Informativo abihsc

Informativo ABIH-SC 09 de abril

No informativo da ABIH-SC desta semana você vai conferir:

ABIH-SC coloca em pauta estratégias para o setor de marketing e comercial;-Sócio Colaborador – Ecoflex;-Hapvida – Plano de Saúde;-Câmara de Turismo da Fecomércio SC reúne trade para debater medidas do setor;-Fungetur alcança marca de R$ 1 bilhão já contratado em apoio ao turismo brasileiro;-Associados ABIH-SC.

Clique AQUI para conferir o informativo completo.

Reunião de alinhamento mkt abihsc

ABIH-SC coloca em pauta estratégias para o setor de marketing e comercial

Na manhã de quinta-feira (08/04) foi realizada na sede da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis de Santa Catarina – ABIH-SC, uma reunião de alinhamento para o setor de marketing e comercial da entidade. Foram traçadas estratégias para a comunicação, novos editoriais e benefícios que logo estarão disponíveis para os associados.

Também foi colocado em pauta a programação do Encatho & Exprotel que, neste ano, no Centro de Eventos Luiz Henrique da Silveira, em Canasvieiras, Florianópolis, junto com o FesturSC.

Estiveram presentes, a diretora de marketing da ABIH-SC, Silviane Schffrath, o Diretor de Operações da ABIH-SC, Marcos Hardt, Juliana Bossi Castro e Josiane Castilhos.

Você já conhece os benefícios que a ABIH-SC oferece? Clique AQUI e confira!

Turismo Ecológico e Sustentável é uma das categorias do Prêmio Fritz Müller

Turismo Ecológico e Sustentável é uma das categorias do Prêmio Fritz Müller

Projetos que promovem o turismo ecológico sustentável e a qualidade de vida das comunidades locais podem participar do 22° Prêmio Fritz Müller, promovido pelo Instituto de Meio Ambiente (IMA) com a finalidade de reconhecer empresas e organizações que desenvolvem projetos voltados à preservação ambiental. As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas até 27 de agosto – clique aqui. 

Concedido anualmente, o Prêmio Fritz Müller é o principal reconhecimento ambiental do estado de Santa Catarina. É destinado a projetos e iniciativas que resultam em benefícios para a conservação do meio ambiente. Podem participar empresas públicas e privadas, instituições, órgãos governamentais, cooperativas, ONGs, institutos e organizações que atuam em Santa Catarina, com projetos desenvolvidos no estado.

A premiação contempla 15 categorias voltadas a projetos e ações desenvolvidos nas áreas de agricultura sustentável, conservação de insumos como água e energia, controle da poluição, tratamento de efluentes, reciclagem e resíduos sólidos, educação ambiental, gestão ambiental, turismo ecológico, entre outras.

Fritz Müller

O nome do Prêmio é uma homenagem ao famoso naturalista alemão Johann Friedrich Theodor Müller, que nasceu em 1822, na Alemanha, mas viveu em Blumenau por 45 anos. Considerado um revolucionário, estudioso do meio ambiente e precursor da ecologia, Fritz Müller foi aclamado como príncipe dos observadores da natureza. 

Fonte: Santur

Câmara aprova criação de programa emergencial para setor de eventos

O plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (7) o projeto de lei que cria o Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos (Perse). O projeto prevê o parcelamento de débitos de empresas do setor de eventos com o Fisco federal, além de medidas para compensar a perda de receita em razão da pandemia de covid-19. A matéria segue para sanção presidencial.

“Como nós sabemos, foi o primeiro setor que parou no país e, sem dúvida, será o último a ser retomado, o setor mais prejudicado no país, que afeta inclusive diversos outros, como os de serviço, limpeza, segurança, som, iluminação. E nós precisamos, como legisladores, atuar para garantir a sobrevivência do setor”, afirmou a relatora, deputada Renata Abreu (Podemos-SP).

Poderão aderir ao programa empresas de hotelaria em geral; cinemas; casas de eventos; casas noturnas; casas de espetáculos e empresas que realizem ou comercializem congressos, feiras, feiras de negócios, shows, festas, festivais, simpósios ou espetáculos em geral e eventos esportivos, sociais, promocionais ou culturais, além de entidades sem fins lucrativos. A relatora incluiu no texto aprovado buffets sociais e infantis como pertencentes ao setor de eventos.

O texto prevê alíquota zero  do PIS/Pasep, da Cofins e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) por 60 meses e a extensão, até 31 de dezembro de 2021, do Programa Emergencial de Acesso a Crédito (Peac) para as empresas do setor.

A regra geral prevê desconto de até 70% sobre o valor total da dívida e até 145 meses para pagar, exceto os débitos previdenciários, para os quais a Constituição limita o parcelamento em 60 meses. Podem ser parcelados débitos com a Receita Federal e com a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional.

Para custear os benefícios dados ao setor de eventos, o projeto destina, além dos recursos orçamentários e do Tesouro Nacional alocados, 3% do dinheiro arrecadado com as loterias administradas pela Caixa Econômica Federal e com a Lotex.

Os deputados aprovaram a inclusão feita no texto pelos senadores da criação de indenização para as empresas de eventos que tiveram perda superior a 50% do faturamento entre 2019 e 2020, limitada ao valor global de R$ 2,5 bilhões. O valor a receber por empresa será definido em regulamento e calculado com base no pagamento da folha de salários entre 20 de março de 2020 e o fim da emergência decorrente da pandemia, a ser definido pelo Ministério da Saúde.

Fonte: Portal Contábil SC

Sócio Colaborador ABIHSC ECOFLEX

Sócio Colaborador – Ecoflex

A Ecoflex sabe o quanto é importante oferecer conforto, qualidade e boas noites de sonhos para os seus hóspedes, por isso, criou uma promoção incrível.

Fique por 60 dias com os nossos Colchões, sem custo algum, e deixe que seus hóspedes deitem e rolem na nossa qualidade. Entrem agora em contato conosco para saber mais.

Não custa nada seu hotel participar! Linha de Colchões Ecoflex.

Mais uma estrela para o seu hotel.

Alcirene – 47 99105-5594

Fungetur alcança marca

Fungetur alcança marca de R$ 1 bilhão já contratado em apoio ao turismo brasileiro

Ministério do Turismo atingiu a marca de R$ 1 bilhão já contratado em apoio ao setor do turismo brasileiro. O resultado é fruto de um esforço permanente da Pasta para garantir que o dinheiro chegue de forma ágil e facilitada a quem mais precisa. Os recursos permitiram desde a capitalização de empresas com suporte ao seu funcionamento até a realização de obras de infraestrutura turística. Dessa forma, o acesso ao crédito por meio do Fundo Geral do Turismo (Fungetur) por empreendedores do setor garantiu a preservação ou geração de pelo menos 51,3 mil empregos diretos.

O Fungetur é uma linha de financiamento com recursos do MTur destinada, preferencialmente, aos segmentos de micro, pequenas e médias empresas. Os valores contratados junto a instituições financeiras credenciadas a operar o fundo passou de R$ 68,6 milhões, em 2018, para R$ 769,3 milhões, em 2020 – um crescimento é de 1.021%. Já no primeiro trimestre deste ano, foram negociados quase R$ 50 milhões.

Ao todo, nos últimos três anos, foram realizadas 3.825 operações financeiras. Neste período, a maior parte dos recursos (70%) foi destinada a operações de capital de giro. Na sequência, aparecem as operações para realização de obras (14%), aquisição de bens (11%), obra com aquisição de bens associada (4,69%) e aquisição de bens com capital de giro associado (0,08%).

Para acessar os recursos do Fungetur é necessário estar no Cadastur, que é o cadastro de pessoas físicas e jurídicas que atuam no turismo. O cadastro é rápido, gratuito e pode ser feito online, clicando AQUI. Com a situação regular no Fungetur, basta procurar uma das 29 instituições financeiras credenciadas a operarem recursos do Fundo. A análise para concessão do crédito é realizada exclusivamente pelo agente financeiro credenciado.

Para saber mais sobre como acessar os recursos, veja o Guia Fungetur.

CRÉDITO EXTRAORDINÁRIO – Diante dos impactos causados pela pandemia de Covid-19, o governo federal autorizou um crédito histórico de R$ 5 bilhões no ano passado para auxiliar empreendimentos turísticos no cenário de crise, com taxas e prazos diferenciados (Lei 14.051/2020). Ainda em 2020, a totalidade desses recursos foi disponibilizada para instituições financeiras credenciadas e estão disponíveis para serem contratadas em qualquer unidade da federação. 

Segundo o secretário nacional de Atração de Investimentos, Parcerias e Concessões do Ministério do Turismo, Lucas Fiuza, o objetivo é “minimizar os efeitos da pandemia e contribuir para a preparação do setor para a retomada das atividades turísticas no país”.

Os recursos podem ser usados tanto para capital de giro – dinheiro necessário para bancar o funcionamento de uma empresa – quanto para aquisição de bens, como máquinas e equipamentos. Podem ser usados, ainda, para a realização de obras de construção, modernização e ampliação para a retomada das atividades, além de reformas em geral em empreendimentos paralisados pela pandemia.

Fonte: Mtur

Câmara de turismo da Fecomércio SC

Câmara de Turismo da Fecomércio SC reúne trade para debater medidas do setor

Os principais atores do trade catarinense debateram a agenda política e econômica do setor durante a reunião da Câmara Empresarial de Turismo da Fecomércio SC, realizada na terça-feira (6) a terceira edição em 2021.

Para fazer um retrato do setor em tempos de pandemia, a Fecomércio SC apresentou em primeira mão a Pesquisa Fecomércio SC de Turismo de Verão no Litoral Catarinense 2021, que traz perfil do turista que circulou no estado e as percepções dos empresários sobre o impacto da temporada nos empreendimentos dos setores de comércio, serviços e turismo. Os dados foram apurados em São Francisco do Sul, Balneário Camboriú, Florianópolis, Imbituba e Laguna nos meses de dezembro, janeiro e fevereiro.

Leia a pesquisa na íntegra

O presidente da Câmara, Marco Aurélio Floriani, propôs a construção de um guia sobre a cadeia produtiva do turismo, com a participação de todos os atores, e destacou a atuação de diversos representantes do setor na elaboração dos decretos e portarias estaduais.

Auxílio ao setor de eventos

A Diretora de Assuntos Legais da Associação Brasileira dos Promotores de Eventos (ABRAPE), Eveline Orth, detalhou o Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos (PERSE), que foi aprovado no Senado no fim de março, mas retornou à Câmara dos Deputados para apreciação por conta de alterações no texto original do PL.

O objetivo do Perse é mitigar as perdas decorrentes da pandemia de Covid-19, disponibilizando diversas medidas de auxílio ao setor, tais como: possibilidade de renegociar dívidas, a contratação de operações de crédito com instituições financeiras públicas e privadas sem a observância de diversas condições legais, a redução a zero das alíquotas da Contribuição para o PIS/Pasep, da Cofins e da CSLL incidentes sobre o seu resultado, a prorrogação do Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda e o acesso ao Programa Emergencial de Acesso a Crédito (Peac).

Pessoas jurídicas de todos os portes estão contempladas pelo PL, incluindo entidades sem fins lucrativos que são ligadas a eventos culturais, esportivos, sociais, corporativos, de lazer; Salas de Cinema; Estabelecimentos Hoteleiros e Serviços Turísticos.

Sinalização turística

Uma das bandeiras da Câmara Empresarial de Turismo e demanda recorrente das IGRs no programa Turismo em Movimento, a sinalização turística em Santa Catarina deve sair do papel em breve. Segundo a Santur, o governo investirá 7,1 milhões de reais para a implantação das placas em 13 regiões, em um projeto de cooperação técnica entre a agência e a secretaria de desenvolvimento. Na primeira etapa serão abarcadas cinco regiões: Caminho dos Canyons, Encantos do Sul, Caminhos do Contestado, Vale das Águas e Caminhos da Fronteira.

A Santur também apresentou o Programa Orla segura, que prevê medidas para tornar as praias mais acessíveis às pessoas com deficiência física, aquisição de equipamentos para balizamento e sinalização náutica em praias e lagoas e a proposta de criação de um novo espaço de pesca esportiva, mergulho  e pesquisas marinhas.

Fonte: Fecomércio

ABIHSC e Busque Seguros

Benefícios para associados ABIH-SC

Na tarde desta terça-feira (30/03) aconteceu uma reunião online de alinhamento para o lançamento de um novo benefício exclusivo para associados ABIH-SC em parceria com a empresa Busque Seguros.

Representando a Entidade estiveram presentes o Diretor-presidente da ABIH-SC, Rui Schurmann, o Diretor Financeiro ABIH-SC, Nery Cardoso, as colaboradoras da ABIH-SC, Juliana Bossi de Castro e Josiane Castilhos.

Representando a empresa Busque Seguros, Nilo Santiago (CEO) e Santiago Parquet (Executivo – Vertical Benefícios).

Benefícios ABIH-SC

Você já conhece os benefícios que a ABIH-SC oferece? Confira!

Busque Seguro: oferece uma grande variedade de produtos e soluções no segmento de Seguros e Benefícios, tanto individuais quanto corporativos. Parceiros de todas as Operadoras de Seguro homologadas no Brasil. Avaliando o perfil de cada segurado e dos produtos de cada seguradora.

Liberty Seguros: Especialista em Seguro de Vida individual e em grupo, com possibilidade de abrir uma conta Affinity para empresas acima de 50 funcionários, o que permite obter descontos além dos praticados no mercado. Também oferece Seguro Automóvel, Residencial, Empresarial e de Engenharia.

Porto Seguro: Tem as melhores condições para contratar um Consórcio, seja para automóvel (novo/usado) ou para imóvel. Atua também com Seguro de Vida (individual ou em grupo) e seguros para Automóvel, Residência e Empresas.

AXA: Possui proteção mais abrangente para Condomínios, sejam residenciais ou comerciais. Suas coberturas são bem completas, com o melhor custo-benefício nesse tipo de seguro.

Mapfre: Quando a demanda é Seguro de Vida com coberturas exigidas pela Convenção Trabalhista, essa é a operadora com as melhores condições do mercado. Oferece também seguros para Automóveis, Residências e Empresas.

SulAmérica: Tem como foco o cuidado com as pessoas, oferecendo Benefícios nos segmentos de Saúde, Odonto, Vida e Previdência. Possui uma das melhores e maiores redes credenciadas do Brasil. Seus Planos de Saúde possuem abrangência nacional (regional sob consulta), com reembolso, com/sem coparticipação e um excelente atendimento.

Bradesco Seguros: Atua no mercado de Benefícios nas áreas de Saúde, Odonto, Vida e Previdência. Tem grande aceitação de seus planos em todo o Brasil. Seus Planos de Saúde são bem diversificados, com abrangência nacional, com/sem coparticipação e com reembolso, inclusive internacional (dependendo do tipo de plano escolhido). Oferece ainda Seguros de Automóvel, Residência e Empresarial.

AMIL: Tradicional operadora de Saúde, com planos de abrangência nacional, com/sem coparticipação, com/ sem reembolso e grande rede credenciada distribuída pelo Brasil. Também possui planos regionais (sob consulta). Seus preços são bem competitivos quando se trata de Plano de Saúde nacional.

LifeDay: Oferece Planos de Saúde regionais, com custo-benefício bem atraente. Ainda que não disponibilize reembolso, possui outros diferenciais interessantes. Agrega em sua rede credenciada os principais centros de saúde, clínicas e laboratórios de exames da região metropolitana.

HapVida: Com atuação e presença centralizada na região de Joinville, tem como diferencial uma rede verticalizada, com clínicas e hospitais próprios. Seus planos possuem preço muito competitivo e seu atendimento ao beneficiário é especial e humanizado.

Kombo: Sistemas online completes para a área de Gestão de Pessoas com 25% de desconto para associados, contemplando: recrutamento e seleção, banco de currículos, divulgação de vagas, avaliação de desempenho e criação de plano de cargos e salários.

Dental Uni: Operadora do segmento de Planos Odontológicos, tanto para pessoa física quanto jurídica. Possui abrangência nacional e ampla rede credenciada pelo país, com excelentes profissionais cadastrados. Conta com grandes diferenciais, como a possibilidade de realizar tratamentos estéticos ou procedimentos que o plano contratado não cobre, através de uma contratação direta com a Operadora, inclusive com formas de pagamento bastante acessíveis.

Quer saber mais? Entre em contato! 48 988437711 ou abih@abih-sc.com.br

O que é self booking e quais são suas vantagens?

O que é self booking e quais são suas vantagens?

A plataforma de self booking para hotéis é responsável por fazer reservas e emissão de relatórios e registrar atividades realizadas no período de hospedagem. A ferramenta de auto reserva é comumente utilizada em viagens corporativas, já que é essencial para prestação de contas aos gestores.

Dessa maneira, a troca de informações é mais fluída, tanto entre colaborador e empresa quanto com a própria agência de viagens. Se você quer conhecer mais sobre o assunto, continue com a leitura do artigo e descubra.

O que é self booking?

O self booking é uma ferramenta digital voltada à viagem corporativa, reunindo  em uma só plataforma todas as informações e processos de uma viagem, desde seu planejamento até o check-out.

Uma viagem a trabalho pode contar com reservas de voos e de quartos, aluguel de carros e todas as ações relacionadas à estadia por meio de um sistema tecnológico, que concentra suas funcionalidades em um único lugar.

Dessa forma, é possível se adaptar às exigências da organização, atendendo à política de viagens corporativas, gerando relatórios, trocando dados de maneira simples e ágil, levantando melhores preços e oferecendo o melhor custo-benefício.

Vantagens do self booking

O self booking é uma ferramenta inovadora e que modifica a forma de acompanhar a estadia de colaboradores em viagens a trabalho. Mas quais são os principais benefícios que esse sistema traz?

Redução de custos

O self booking é essencial para a economia de recursos, uma vez que o sistema é programado para encontrar os melhores preços e dispensa a atuação de intermediários, já que os próprios colaboradores podem concluir os processos.

Diversidade de escolhas

A plataforma traz consigo diversas alternativas, para que o viajante encontre as opções que mais façam sentido para a empresa e sua política de viagens, comparando tipos de quartos, voos, roteiros de deslocamentos e muito mais.

Melhor utilização do tempo

A otimização do tempo é fundamental para garantir a produtividade dos funcionários e o propósito principal da viagem corporativa. O self booking permite que os profissionais deixem de se ocupar com comparações em diversos sites de agência e traz, de forma otimizada, o passo a passo para o cumprimento da viagem.

Autonomia

self booking corporativo permite até mesmo que os colaboradores decidam as melhores datas para suas viagens. Se imprevistos surgirem pelo caminho, não é necessário refazer o planejamento ou contratar intermediários, uma vez que o sistema pode fazer todas as alterações.

Atenção à política de viagem

política de viagem é necessária para regular gastos e acompanhar rotinas, repassando informações das atividades dos colaboradores para a gestão da empresa, justificando despesas.

A organização estabelece normas, que devem ser respeitadas para que a compra de passagens, a reserva de hotel e todos os outros gastos sejam autorizados e validados.

Um exemplo claro dessa regra é o período mínimo em que a compra de passagens e reservas devem ser feitas. Há também um teto de gastos para cada colaborador ou grupo de pessoas, dependendo do setor em que atuam na empresa e seus objetivos no local de viagem.

É válido trazer um treinamento aos colaboradores, transmitindo as regras que devem ser seguidas e ajudando a conter despesas desnecessárias, uma vez que o objetivo final de todas as companhias é o lucro.

Otimize sua gestão hoteleira com o self booking

Ao longo deste conteúdo, trouxemos um breve panorama sobre o que é self booking, sua importância para as empresas e como ajuda a controlar gastos. Entre outras vantagens, está a diversificação de escolhas e a autonomia dos viajantes corporativos.

A modernização da gestão hoteleira já é uma realidade e deve atualizar seus processos, buscando otimizar práticas e automatizar tarefas. Afinal de contas, em qualquer tipo de viagem, a experiência do hóspede é o que conta.

Referência em tecnologia e inovação, nossos sistemas são os parceiros ideais para aprimorar suas práticas e trazer o melhor retorno sobre investimento. A TOTVS é uma empresa 100% brasileira e que acredita no Brasil que faz. 

Se você gostou deste conteúdo e quer adequar seu hotel aos mais diversos tipos de demanda, confira agora por que adotar um sistema hoteleiro. Não se esqueça de continuar acompanhando o blog da TOTVS e assinar a newsletter, para não perder nenhuma novidade.

Fonte: Totvs

Pandemia afeta venda de chocolates, pescados e a hotelaria na Páscoa

Pandemia afeta venda de chocolates, pescados e a hotelaria na Páscoa

Com a pandemia de covid-19 forçando estados e municípios a adotarem medidas que limitam a circulação de pessoas e o funcionamento de estabelecimentos, comerciantes buscam formas de aproveitar a Semana Santa para incrementar as vendas e faturar.

Na tradição católica, a semana em que se celebra a Sexta-Feira Santa e a Páscoa exalta a morte e a ressurreição de Jesus Cristo. Em tempos normais, a data impulsiona não só as vendas do comércio – principalmente de pescados e de chocolates -, como também o turismo doméstico, já que a sexta-feira é feriado.

No entanto, pelo segundo ano consecutivo, a celebração ocorre em meio às restrições que afetam não só as cerimônias religiosas, como também as atividades comerciais. Para a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), as vendas no varejo em geral devem ser 2,2% inferiores às de 2020, movimentando cerca de R$ 1,62 bilhão – o que, se confirmado, seria o pior resultado desde 2008.

Em nota, o presidente da CNC, José Roberto Tadros, afirmou que a retração nas vendas deste ano se deve não só às restrições de funcionamento do comércio, mas também ao fato de que parte da população viu sua renda cair em um momento em que a desvalorização do real frente ao dólar encareceu a importação de alguns produtos típicos. Segundo a confederação, a quantidade de chocolates importada (2,9 mil toneladas) é a menor desde 2013. A de bacalhau (2,26 mil toneladas), a mais baixa desde 2009.

Segundo o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Amendoim e Balas (Abicab), Ubiracy Fonsêca, os fabricantes de chocolate tiveram que levar em conta a perda de poder aquisitivo de parte dos consumidores para pensar suas estratégias de vendas, mas, ainda assim, o setor está otimista.

“A perda de poder aquisitivo é real. Há muita gente sem emprego, sem poder trabalhar. Tendo isso em vista, as fabricantes de chocolate procuraram oferecer produtos acessíveis à população. Quem não puder comprar um ovo de Páscoa, pode adquirir uma barra de chocolate. A estratégia do setor é oferecer o que o mercado quer”, disse Fonsêca à Agência Brasil.

A quatro dias do domingo de Páscoa, Fonsêca destacou que a indústria de chocolates previa criar, direta e indiretamente, 11.665 vagas de trabalho temporário e superar as 8,5 toneladas vendidas em 2020. Metas que, segundo ele, vão ser atingidas.

“Apesar das dificuldades, estamos otimistas. Até porque, cerca de 80% das vendas de ovos de Páscoa acontecem nos supermercados, que estão funcionando normalmente em quase todo o país. Além disso, muitos comerciantes se prepararam para atender aos consumidores pela internet”, comentou o presidente da Abicab, garantindo que as vendas online, que já vinham crescendo ano a ano, deram um salto após o início da pandemia.

O gerente de Marketing, Francisco Alves de Faria Neto, confirma a importância do comércio digital. Com duas lojas físicas no Distrito Federal e uma clientela estabelecida ao longo de 20 anos, a Casa do Chocolate expandiu suas vendas para outras unidades da Federação graças à tecnologia.

“Tivemos um aumento das vendas online de cerca de 70% em comparação à Páscoa do ano passado, quando lançamos o site, em meio à pandemia, que nos fez acelerar o processo”, comentou Neto, acrescentando que o comércio eletrônico já representa metade de todas as vendas da empresa.

De acordo com o gerente, também as vendas nas lojas físicas, autorizadas a funcionar por comercializarem alimentos, “vão indo bem”, embora chocolates mais caros, principalmente os importados, tenham vendido menos que o esperado. “Baixou muito o giro de vários dos itens importados que vendemos. Tanto que tivemos que colocar produtos em oferta para não perder mercadoria. Mas, em geral, vendemos muito bem nas últimas semanas.”

PESCADOS

Em Santos (SP), onde o funcionamento de boa parte do comércio e serviços está suspenso até o domingo (4), os comerciantes do tradicional Mercado de Peixes tiveram que se organizar para levar os produtos ainda frescos até a casa dos clientes, que passaram a fazer suas compras por telefone. Ainda assim, de acordo com Alex Vieira, dono de um dos 20 boxes em funcionamento no local, muitos viram as vendas caírem drasticamente.

“No nosso caso, as vendas caíram em torno de 60% a 70%”, afirmou Vieira, cuja família está no ramo há cerca de 40 anos. “Esta é uma situação totalmente nova para todo mundo, incluindo os clientes. Muitos, que comem peixe sempre e são nossos fregueses há tempos, nos telefonaram e anteciparam seus pedidos, mas há também aqueles que gostam de vir ao mercado, de ver o peixe, escolher. Desses, parte não compra sem olhar o produto, não tem uma relação de confiança já estabelecida”, acrescentou o comerciante santista.

O presidente da Associação Brasileira de Piscicultura (Peixe BR), Francisco Medeiros, destacou que o comércio de pescados comporta diferentes realidades. Segundo ele, para os produtores de peixes cultivados (piscicultores), cujos principais clientes são os supermercados (autorizados a funcionar mesmo onde o lockdown foi adotado), as boas expectativas já se concretizaram.

“Os supermercados não estão sofrendo grandes restrições. Pelo contrário. Estão vendendo muito bem. E, ao contrário da indústria pesqueira marítima, afetada pela pandemia, a piscicultura também não parou. Mantivemos a regularidade, entregando aos compradores as quantidades previamente estabelecidas em contratos e sem aumento nos preços”, comentou Medeiros, estimando que o segmento vendeu cerca de 100 mil toneladas ao longo do último mês.

“Mais uma vez, não voltamos a registrar uma explosão das vendas como as de 2018 e 2019, quando, em alguns locais, chegaram a crescer 300%. Isso não aconteceu, mas, neste ano, também não perdemos vendas. Ao contrário de 2020, quando aí sim, fomos afetados negativamente”, afirmou Medeiros.

HOTELARIA

Outro ramo de atividade que costuma aguardar pelo feriado de Páscoa, o setor hoteleiro é o mais afetado dos três. Segundo o presidente nacional da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH Nacional), Manoel Linhares, a taxa de ocupação dos hotéis de todo o país não deve chegar a 10%, agravando a crise decorrente da pandemia.Manoel Linhares, presidente da ABIH Nacional. 

“A hotelaria está preparada para receber os hóspedes, adotando todos os protocolos recomendados pelas autoridades sanitárias, mas com parques, restaurantes e outras atrações fechadas em quase todo o país. A situação está muito difícil. Só em São Paulo, 27 hotéis já fecharam as portas, demitiram funcionários e os responsáveis estão decidindo o que fazer com os imóveis”, disse Linhares. 

Para ele, o setor precisa urgentemente da promulgação de uma iniciativa semelhante à Medida Provisória 936, de abril de 2020, posteriormente transformada na Lei nº 14.020, que permitiu acordos de redução temporária de jornada de trabalho e salários ou a suspensão de contratos trabalhistas até 31 de dezembro do ano passado.

“Se algo assim não for feito, muitos outros hotéis terão que encerrar as atividades. Atualmente, a hotelaria não tem recursos nem para arcar com os salários e encargos dos cerca de 1,1 milhão de profissionais que emprega em todo o país”, disse o presidente da ABIH Nacional.

Ele pediu que o Poder Público promova campanhas para estimular os brasileiros a viajar pelo país depois que a pandemia estiver sob controle, e que governos estaduais e municipais ajudem o setor reduzindo impostos e taxas, mesmo que temporariamente, e renegociando tarifas de serviços essenciais. “Neste momento difícil, um desconto no IPTU [Imposto Predial e Territorial Urbano, cobrado pelas prefeituras] ou no ICMS [Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços, estadual] cobrado na conta de luz pode ajudar a manter negócios e preservar empregos”, concluiu.

Fonte: Agência Brasil