicação.

Entenda o caso

A observação de baleias-franca a partir de embarcações com ou sem motor foi proibida pela Justiça em maio de 2013, devido à ausência de regulação. Em setembro de 2016, o TRF4 entendeu que o ICMBio poderia gerir o turismo embarcado, desde que publicasse a portaria, o plano de manejo e o estudo de impacto ambiental. No ano passado, a prática não aconteceu no litoral catarinense porque o instituto não finalizou esses pré-requisitos a tempo. Empresários e autoridades locais lutam para que esta modalidade de turismo – única no Sul do Brasil – seja retomada o mais breve possível em função de sua importância para a geração de empregos na região.  Uma ONG estrangeira – Sea Shepherd-, contrária à forma como a atividade vinha sendo explorada, judicializou a questão.

 

Fonte: Revista TradeTur