Município da Grande Florianópolis tem a segunda melhor água termal do mundo

Município da Grande Florianópolis tem a segunda melhor água termal do mundo

De acordo com um estudo realizado por médicos da cidade alemã Baden-Baden, as águas termais de Santo Amaro da Imperatriz, cidade da Grande Florianópolis com pouco mais de cinco mil habitantes, é considerada a segunda melhor do mundo, perdendo apenas para a localidade de Vichy, na França.

Como sai direto da fonte e recebe a influência de rochas, camadas subterrâneas e minerais diversos, a água brota da terra a uma temperatura de 39,8°C com um grande número de elementos químicos em sua composição como bicarbonatos, cloretos, brometos, sódio, cálcio e sulfato.

A temperatura alta e a radioatividade garantem bem-estar e benefícios à saúde. Especialistas garantem que estas fontes operam verdadeiros milagres para doenças de ossos, estresse e depressão. Em uma praça, de frente para o hotel, um fontanário é aberto para a população. Lá, as pessoas chegam a toda a hora para encher garrafas da água preciosa sem nenhum custo.

O limite é de 100 litros por família. Perto dali, há um parquinho para as crianças, toboáguas, churrasqueiras, mesas e bancos, tudo, rodeado por uma corrente de água (não termal) que servem como espaço público de lazer.

 

Fonte: Destino Florianópolis

Apresentação do Novo Cadastur e da Implementação da Fiscalização

Apresentação do Novo Cadastur e da Implementação da Fiscalização

 

Apresentação do Novo Cadastur e da Implementação da Fiscalização

Apresentação do Novo Cadastur e da Implementação da Fiscalização

A Secretaria de Estado de Turismo, Cultura e Esporte convida para evento do Ministério do Turismo em que será abordado a “Apresentação do Novo Cadastur e da Implementação da Fiscalização”.

A apresentação será feita por representante do Ministério do Turismo no dia 03/04/2018 (terça-feira), às 15h, e terá a seguinte pauta:

1) Apresentação do Novo Cadastur e esclarecimento de eventuais perguntas/dúvidas;

2) Anúncio da implantação da fiscalização e o esforço da Operação Verão Legal que está percorrendo todas as capitais e fiscalizando os meios de hospedagem irregulares;

3) Apresentação do material promocional dos deveres de cada tipo de prestador de cadastro obrigatório;

4) Solicitação de apoio das entidades em sensibilizar o trade, pois essa ação é o início de um grande trabalho do MTur contra a informalidade do setor.

Mais informações e confirmações de presença através do e-mail cadastursc@sol.sc.gov.br ou pelos telefones (48) 3665-7422/ 7493.  

 

Leia também

Convite para reunião de lançamento da 60º CONOTEL e EQUIPOTEL.

Presidente da ABIH Nacional em Florianópolis

Convite para reunião de lançamento da 60º CONOTEL e EQUIPOTEL.

Em abril, o Presidente da ABIH Nacional, Manoel Linhares, estará em Florianópolis para divulgar o 60º Congresso Nacional de Hotéis CONOTEL e EQUIPOTEL.

A ABIH-SC está organizando uma recepção que reunirá associados, empresários, autoridades e imprensa para apresentar e lançar um dos mais importantes eventos do setor de hotelaria brasileira que, este ano, acontece em Fortaleza, nos dias 16 a 18 de maio, no Centro de Eventos do Ceará.

A recepção ao presidente da ABIH Nacional acontecerá no dia 13 de abril (sexta-feira), às 15h, no CentroSul – Centro de Convenções de Florianópolis. No mesmo espaço, acontece de 24 a 26 de Julho, o ENCATHO & EXPROTEL, o maior encontro da hotelaria no Sul do país.

ABIH Nacional é a mais antiga entidade do setor de turismo do país com 81 anos de atuação, a edição de Fortaleza tem a intenção de reunir mais de quatro mil pessoas e promover um intercâmbio entre os setores ligados ao turismo brasileiro. A ABIH-SC conta com sua participação. Para confirmar presença, favor enviar e-mail para abih@abih-sc.com.br ou (48) 3222-8492

 

Leia também

Cruzeiro MSC Preziosa em Florianópolis

Florianópolis está mais próxima de entrar na rota dos cruzeiros

No último sábado, dia 24 de março, a capital catarinense recebeu o transatlântico MSC Preziosa da MSC Cruzeiros, que comporta 4.300 passageiros mais 1.300 tripulantes, para uma escala teste próxima ao Trapiche de Canasvieiras. Desde o ano passado, o prefeito Gean Loureiro vinha pleiteando em Brasília esse avanço para o turismo da capital catarinense, aguardado há anos pelo trade. A operação foi marcada pela tradicional cerimônia de troca de placas, que acontece sempre que um transatlântico atraca em um destino pela primeira vez.

A solenidade

Na solenidade, estiveram presentes o diretor geral da armadora, Adrian Ursilli, o governador do Estado de Santa Catarina, Eduardo Pinho Moreira, o deputado estadual, Luiz Fernando Cardoso “Vampiro”, o prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro, o presidente da Embratur, Vinicius Lummertz, o diretor da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (ANTAQ), Francisval Dias Mendes, além do Capitão de Mar e Guerra da Capitania dos Portos, Emerson Gaio Roberto, dentre outros convidados.

“Esse é um momento histórico, marcante e repleto de expectativas. A escala teste é o primeiro passo para tornar realidade um desejo forte da sociedade e contou com o envolvimento de todos os setores, empresarial e público. Estamos mais próximos de possibilitar a chegada de visitantes pelo mar, o que significa mais investimento em nossa Ilha da Magia e uma economia mais fortalecida”, salienta Gean Loureiro.

MSC Cruzeiros nas próximas temporadas

Com a finalização desta operação e, após a análise da armadora e das autoridades competentes, o destino poderá se tornar mais uma escala oficial e inédita da MSC Cruzeiros nas próximas temporadas. “A escala teste na capital de Santa Catarina é um momento extremamente importante para nós. Estamos muito felizes e entusiasmados por sermos pioneiros em mais uma iniciativa nacional. Para a próxima temporada, confirmamos Itajaí (SC) como mais um porto de embarque e estamos bastante confiantes de que Florianópolis será a nossa próxima novidade”, destaca Adrian Ursilli, diretor geral da MSC Cruzeiros.

Santa Catarina

“Só neste verão, Santa Catarina recebeu 2,5 milhões de turistas, movimentando a economia, gerando trabalho e renda para os catarinenses. A escala teste de um cruzeiro na capital do Estado representa uma nova oportunidade para o setor, atendendo aos anseios dos visitantes de Florianópolis, que encontram aqui lazer e um povo hospitaleiro, além de todas as belezas naturais da cidade”, afirma o governador do Estado de Santa Catarina, Eduardo Pinho Moreira.

 

Leia também

 

Fonte: Prefeitura de Florianópolis

Presidente da EMBRATUR Vinicius Lummertz

Presidente da Embratur Comemora Avanço no Congresso Nacional

Vinicius Lummertz comenta a aprovação do pedido de urgência de projeto que transforma o instituto em agência

Na noite de terça-feira (20/02/2018), o turismo brasileiro deu um importante passo no caminho da modernização e aumento da competitividade como destino turístico internacional. Foi aprovado pelo Plenário da Câmara dos Deputados o pedido de regime de urgência ao PL 2724/2015, que transforma a Embratur (Instituto Brasileiro de Turismo) em serviço social autônomo, nos moldes da Apex e Sebrae, que permite a ampliação da participação de capital estrangeiro nas companhias aéreas e também moderniza a Lei Geral de Turismo.

A economia do instante na hotelaria

A economia do instante na hotelaria

O Google prova cada vez mais que as pessoas estão pesquisando informações, produtos e serviços com a expectativa de que o resultado atenda suas necessidades de momento. E para ilustrar este comportamento o gigante das buscas inventou o termo micro-momento.

Segundo o Google a definição de micro-momento se dá por: minúsculos momentos de intenção de tomada de decisão e formação de preferências que ocorrem durante a jornada do consumidor.

Teoria a parte, esta expressão representa a nova era de consumo de produtos e serviços (incluindo hotéis!), a Era da Economia do Instante. Trazendo isso para o nosso setor hoteleiro, você sabia que as buscas no Google relacionadas a viagens e hotéis que incluem os termos “hoje a noite” ou “hoje” aumentaram 150%? E você já deve ter notado no departamento comercial do seu hotel que a antecedência das reservas vem caindo ano após ano.

Isso muda muito todo o planejamento comercial de um hotel. Significa que precisamos pensar em como estar disponível a qualquer hora para que nossos potenciais clientes que estão procurando no celular por informações, dúvidas e fatores de confiança, nos encontrem rápido e acima de tudo, tenham tudo com acesso imediato.

Aqui e agora

Nós, consumidores estamos imponderados pelo poder do celular. Somos impacientes, impulsivos e esperamos uma gratificação instantânea. Nossos smartphones nos permitem ter acesso a tudo, muito rápido. Se não gostei de algo em um site, não achei uma informação, nem perco meu tempo, vou para outro e sigo em frente.

As melhorias que proporcionam experiências móveis rápidas com segurança estão criando nos usuários uma alta expectativa. Todo mundo quer tudo na hora! Caso contrário..

conversão na hotelaria
Isso significa que 2 segundos a mais de espera é o suficiente para um consumidor que está no site do seu hotel, saia, abra o WhatsApp, o Facebook, mude de site e se perca online com outros assuntos. Segundo o Google, esse comportamento demonstra algumas mudanças importantes nas buscas. Por exemplo, em vez de procurar horário comercial, simplesmente queremos saber o que está “aberto agora”.

Na hotelaria por exemplo, principalmente o viajante lazer cada vez mais está tirando as últimas dúvidas, escolhendo o hotel e fazendo suas reservas no período noturno, quando a família está reunida em casa depois do trabalho e do colégio dos filhos. O problema é que neste horário os departamentos comerciais dos hotéis estão fechados. Os chats do site do hotel estão off-line, disponíveis só para receber mensagens, que teoricamente serão respondidas só no outro dia.

E como afirma o Google, o consumidor de hoje não quer mais esperar 8 horas ou até 2 dias para receber uma resposta por email. Ele quer sua dúvida solucionada na hora, senão perde o calor do momento, o calor da compra, e esse “deixa pra depois” custa caro para muitos hotéis. Isso porque depois, é fácil se perder online e acabar no site de um concorrente. Ou mesmo que o cliente queira muito reservar no seu hotel, quando voltar pesquisando o site do seu hotel no Google é fácil cair na Booking.com e acabar finalizando a reserva por lá, com altas comissões.

Esses dias, durante uma visita a um hotel, conversando sobre diversos assuntos com a gerente comercial, ela entrou no site de um hotel, e chamou a atenção dela uma ferramenta de chat que tinha na página, um chat comum, e ela resolveu testar. Preencheu nome, email para começar a conversa e deu um “Oi”, isso era 10:30h da manhã. Se passaram 15 segundos, ninguém respondeu e a gerente já ficou totalmente desapontada com a “ferramenta”, continuamos a reunião, se passaram mais 5 minutos e a resposta do chat que se dizia online não veio.

E você quanto tempo esperaria por uma resposta? A verdade é que o atendimento hoje tem que ser instantâneo, você odeia esperar mais de 1 minuto ouvindo músicas numa central telefônica, você não quer esperar 1 dia por email, você detesta perder tempo em filas, afinal nosso dia-dia é muito corrido, e as pessoas cada vez mais valorizam seu próprio tempo.

Com as decisões de compra cada vez mais tomadas na hora, a lealdade às marcas diminui. As pessoas escolhem o que pode mais convenientemente atender e responder às suas necessidades imediatas. Em geral, os consumidores hoje estão mostrando tendências para fazer menos planejamento a longo prazo e mais decisões de última hora – facilitadas pela pesquisa móvel.

Como adaptar seu hotel a esta nova realidade

Os smartphones oferecem aos consumidores um novo nível de confiança. Podemos encontrar o que queremos quando queremos. Nossos polegares ágeis podem descobrir experiências de entretenimento, refeições e viagens no último minuto.

O Google afirma que a cada segundo a mais de demora no tempo de carregamento do site móvel, as conversões caem 12%. A demora na resposta mata a experiência online do usuário no site do hotel. Você já deve ter lido sobre o impacto dos chatbots no setor hoteleiro. De fato, a automação do atendimento online já é uma realidade na hotelaria. Sistemas de com inteligência artificial com a capacidade de responder as dúvidas dos potenciais hóspedes 24h por dia, 7 dias por semana de uma forma profissional, sem erros de português, mensurável, econômica, e extremamente interativa.

Hoje, o atendimento instantâneo está cada vez mais sendo uma expectativa mínima dos consumidores. A impaciência de esperar é clara em todos nós! Não é à toa que a consultoria americana Gartner prevê que até 2020, 85% das interações entre empresas e clientes terá o intermédio de algum sistema de inteligência artificial.

Muitos potenciais clientes irão buscá-lo a qualquer hora, em qualquer dispositivo apenas quando sua necessidade de reserva for imediata. Ou esteja lá, preparado para atendê-lo ou perca para a concorrência. Esse é o mundo em que nos encontramos HOJE!

Cada vez mais, as reservas são ganhas – ou perdidas – em um segundo.

Seja bem-vindo, hoteleiro, à economia do instante!

15 Motivos para seu Hotel ter atendimento via chat

De acordo com informações da ANATEL, o Brasil fechou 2017 com um total de 40,8 milhões de linhas de telefonia fixa em operação, uma redução de 2,96% e menos 1,2 milhão de clientes em relação ao registrado no final de 2016. Isso que de 2015 para 2016 também já houve uma queda de mais de 2%. O fato é que o celular está eliminando a necessidade do telefone fixo, o que exige mudanças nas políticas de atendimento dos hotéis.

E não é porque as pessoas no Brasil estão cancelando as linhas de telefonia fixa, que elas não gostam de saber se o hotel aceita pet, se tem desconto para pagamento à vista, entre outras várias questões que variam de pessoa para pessoa na hora da decisão.

As perguntas pouco mudaram, mas de fato o que está mudando é a forma de perguntar. Aplicativos como WhatsApp nos fornecem a oportunidade de contatar uma empresa ou hotel sem nenhum custo, que normalmente temos em uma ligação longa distância para contatar um hotel. E com a facilidade de não perder tempo pesquisando por nada, o que eu pergunto, sou respondido diretamente.

A verdade é que o consumidor de hoje digita muito mais do que fala! A interação entre pessoas e empresas está cada vez mais passando por mensagens escritas!

Pergunte a sua filha, por onde ela contata as lojas para saber o preço das roupas. Muito provavelmente ela vai dizer que é pelas mensagens do Instagram.

Então resolvemos listar 15 razões para seu hotel se adaptar a era das mensagens, e passar a estar disponível por chat, e sistemas de mensagens.

1. Conveniência

Você já parou para pensar qual é o site mais amado e acessado do mundo? É o Google certo? Agora por quê um site que tem uma tela toda branca e apenas um campo de pesquisa fez tanto sucesso?
Porque as pessoas não querem perder tempo pesquisando dentro de um site por uma determinada informação. No Google você digita o que você quer e ele te entrega o resultado em 1 segundo, com alta precisão. É quase um chat para tirar dúvidas sobre qualquer site do mundo! E esta conveniência faz toda diferença.
Agora pense no site do hotel cheio de páginas diferentes, cheio de informações cada qual em um lugar, é muito mais conveniente ao usuário abrir o chat, perguntar e saber exatamente o que ele quer na hora.

2. Engajamento pessoal

Outra ótima razão para usar bate-papo ao vivo é porque é possível trabalhar uma interação mais personalizada com o viajante. É a mesma experiência de enviar mensagens de texto a um amigo. Este envolvimento de um potencial hóspede nesse diálogo mais casual e pessoal cria um certo laço entre as duas partes e fica mais fácil convencê-lo a fazer aquilo que interessa ao seu hotel (reserva direta!).

3. Aproveite o calor da reserva na hora

Muitas vezes uma única dúvida é suficiente para não fazer a reserva naquele momento, e esse fato de deixar para depois custa muito caro! Porque depois o viajante digita o nome do seu hotel no Google, e aparece lá o anúncio do TripAdvisor, da Booking.com e é muito fácil o usuário acabar reservando em canais de terceiros, ou mesmo no site de um concorrente.

4. Valorize cada visita ao seu site

Você sabe o custo para atrair cada visita do seu site? Uma conta rápida é pegar todo seu orçamento de marketing (que teve como objetivo levar visitas ao site) e dividir pelo número total de visitas únicas mensais.
Com esse cálculo você vai ver que custa caro cada visita, e vai passar a valorizar mais cada pessoa que acessa o site do hotel. Precisamos entender que muito mais importante que atrair visitas é convertê-las. Um chat bem planejado envolve o potencial hóspede, usa técnicas de senso de urgência para evitar que perca o calor da compra na hora, e garanta a reserva naquela visita.

5. Resolve as objeções

Como qualquer situação de compra seja de produto ou serviço, nós consumidores criamos requisitos e objeções para fechar negócio.

Por exemplo, se quero comprar um carro, meus requisitos podem ser: tem que ser econômico com combustível, custar até o valor X, tem que ser automático, e não pode ter mais de 20.000 Km se for usado.

Na hotelaria é a mesma coisa! Imagine a situação. João precisa viajar para um evento em São Paulo e precisa de um hotel na cidade. Seus requisitos são os seguintes (já por ordem de relevância):

1. O hotel tem que ser próximo do evento;
2. O valor da diária tem que ser no máximo R$ 250,00;
3. Precisa de restaurante no hotel ou ao lado para jantar a noite sem precisar deslocamento, nem taxi ou Uber.

João acessou a Booking.com, e encontrou 3 hotéis com os 2 primeiros requisitos atendidos, proximidade com evento, e valor. Depois acessou o site dos 3 hotéis para saber se tem restaurante no hotel, ou próximo, e não achou esta informação em 2 deles, mas no terceiro site, tinha um chat online que informou na hora que tem restaurante logo ao lado.

O próprio atendente sugeriu ao João que reservasse direto pelo site do hotel que tem uma tarifa diferenciada. João adorou a solução imediata e já garantiu a reserva na hora! No outro dia de manhã, João recebeu uma resposta ao email que tinha enviado ao primeiro hotel, dizendo que tinha restaurante dentro do hotel, mas este hotel demorou a responder, e perdeu o João como cliente. Alguma semelhança com seu departamento de reservas?

6. Um chat pode cortar despesas

Eficiência é outro motivo para usar um chat ao vivo. Há resorts que contam com mais de 5 pessoas só para atendimento por telefone e email. Um chatbot bem programado pode sem dúvidas reduzir o número de pessoas necessárias para o atendimento do hotel.

Além disso, em períodos de alta demanda é comum formar filas de atendimento em todos os canais, o telefone passa a ficar ocupado, o email demora mais de 10 horas para ser respondido, etc. Uma pessoa em um chat ao vivo consegue lidar com até 3 clientes simultaneamente, enquanto em um telefonema só é possível 1 de cada vez. Por sua vez um chatbot já consegue atender infinitos clientes ao mesmo tempo, sem fila de espera, e em canais de atendimento diferentes.

7. Ele responde principalmente sobre valor de tarifas

Segundo dados dos chatbots hoteleiros da Asksuite, cerca de 35% das perguntas em chats de hotéis são para saber o valor da diária para determinado período, mesmo com sistemas de reservas online no site, as pessoas gostam de perguntar sobre preço, e isso tem uma razão. Se o preço se enquadrar dentro da expectativa do cliente, ele continua a conversa para saber imediatamente sobre outras questões que são importantes para sua decisão, como estrutura, forma de pagamento, entre outros. Então tenha em mente que os chats atendem diretamente a necessidade de quem quer reservar.

8. Diminui a necessidade de comparar com os concorrentes

Ter um chat pronto para iniciar uma conversa ou para responder pessoalmente a qualquer preocupação que um usuário tenha ajudará a mantê-los em um caminho retilíneo até o processo de tomada de decisão. As dúvidas prontamente atendidas poderão convencer e acabar com a necessidade do viajante de fazer comparações com seus concorrentes, uma vez que todos os requisitos de escolha já são atendidos imediatamente pelo seu hotel. Afinal, se tudo que você precisa está ali, para que continuar gastando tempo com pesquisa?

9. Destruir barreiras linguísticas

O chat ao vivo é ótimo para viajantes estrangeiros que não dominam o português. Principalmente os latinos adoram receber atenção e conversar muito e este tipo de atendimento quando suporta espanhol e inglês certamente vai aumentar a conversão do público estrangeiro na página. Hoje a Booking.com é a maior empresa de tradução do mundo, e tiveram como grande mérito internacionalizar as vendas dos hotéis. Está na hora da hotelaria atender também em multi-idioma. O chatbot hoteleiro da Asksuite já atende automaticamente nos 3 idiomas, como alternativa a ter um funcionário fluente nessas línguas.

10. Os números não mentem

Um estudo americano apontou que 38% dos clientes que compraram produtos de sites de comércio eletrônico que utilizam bate-papo ao vivo fizeram isso por causa da informação adicional na hora da dúvida, ou pela confiança que ganharam durante a interação para tomar sua decisão de compra. E 56% dos consumidores já preferem utilizar um aplicativo de mensagem para contatar uma empresa.

11. Atendimento via Facebook

O Facebook tem feito um grande esforço global para fixar o Messenger como um canal de comunicação relevante para pessoas e empresas. Hoje a página de um hotel no Facebook tem 2 indicadores principais de qualidade: o número de estrelas/reviews, e a velocidade de resposta às mensagens enviadas. Um hotel que tem 5 estrelas e atende imediatamente certamente vai impressionar um visitante da página e motivá-lo a fazer contato.

Por outro lado, como a maioria dos hotéis está hoje: responde dentro de algumas horas ou dentro de um dia, certamente desmotiva um potencial cliente a utilizar este canal de contato. Hoje tem que responder na hora, depois é reserva perdida. Por isso é importante fazer o máximo esforço para manter este indicador de velocidade de resposta o mais rápido possível.

Mas claro, a única forma ter o status: “responde imediatamente” é através de um chatbot, pois ele consegue responder instantaneamente 24h por dia.

12. Brasileiros apreciam um bom atendimento

Nós somos um povo extremamente caloroso. Gostamos do calor humano, de atenção especial e apreciamos muito um bom atendimento. Quantas vezes deixamos de comprar em um local ao invés de outro porque o vendedor foi mais atencioso. Temos que lembrar que na hotelaria a decisão de escolha de um hotel sempre fica entre 3 opções com preços e reviews muito similares. O atendimento rápido e eficaz muitas vezes é a diferença entre reservar em um ou em outro hotel.

13. Tempo é dinheiro

O tempo é o seu bem mais valioso! Falta tempo para o trabalho, para a família e para diversão, não é? Por isso odiamos ficar parados no trânsito, passar horas em filas de supermercado, esperar 5 minutos para ser atendido em um call center, e por aí vai.

Por isso, gosto de dizer que as empresas que mais encantam os clientes são aquelas capazes de disponibilizar os canais que seu cliente quer interagir, e ter eficiência e acima de tudo velocidade de resposta.

Quando um cliente precisa esperar um telefone ocupado no hotel, ou esperar até o outro dia para receber uma resposta por email, certamente seu hotel está na contra-mão da boa política de atendimento.

14. As pessoas gostam de negociar e ganhar vantagens para fechar

Quantas vezes antes de fechar uma compra de um produto ou serviço você não tentou negociar? Quantas vezes você recebeu uma ligação no seu hotel com a pessoa pedindo desconto para pagamento à vista? As pessoas gostam de negociar e sentir que ganharam alguma vantagem adicional na negociação.

O seu site estático não tem poder de negociação! Um chat fornece essa capacidade, e inclusive já há chatbot como o da Asksuite capaz de negociar com um hóspede que pedir desconto ou reclamar do valor da tarifa apresentada.

15. Aumentar as reservas diretas

Todos os hotéis sonham em reduzir sua dependência de OTAs e estão focados aumentar as vendas diretas. Hoje é muito difícil para uma empresa como a Booking ter um serviço de chat e suporte ao cliente, apesar de estarem desenvolvendo um grande projeto de chatbot para atender a dúvidas dos clientes de forma mais ágil (veja detalhes do projeto de chatbot da Booking aqui).

Mas no Brasil pela barreira da língua deve demorar para esse serviço chegar por aqui, e é uma grande vantagem para os hotéis na batalha pela venda direta. Se todos os sites de hotéis tivessem um serviço de chat instantâneo, os consumidores saberiam que sempre que tiverem uma dúvida podem acessar a página do hotel que vai ter alguém para responder na hora! E isso aumentaria muito a demanda direta.

Outro ponto é que através do chat você pode incentivar a reserva direta sempre que tiver um pedido de cotação e explanar os benefícios desta forma de reserva automaticamente.

Regulamentada a implantação da acessibilidade nos meios de hospedagem

Decreto que regulamenta o artigo 45 da Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência atendeu reivindicações da FBHA

O decreto Nº 9.296, que regulamenta a Lei Brasileira de Inclusão (LBI) da Pessoa com Deficiência e prevê acessibilidade em hotéis e pousadas, foi assinado pelo presidente Michel Temer e publicado no Diário Oficial da União da última sexta-feira (02.03). A lei, que já entrou em vigor, trata de princípios que deverão ser seguidos na construção desses locais, atualizando a legislação que era praticada desde 2004.

O texto publicado atendeu o que foi requerido pelo setor e sustentado pela Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação (FBHA) na audiência pública sobre o tema, realizada pela Casa Civil da Presidência da República em fevereiro. No decreto, há uma divisão entre as formas de implantação da acessibilidade.

Projetos a partir de 2 de janeiro de 2018(percentual de 100%):

– 5% dos dormitórios, respeitado o mínimo de um, com as características construtivas e os recursos de acessibilidade estabelecidos no Anexo I;

– 95% das ajudas técnicas e os recursos de acessibilidade constantes do Anexo II ; e

– recursos de acessibilidade constantes do Anexo III, quando solicitados na reserva, com prazo mínimo de 24 horas.

Meios de hospedagem construídos entre 30 de junho de 2004 e 2 de janeiro de 2018 (percentual de 10%):

– 5% dos dormitórios, respeitado o mínimo de um, com as características construtivas e os recursos de acessibilidade estabelecidos no Anexo I;

– 5% dos demais dormitórios, com as ajudas técnicas e os recursos de acessibilidade constantes do Anexo II ; e

– recursos de acessibilidade constantes do Anexo III, quando solicitados na reserva, com prazo mínimo de 24 horas.

Meios de hospedagem construídos até 29 de junho de 2004 (percentual de 10%), com prazo de 4 anos:

– 5% dos dormitórios, respeitado o mínimo de um, com as características construtivas e os recursos de acessibilidade estabelecidos no Anexo I;

– 5% dos demais dormitórios, com as ajudas técnicas e os recursos de acessibilidade constantes do Anexo II ; e

– recursos de acessibilidade constantes do Anexo III, quando solicitados na reserva, com prazo mínimo de 24 horas.

Nos casos dos meios de hospedagem construídos até 29 de junho de 2004, os percentuais poderão ser alterados da seguinte forma:

– Nas hipóteses em que comprovadamente o percentual de 5% dos dormitórios, previsto no anexo I, não possa ser alcançado, a adaptação razoável poderá ser utilizada;

– A adaptação razoável poderá ser empreendida por meio da redução proporcional e necessária do percentual estabelecido em 5% dos dormitórios, no anexo I, hipótese em que será majorado, na mesma proporção, o percentual de 5% dos demais dormitórios, no Anexo II;

– A redução para adaptação razoável não poderá resultar em percentual inferior a dois por cento dos 5% dos demais dormitórios, no anexo I.

Fonte: FBHA

Seguro na hotelaria e turismo

​O Cenário dos Seguros na Hotelaria

Seguro na Hotelaria por Otavio Novo 

A prática de contratação de seguros é conhecida e utilizada pela maioria das pessoas. Considerada uma das atividades econômicas mais antigas ainda em prática, a obtenção de apólices securitárias também faz parte das atividades de turismo e hospitalidade e, de modo geral, a maioria dos hotéis têm suas apólices vigentes.

Entretanto, uma pergunta importante para todos os hoteleiros é: essas apólices contratadas estão, realmente, protegendo os hotéis e suas atividades?

Com algumas exceções, normalmente, a realidade que encontramos nas operações hoteleiras são processos inadequados de cotação, definição de coberturas e contratação das apólices que, portanto, deixam de cumprir o objetivo de agregar a proteção devida aos negócios diante dos riscos variados a que estão expostos.

Desinformação

Esse contexto de desinformação, muitas vezes acompanhado do objetivo de uma economia imediata nos custos do prêmio dos seguros, constrói um cenário muito negativo para as empresas e profissionais das atividades hoteleiras.

A falta de conhecimento do tema seguros por parte de muitos hoteleiros e, ao mesmo tempo, de conhecimento das necessidades da atividade hoteleira por parte de corretores de seguros e seguradoras é regra, e com isso, as coberturas tem, em geral, uma tendência a serem mal definidas e na maioria das vezes, subestimadas.

A contratação de seguros com coberturas em desacordo aos riscos do negócio, cria diversas consequências indesejáveis: investimento num seguro com valor de indenização insuficiente, gastos indevidos diante de estimativas de riscos exageradas, riscos importantes sem cobertura em caso de sinistros, falsa sensação de proteção implicando na negligência às prevenções necessárias etc.

Tipos de Seguros na hotelaria

Vale lembrar que são diversos os tipos de seguros utilizados numa operação hoteleira. Os mais comuns são os seguros de: Responsabilidade Civil para a proteção em caso de danos causados pelo hotel e suas atividades à terceiros; Danos à Propriedade, para cobrir perdas a patrimônio inclusive, caso haja interrupção da operação; Riscos de Engenharia (por exemplo em caso de reformas); para danos causados por erros de gestores; para pagamento de sanções judiciais; para crimes cibernéticos, entre outros.

No entanto, além da definição do tipo de seguro a ser contratado, que deverá ser feita considerando as exigências legais, financeiras e o contexto de gestão de riscos da empresa, deverão ser analisadas a definição das coberturas diante dos riscos e vulnerabilidades, e, por último, os valores de cada cobertura para que, cumpram a função de gerar indenizações adequadas e o devido ressarcimento de perdas no decorrer da gestão dos negócios.

Fato é que por limitação de tempo ou de interesse, é dada pouca atenção ao tema seguros nas atividades hoteleiras.  E apesar dos gastos e contratações realizadas, as lacunas e descuidos nesse processo costumam causar surpresas desagradáveis e prejuízos para as administrações, acionistas e executivos.

Boa Notícia

A boa notícia é que, assim como em outras áreas, existem sinais de maior especialização também no tema seguros da hotelaria e turismo. Atualmente, começam a surgir profissionais da hotelaria e do setor securitário que visam o atendimento especializado aos hotéis, trazendo com isso mais equilíbrio entre a inteligência relacionada ao mundo do mercado securitário, e das atividades e necessidades específicas dos meios de hospedagem.

E isso é uma novidade. Afinal, o que normalmente existe é um abismo entre os conhecimentos do negócio que os hoteleiros possuem, e os conhecimentos das normas e soluções que as corretoras e seguradoras detém. E isso acontece, porque empresas de seguros, muitas vezes, tem os hotéis como contas menores nos seus portfólios, e, associada a pouca capacidade funcional de se aprofundar em temas específicos, acabam não tendo o foco que a hotelaria necessita.

Diante disso, se torna ainda mais importante que os gestores dos hotéis considerem o tema seguros como parte integrante da gestão de riscos do negócio. E assim, no processo de priorização dos riscos e criação dos procedimentos de prevenção e de gestão de crises, as situações de risco que não puderem ser eliminadas, sejam transferidas por intermédio da contratação de condições de seguros adequadas.

As boas e modernas práticas de gestão, estabelecem que cada gestor responsável pelos seguros do hotel revisite periodicamente o tema seguros, e providencie a análise das condições das apólices contratadas, verificando se estas possuem eficácia diante dos riscos a que suas operações estão expostas.

Mudança

Essa mudança de perspectiva é uma evolução no setor, mas que só será eficiente se realizada a seis mãos, contando com o olhar e a colaboração da gestão do hotel, da corretora de seguros e das seguradoras, interessados não apenas no relacionamento e na economia com os valores dos prêmios, mas também no compartilhamento de conhecimento para criação de soluções de gestão de riscos completas. Só assim, os bons e velhos seguros farão parte fundamental das novas tendências e exigências de proteção para esse mercado em plena e acelerada transformação.

 

Sobre Otavio Novo

Otavio Novo é profissional de Gestão de Riscos e Crises, com 17 anos de atuação em empresas líderes nos setores de serviços, educação e hospitalidade. Consultor e idealizador do projeto Novo8, mencionado pela ONU no IY TOURISM 2017.  Advogado e membro da comissão de Direito aplicado à hotelaria e turismo da OAB/SP. Durante 6 anos foi responsável pelo Departamento de Segurança e Riscos da Accor Hotels para cerca de 300 propriedades e 15 mil colaboradores em nove países da América Latina.

Em junho de 2018, Otavio Novo participa como um dos professores da segunda edição do Curso HRCM – Hotel Risks and Crisis Management (Gestão de Riscos e Crises na Hotelaria).

 

Contato

otavio@novo8.com.br

novo8.com.br

FONTE: HOTELIERNEWS

 

Petrelli é convidado para palestrar no Encatho 2018

O Diretor-presidente da ABIH-SC, Osmar José Vailatti e a Relações Públicas, Lara Perdigão, estiveram na manhã desta terça-feira(06), em reunião com o presidente executivo do Grupo RIC SC, Marcello Corrêa Petrelli. Na pauta, o convite para ser um dos palestrantes do painel O Sul é o Meu Destino, que integra a programação da 31ª edição do Encatho & Exprotel, de 24 a 26 de Julho, no CentroSul, em Florianópolis.

Durante o encontro, Petrelli citou alguns números que mostram a importância que o projeto teve no desenvolvimento econômico dos Estados e municípios. O projeto, que contempla 72 destinos no Sul, está com campanha ativa nos estados do Sudeste e da própria região, visando gerar um maior turismo interno das próprias regiões.

O empresário aceitou o convite para ser um dos palestrantes do painel que, assim como 2018, reuniu grandes nomes do turismo nacional e da região sul para debater as ações que irão proporcionar ainda mais incremento turístico para a região sul. “Me proponho a fazer parte deste importante evento e falar sobre o poder da informação de qualidade para influenciar o turismo e fortalecer econômico e socialmente nossos destinos”, afirmou Petrelli.

reunião ABIH na RIC

Em breve, mais novidades sobre os palestrantes que compõem a grade de programação da 31ª edição do Encatho & Exprotel.