Carta do Comércio apresenta desafios do setor terciário para candidatos ao governo de SC

 

Infraestrutura e o sistema tributário devem ser os principais desafios para o novo líder do governo estadual, conforme sinaliza a Carta do Comércio, apresentada aos candidatos  Décio Lima (PT), Gelson Merísio (PSD) e Mauro Mariani (MDB), nesta terça-feira (18), durante painel no auditório da Fecomércio SC.

O documento produzido pela Fecomércio SC faz um diagnóstico dos entraves nos setores de comércio, serviços e turismo a partir de oito indicadores: comércio exterior, concorrência, legislação trabalhista, captação de recursos, condições de inovação, ambiente econômico, sistema legal e tributário e infraestrutura. O objetivo é expor as maiores dificuldades dos empresários para balizar a construção do plano de governo de quem ocupará a Casa d’Agronômica nos próximos quatro anos.

“A realidade impõe a todos que pleiteiam a chefia do executivo estadual uma gestão enxuta e eficiente, apostando nas forças produtivas e na capacidade empreendedora de nossa gente. Não há estado forte sem empresas competitivas”, afirma o presidente da Fecomércio SC, Bruno Breithaupt, na abertura do painel. Para Breithaupt, a nota geral atribuída pelos empresários (7,70) reflete a insegurança no ambiente de negócios em SC. Mas, por outro lado, a percepção sobre a legislação trabalhista melhorou, resultado da Reforma Trabalhista.

 

Os macrotemas foram avaliados  de 0 a 10 pontos pelos empresários. Quanto mais próximo a 10, maior o obstáculo para novo governador do Estado.

Propostas de mudanças

Apontada como o maior obstáculo para a competitividade, a infraestrutura recebeu a pontuação 8,5, a mais negativa entre os quesitos avaliados, puxado pelo subitem Segurança Pública (8,92). Para Mariani a solução é blindar o Estado para entrada de drogas e armas. O candidato Décio Lima questionou como o governo do Estado “deixou o crime organizado entrar nos presídios”. Já Merísio afirmou que investir em segurança pública vai fazer “Santa Catarina virar um destino mais atrativo e seguro”, ao ser perguntado sobre a manutenção da Secretária Estadual de Turismo.

Outro ponto debatido pelos candidatos no painel foi o sistema legal e tributário do Estado- a segunda pior avaliação (8,19) no levantamento- que passou a ser mais discutido na campanha eleitoral deste ano após a derrubada na Alesc da MP 220, que reduzia alíquotas de ICMS da indústria, onerando o comércio.

O plano de governo de Merísio prevê o aumento da desoneração fiscal: “Quem paga imposto no Estado é o consumidor. O empresário é apenas o operador da massa tributária. O recurso não pode vir do aumento da carga tributária, mas com a melhora na competitividade das empresas, que faz a receita do Estado crescer”.

O candidato petista falou sobre o fim de “generosidades fiscais”: “Não haverá aumento de impostos na minha gestão, inclusive precisamos de processos que possam reduzir os tributos para atrair investimentos. Os benefícios e isenções devem ser concedidos desde que sejam para empresas que vão gerar emprego e renda”.

Segundo Mariani, a carga tributária já chegou ao limite: “O aumento de impostos inibe a atividade econômica. Precisamos de simplificação da carga tributária para facilitar a vida do cidadão. Parece que existe um pelotão de sabotagem quando o catarinense quer empreender, tamanha a burocracia e quantidade de impostos e taxas”.

Fonte: Fecomércio SC

MTur apresenta Mapa do Turismo Brasileiro em Santa Catarina

Museu de Arte de Joinville, cidade que integra a região turística Caminho dos Príncipes no Mapa do Turismo de SC

Museu de Arte de Joinville, cidade que integra a região turística Caminho dos Príncipes no Mapa do Turismo de SC

 

Participam do seminário gestores públicos, secretários de Turismo, Cultura, Administração e Lazer, além de técnicos e profissionais do setor

 

Gestores de turismo de Santa Catarina terão a oportunidade de conhecer melhor e tirar dúvidas sobre o Mapa do Turismo Brasileiro nesta terça-feira (18). Esta ferramenta de gestão será objeto de palestra e de atendimento presencial com técnicos do Ministério do Turismo durante o Seminário Catarinense de Desenvolvimento Turístico Municipal, que será realizado em Santo Amaro da Imperatriz, na região metropolitana de Florianópolis. A programação do evento se estende amanhã, quarta-feira (19).

Logo após a abertura do seminário, o diretor do Departamento de Ordenamento do Turismo do MTur, Rogério Cóser, participa do painel Regionalização e Gestão do Turismo. “Vamos falar sobre as ações de regionalização, instâncias de governança, categorização dos destinos e principalmente sobre os requisitos para inclusão de municípios na nova versão do Mapa do Turismo Brasileiro, que vigorará em 2019”, afirma Cóser.

Nos dois dias de evento, a coordenadora-Geral de Mapeamento e Gestão Territorial do Turismo do MTur, Ana Carla Moura, atenderá os gestores municipais de turismo. A ideia é explicar aos interessados os critérios para integrar o Mapa do Turismo Brasileiro e a metodologia de categorização dos municípios. “O mapa está sendo atualizado e os municípios podem mudar de categoria, dependendo das variáveis de desempenho. Por isso, é importante que os gestores conheçam bem as regras”, afirma a coordenadora.

O evento é promovido pela Federação Catarinense de Municípios (FECAM) e pelos Colegiados Regionais de Turismo das Associações de Municípios. Durante os dois dias de evento serão debatidas políticas públicas de turismo e troca de experiências com as prefeituras catarinenses. Participarão prefeitos, vice-prefeitos, secretários municipais de Turismo, Cultura, Administração e Lazer, diretores e técnicos da área, profissionais do trade turístico, estudantes e público interessado. Fortalecimento das instâncias de governança; Turismo e a comunidade; Meio ambiente e o turismo; Inovação, Pesquisa e financiamento do turismo também estão entre os temas do seminário.

SC NO MAPA – Santa Catarina conta com doze regiões turísticas no atual Mapa do Turismo Brasileiro. São elas: Caminho dos Canyons, Caminho dos Príncipes, Caminhos das Fronteiras, Caminhos do Alto Vale, Costa Verde & Mar, Encantos do Sul, Grande Florianópolis, Grande Oeste, Serra Catarinense, Vale das Águas, Vale do Contestado e Vale Europeu.

 

Fonte: Ministério do Turismo

Há um ano, MTur fiscaliza turismo no Brasil

 

Trabalho dos agentes do MTur, com o apoio das Secretarias de Turismo das 27 UFs, promoveu avanços na formalização e legalidade da prestação de serviços turísticos no país

 

Desde que a equipe de fiscais do Ministério do Turismo foi a campo pela primeira vez, há um ano, 1.581 estabelecimentos turísticos foram visitados em todo o Brasil. A ação, realizada em parceria com as secretarias estaduais de turismo das 27 unidades da Federação, foi pioneira como medida educativa, oferecendo orientações sobre a regularização dos empreendimentos e divulgando as vantagens do cadastramento para as empresas do setor.

“Foi uma experiência fantástica. Realizamos um trabalho amigável de aproximação com o trade e os gestores locais de turismo, mostrando os benefícios do Cadastur. Para muitos prestadores de serviços fiscalizados, nossa presença foi o primeiro contato com o Ministério do Turismo”, conta a agente fiscal Juliana Oliveira.

O registro no Cadastur, cadastro oficial de prestadores de serviços do setor de turismo, representa uma credencial de segurança para o turista. O cadastro, totalmente gratuito, é obrigatório para 7 categorias, conforme a Lei Geral do Turismo: meios de hospedagem, agências de turismo, transportadoras turísticas, parques temáticos, organizadoras de eventos, acampamentos turísticos e guias de turismo.

Do total de estabelecimentos fiscalizados ao longo de 365 dias de atividades da equipe, 1.139 apresentaram irregularidades. Todos foram notificados pelos fiscais do MTur e 1.033 já estão regularizados no Cadastur. As multas previstas para os serviços que se mantiverem irregulares variam de R$ 350,00 até R$ 1 milhão de reais.

“O objetivo do MTur, antes de multar os prestadores de serviços fiscalizados, é promover um amplo trabalho de sensibilização para proporcionar ao visitante uma experiência turística de qualidade, por meio de serviços formalizados e aptos a atuar no mercado”, destaca Bob Santos, secretário nacional de Qualificação e Promoção do Turismo.

CORPO TÉCNICO – Os fiscais são servidores públicos federais que passaram por um processo de seleção e formação. Todos usam crachá de identificação. O grupo atua em parceria com os órgãos oficiais de turismo dos estados e tem priorizado a fiscalização dos meios de hospedagem, entre os serviços turísticos com registro obrigatório no Cadastur.

“Queremos ampliar a formalização de empreendimentos turísticos, além de coibir irregularidades na prestação de serviços ao turista, que é o consumidor final”, disse Gentil Filho, diretor do Departamento de Formalização e Qualificação no Turismo do MTur. Ele destacou ainda o preparo técnico dos agentes, que receberam instruções sobre a legislação do turismo, o processo de fiscalização e a composição do Cadastur.

O trabalho de fiscalização é também uma demanda dos segmentos do turismo que atuam na legalidade. “Esse nosso empenho em fiscalizar e notificar os serviços irregulares faz parte de um esforço maior de trazermos para a legalidade toda a atividade turística que ainda não foi formalizada”, reforça Tamara Galvão, coordenadora-geral de Cadastramento e Fiscalização de Prestadores de Serviços Turísticos do MTur.

CADASTUR – As pessoas físicas e jurídicas inscritas regularmente no Cadastur têm acesso a financiamento por meios de bancos oficiais, participação em programas de qualificação profissional promovidos pelo MTur, visibilidade nos canais oficiais de divulgação da Pasta, entre outras vantagens.

Além dos prestadores de serviço cujo cadastro é, por lei, obrigatório, também poderão se inscrever no Cadastur estabelecimentos como restaurantes, parques aquáticos, marinas, centros de convenções e locadoras de veículos. Para esses serviços o cadastro é facultativo, mas ajuda o turista na busca por serviços regulares, proporcionando maior segurança ao planejar uma viagem. O cadastro traz uma série de informações relativas aos serviços ofertados pelo empreendimento, o que aponta para o turista que o estabelecimento está legalizado.

Desde o final de março, o procedimento de inscrição ou renovação de cadastro de prestadores de serviços turísticos do Brasil, que é gratuito, pode ser feito totalmente online e de forma simplificada pelo site cadastur.turismo.gov.br.

 

Fonte: Ministério do Turismo

15 de Setembro, Dia do Cliente

 

A ABIH-SC e seus parceiros especiais gostaria de homenagear , você associado, pois todos os nossos esforços e atenção são pensados em você e seu meio de hospedagem!
Recebam o nosso abraço e nossas mensagens especiais.

Informativo ABIH-SC 13 de setembro

 

 

No Informativo ABIH-SC de 13 de setembro você vai ler:

 

ABIH-SC comemora o dia do hoteleiro no Maria do Mar Hotel;-Cruzeiros poderão ficar mais tempo no Brasil;-Centro de eventos de Baln. Camboriú abre as portas em dezembro;-Conserra revela números preliminares do turismo na Serra Catarinense;-Brasil busca referências mundiais de formação em Turismo;-Feriado ensolarado movimenta III Fenatruta;-Empresas de software para gestão na EQUIPOTEL 2018;-Curso de Recepção na ABIH-SC;-Curso PMOC: Plano de Manutenção Operação e Controle;- Nota de Pesar;-Associados ABIH-SC.

 

Nota de Pesar

 

A Associação Brasileira da Indústria de Hotéis de Santa Catarina ( ABIH-SC), manifesta profunda tristeza pelo falecimento do amigo e jornalista, Antônio Claret Rezende, redator/editor do Diplomacia & Turismo. Esteve presente em inúmeras edições do evento Encatho & Exprotel, como parceiro e jornalista convidado realizando seu trabalho de maneira excelente. Apresentamos nossas condolências e prestamos solidariedade aos seus familiares, amigos e a todos que tiveram o privilégio de conhecê-lo.

 

Empresas de software para gestão na EQUIPOTEL 2018

 

Potencial do mercado da hospitalidade cria demanda para empresas do segmento com soluções eficientes e práticas

 

As oportunidades no setor da hospitalidade são responsáveis pela ascensão das novas empresas de tecnologia voltada à softwares de gestão hoteleira: do impulsionamento do faturamento ao relacionamento com o cliente, do marketing digital à formulação de preços e estratégias de vendas e compras. A exemplo disso, diversas empresas de tal segmento estreiam na Equipotel, maior feira voltada ao setor da hospitalidade da América Latina, que em 2018 chega a sua 56ª Edição.

O mercado da hospitalidade é rico e tem enorme potencial de crescimento no Brasil. O país conta com 18,9 mil agências de turismo, 6,9 mil meios de hospedagem cadastrados no Ministério do Turismo e é o país com maior potencial de faturamento dentre 136 nações, de acordo com pesquisa do Fórum Econômico Mundial. “O turismo no Brasil tem inúmeras oportunidades para se desenvolver e a tecnologia, principalmente em gestão, contribui de forma significativa para alavancar o setor”, destaca Gustavo Binardi, diretor da Equipotel.

Com grande margem para se desenvolver, o setor começa a atrair iniciativas empreendedoras na área de tecnologia, que mesmo com a crise cresce anualmente no Brasil. Segundo dados da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom), as associadas faturaram cerca de R$ 467,8bilhões em 2017, aumento de 5,4% comparado ao ano anterior.

De acordo com Rodrigo Simões, head de vendas corporativas da Leucotron, empresa de software e soluções em telecomunicações assídua participante da Equipotel, a tecnologia tem apresentado desafios em termos de inovação e reinvenção. “Na hospitalidade isso não tem sido diferente. Os estabelecimentos do setor estão entrando na era digital e, para atender as novas demandas, desses novos tempos de uma sociedade em rede, hiperconectada, buscam por produtos e serviços que incrementem as experiências de seus clientes, melhorem o relacionamento entre seus funcionários, parceiros, órgãos de governo e regulamentadores do lazer e turismo.” Comenta Rodrigo Simões.

Além da Leucotron, dentre as empresas que figurarão na Equipotel, estão a Vega I.T., a Omnibees, a Bitz Softwares, a Check In Softwares, a Desbravador Software, a E-Solution Tecnologia, a Faitec Tecnologia, a HSystem, a Infotickets,  a KRL Tecnologia, a New Hotel, a Nova XS, a Saga Systems, a HMAX, a Oracle, a Totvs. O hall de empresas de tecnologia é extenso e chega, em 2018, a quase 10% da feira. Número relevante, considerando o tamanho e tempo de existências referidas empresas.

Sobre a Equipotel:

A Equipotel é a maior feira de hospitalidade da américa latina, com 55 edições. Em 2018 a Equipotel contará com 7 áreas: Cozinhar & Servir, Décor & Conforto, Gestão & Conectividade, Lazer & Entretenimento, Cuidados & Limpeza, Relax & Bem-Estar e Serviços & Facilidades. A divisão faz com que a Equipotel seja a única feira latinoamericana que envolve todos os segmentos do mercado da hospitalidade. Trazendo diversas empresas enquanto expositoras em cada um dos setores, o evento visa atrair um público qualificado, reunindo empreendedores a procura de fornecedores para serviços e produtos, técnicos cujo trabalho tenha foco na hospitalidade e estudantes em busca de mais conhecimentos e contatos para a jornada profissional.

 

SERVIÇO

EQUIPOTEL – 56ª EDIÇÃO

Data: 18 a 21 de setembro de 2018
Horário: Terça a Sexta-feira das 11h às 20h
Local: São Paulo Expo, São Paulo – SP
Informações: www.equipotel.com.br

Feriado ensolarado movimenta III Fenatruta

O Fenatruta está na terceira edição e já é um dos eventos mais festejados da temporada.

 

O feriado prolongado, e com temperaturas agradáveis, levou muitos visitantes para as cidades de Urubici e Bom Retiro, na Serra catarinense, local onde acontece o III Festival Nacional da Truta – Fenatruta. Deliciosos pratos à base do peixe, produzido nas águas cristalinas da região, com valores de até R$ 49,00, além dos saborosos vinhos de altitude que harmonizam perfeitamente com as receitas dos 16 restaurantes que participam do evento, e a hospitalidade de quem vive ali, são os ingredientes que fizeram a alegria de quem esteve por lá.

A correria nos restaurantes, para atender a demanda que buscava pelos pratos criados especialmente para o Festival, e o movimento registrado nas reservas de diárias nas pousadas, mostram que mais uma vez o Fenatruta está no caminho certo. Os empresários comemoram um início de setembro com mais procura em relação ao ano passado, com presença de turistas de outros estados, como Rio Grande do Sul, além da grande presença dos catarinenses, que gostam de valorizar o que é daqui.

A Serra é o espaço ideal para se conhecer mais sobre a geografia e a cultura de Santa Catarina. Repleta de estímulos visuais e sonoros, o lugar se propõe ao visitante ser parte da fantástica história da próspera produção de trutas que se expande a olhos vistos em Urubici e arredores. Outra saborosa atração, para bem acompanhar os pratos, são os vinhos de altitude, em que as vinícolas oferecem passeios pelos vinhedos e degustação da bebida produzida ali. Um lugar para desfrutar em todos os sentidos.

 

Fonte: Portal da Ilha

Brasil busca referências mundiais de formação em Turismo

Qualidade dos cursos de Turismo foi pauta de seminário internacional nesta quarta-feira (12), em Brasília. Foto: Roberto Castro/MTur

 

Certificação da Organização Mundial do Turismo para cursos de formação profissional foi tema de seminário internacional no Ministério do Turismo em parceria com o MEC.

 

A proposta de adesão do Brasil ao programa da Organização Mundial do Turismo (OMT), que certifica a qualidade da formação em Turismo, foi discutida em seminário realizado nesta quarta-feira (12) em Brasília. O evento foi promovido pelo Ministério do Turismo em parceria com o Ministério da Educação e a Fundação Themis, braço educacional da OMT. O debate foi sobre os critérios, já aplicados em 30 países, para atestar a qualidade dos cursos de Turismo no Brasil e no mundo. Além dos ministros do Turismo e substituto da Educação, Vinicius Lummertz e Henrique Sartori, e da presidente da Embratur, Teté Bezerra, estiveram presentes técnicos das duas pastas, da OMT e de instituições públicas e privadas de ensino superior que atuam na formação profissional em Turismo e hospitalidade no Brasil.

Para o ministro do Turismo, Vinicius Lummertz, o Brasil está dando um passo importante ao buscar referências internacionais para a formação dos profissionais brasileiros da indústria do turismo. “O referencial internacional vai elevar o patamar de qualidade dos serviços brasileiros, já conhecidos mundialmente através de pesquisas, pela nossa receptividade. Mas precisamos levantar esse patamar em parceria com a OMT. Com a certificação internacional, mais rapidamente nós aprenderemos. As instituições de ensino vão se transformar por competição ou por motivação e os formados sairão melhor preparados para o mercado de trabalho”, destacou.

A busca por referências mundiais sobre a qualidade dos serviços no turismo poderá render vantagens para as instituições que formam profissionais do setor. O ministro substituto da Educação, Henrique Sartori, assegurou o compromisso do Ministério da Educação com o MTur em agregar a certificação da OMT aos programas do MEC. “Vamos conferir bonificações regulatórias para que esses cursos possam aderir a essa programação da OMT e as instituições possam gozar de renovação e de reconhecimento e, até mesmo, a ampliação de oferta de vagas de forma mais robusta”, disse Sartori.

Entre outras vantagens da certificação de qualidade atestada pela OMT, além da regulamentação brasileira, o aluno de turismo, em seu banco escolar, se iguala com a formação em Turismo praticada no mundo inteiro. Para a coordenadora do curso de Turismo da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Danielle Fernandes, uma chancela da OMT representa um diferencial importante para o curso que obteve um “cinco”, nota máxima na avaliação do MEC. “Se obtivermos essa chancela da OMT será o reconhecimento internacional do trabalho que temos feito aqui no Brasil”, disse a professora, ao destacar que o curso passou por uma atualização recente no projeto pedagógico.

Para o secretário nacional de Qualificação e Promoção do Turismo do MTur, Bob Santos, o evento marca o início de uma nova fase do ensino do Turismo no País. “Na formação superior, embora seja voluntária, garantir a aplicação do certificado TedQual nos mais de 700 cursos de graduação de turismo em funcionamento no país trará um importante diferencial competitivo para nossos profissionais, uma vez que eles terão uma formação referendada pela maior e mais importante entidade do turismo mundial”, garantiu.

No Brasil, já são mais de 250 instituições de ensino superior que oferecem cursos de Turismo reconhecidos pelo MEC. O diretor da fundação Themis, Omar Valdez, ressaltou que o programa Ted.Qual já certificou mais de 200 programas de 70 universidade em todos os continentes. No Brasil, até o momento, nenhuma instituição solicitou a certificação. A principal base de avaliação da OMT é o Código Global de Ética para o Turismo que, além de formação e qualificação profissional, defende a atividade de forma responsável e sustentável.

 

Fonte: Ministério do Turismo