SC receberá R$ 3 milhões do Ministério do Turismo para ampliar certificação Bandeira Azul

Com foco no aumento da certificação do Programa Bandeira Azul de praias e balneários catarinenses, o secretário de Estado de Turismo, Cultura e Esporte, Tufí Michereff, esteve com o ministro do Turismo, Vinícius Lummertz, na terça-feira, 5, para acertar a liberação de R$ 3 milhões para investir em pelo menos seis cidades de Santa Catarina. Atualmente, contam com a Bandeira Azul a Praia Grande, em Governador Celso Ramos, e a Praia da Lagoa do Peri, em Florianópolis.

Para receber o certificado internacional de qualidade socioambiental, as praias precisam atender 32 critérios relacionados à educação e informação ambiental, qualidade da água, segurança e serviços, garantindo uma praia limpa, segura e com melhor gestão ambiental. “Obter a marca Bandeira Azul é uma grande responsabilidade que deve ser traduzida em mudança de comportamento e gestão responsável. Hastear a bandeira é somente o início deste processo de mudança”, acrescenta o secretário.

De acordo com Michereff, o recurso será utilizado para auxiliar os municípios em todo no processo de candidatura, desde a solicitação da adesão ao programa, trâmites para receber a visita técnica e avaliação do operador nacional, inscrição no Programa e adequação aos critérios.

Das 10 certificações do Programa aprovadas pelo Júri Internacional para o Brasil, para a temporada 2017/2018, quatro são de Santa Catarina. Além das praias, detêm a Bandeira Azul: o Iate Clube de Santa Catarina e o barco de turismo da empresa Água Viva Mergulho, o primeiro da América do Sul a receber o selo.

Programa Bandeira Azul é amplamente reconhecido no mundo. Foi criado pela Foundation for Environmental Education (FEE), instituição internacional com representantes em vários países. No Brasil, o operador nacional do é o Instituto Ambientes em Rede (IAR), com sede em Florianópolis.

 

Fonte: Secretaria de Estado de Turismo, Cultura e Esporte

Inscrições gratuitas para o Encatho & Exprotel 2019

Vem aí mais uma edição do tradicional Encontro Catarinense de Hoteleiros – Encatho e Exprotel

Promovido pela Associação Brasileira da Indústria de Hotéis de Santa Catarina- ABIH-SC, o Encontro Catarinense de Hoteleiros- Encatho & Exprotel chega à 32ª edição. O objetivo é apresentar as inovações, soluções, tendências e perspectivas para a hotelaria e o turismo, qualificando a mão de obra. O evento irá oportunizar  negócios, qualificação, novidades em produtos e serviços, atualização na operação, gerar networking e divulgar as potencialidades do turismo nacional.

Faça agora mesmo a reserva do seu espaço – comercial@abih-sc.com.br | (48) 3222-8492 ou Whats (48) 98843-7659

Em breve iremos divulgar a programação completa.

save the date Encatho 2019

Público-alvo

O evento reúne empresários e profissionais  de meios de hospedagens, fornecedores de produtos e serviços, entidades do trade, autarquias e órgãos governamentais, imprensa especializada, meio acadêmico, entre outros.

 

Exprotel é elogiada pela qualidade do espaço e negócios gerados

Um evento é algo muito especial e momentâneo. Falhas existem, mas saber administrar e tornar os problemas imperceptíveis para quem participa é fundamental. Por este motivo, ter uma equipe entrosada e qualificada para cada função é essencial. E este grupo de pessoas são os fornecedores.

Vamos combinar que escolher um, em meio a muitas empresas que oferecem os mesmos serviços não é tarefa nada fácil.  E aqui, nem sempre o preço é o principal. A credibilidade e experiência são fundamentais, afinal, você vai querer ter certeza de que ele não falhará na “hora H”, comprometendo todo o seu evento e a imagem da sua marca. “É claro que você não tem que contratar o mais caro, mas também não escolher uma empresa por ter um preço muito inferior ao praticado no mercado. Sempre conseguimos equalizar e, desde que sou responsável por esta área no evento, tenho certeza que temos os melhores resultados. Conseguimos entregar os estandes no prazo, mantemos sempre um ambiente limpo e acolhedor, procuramos atender as demandas da melhor forma possível a satisfazer tanto os expositores quanto o público visitante”, afirma Juliana Bossi Castro, responsável pela comercialização e montagem da Exprotel.

Há anos, a Exprotel vem sendo reconhecida como uma das grandes vitrines dos fornecedores do segmento turístico e hoteleiro no sul do país. Tudo isso, graças a um planejamento bem elaborado pela diretoria da ABIH-SC, com a participação ativa dos fornecedores que contribuem com sua experiência para que as melhores decisões sejam tomadas, e os melhores resultados sejam alcançados.

Ao comemorarmos o sucesso de mais uma edição, queremos reconhecer o importante trabalho desenvolvido por alguns dos fornecedores da Exprotel, entre eles, a Folha Stands, montadora oficial do evento. Com experiência de mercado, qualidade de entrega, respeito os prazos e atendimento às necessidades dos expositores, a empresa novamente colaborou significativamente para o sucesso da área de exposição no evento, desde o planejamento à entrega do espaço.

Também queremos registrar o brilhante trabalho da equipe da Florivette que utilizando todo seu conhecimento e sensibilidade planejou a decoração, ambientação e cenografia do espaço, garantindo um ambiente de negócios aconchegante e acolhedor.

Já o trabalho de manter todos os ambientes o mais limpo possível foi realizado pela LCom Limpeza, empresa que executou o trabalho com discrição, de forma a não atrapalhar a execução das atividades do estande.

 

Depoimento de alguns dos expositores do evento:

“A feira é sempre muito importante pra gente, sempre foi. Por isso participamos há mais de uma década de forma ininterrupta e estaremos em 2019. Ela é importante para geração de negócios e para fixação de marca. A Harus atende hoje muito bem o mercado catarinense. Estamos vendo, inclusive, para montar uma filial da empresa no estado para melhor atender a região sul”, Luiz Roberto Magrin Filho, Harus.

“O evento para a Gazin foi um sucesso. Um espaço maravilhoso, com uma ativação de marca muito otimizada. Tivemos diversos novos contatos com muitos orçamentos tanto durante quanto pós evento. O evento para nós foi excelente”, Mauro Fagotti, Gazin.

“A feira foi para nós um marco muito importante em nosso novo caminho/desafio. Ficamos felizes em poder expor nossos produtos e serviços para o público de SC. Acabamos desenvolvendo outras parcerias de negócios. E aproveitando, gostaria de parabenizar a Juliana pela ótima profissional que é, sempre gentil e prestativa para tudo e todos. Percebi desde o primeiro dia que falamos via telefone e até o ultimo dia da feira”, Fabricio Z. Rocha, Gestor Comercial, Universo Móveis.

“Estamos parabenizando o evento, a organização sempre numa crescente evolução. Ficamos igualmente satisfeitos com a participação no mesmo, e queremos sempre poder participar mantendo assim um estreitamento maior e melhor com clientes já ativos, e outros que poderão vir a ser. Agradecemos imensamente nossa acolhida”, Rita Garrido, Departamento Comercial, Pavanny.

“Gostaríamos de agradecer a receptividade nesta edição. Esperamos estar sempre com vocês nesse importante evento para o sul do país e para a região de Santa Catarina. Buscamos sempre ter importantes parcerias e empresas como a de vocês que nos ajudam a proporcionar um momento próximo aos hoteleiros apresentando o que sabemos fazer de melhor, surpreender e fidelizar os hóspedes”, Mauro Carvalho de Oliveira, CEO e Diretor Comercial, Realgem’s.

Outras informações, lista de expositores e muito mais podem ser obtidas no site www.encatho.com.br

Encatho & Exprotel 2019

Normas de acessibilidade

Norma de Acessibilidade: Decreto estabelece adaptações em hotéis e pousadas

Normas de acessibilidade

Desde março de 2018, um decreto federal estabelece obrigações distintas para três tipos de estabelecimentos diferentes, a partir da sua data de construção. Hotéis, pousadas e estruturas similares em todo o Brasil devem atender aos princípios do desenho universal e ter como referências básicas a Norma de Acessibilidade da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT NBR 9050). As informações são do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil (CAU/BR).

Essa obrigação foi determinada pelo Decreto nº 9.296/2018 da Presidência da República, e tem como objetivo permitir que o maior número de hóspedes, independentemente de sua condição física, sensorial, intelectual ou mental, possam desfrutar de todas as comodidades oferecidas pelos estabelecimentos. Trata-se de uma regulamentação do Estatuto da Pessoa com Deficiência (Lei n º 13.146/2015). O respeito às normas de acessibilidade é um grande campo de trabalho para arquitetos e urbanistas, pois diversos estabelecimentos terão de adaptar seus projetos arquitetônicos à nova lei.

O Decreto nº 9.269/2018 estabelece obrigações distintas para três tipos de estabelecimentos diferentes, a partir da sua data de construção: hotéis e pousadas construídos até 29 de junho de 2004, antes da publicação das normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT); os construídos entre 30 de junho de 2004 e 2 de janeiro de 2018; e os novos estabelecimentos,construídos a partir deste ano. Também estabelece três tipos de medidas que devem ser adotadas: características construtivas e recursos de acessibilidade; ajudas técnicas e recursos de acessibilidade; e ajudas técnicas e recursos de acessibilidade que devem ser atendidos sob demanda dos hóspedes.

Os novos hotéis e pousadas deverão disponibilizar no mínimo 5% dos dormitórios com as características construtivas e os recursos de acessibilidade estabelecidos na Norma de Acessibilidade e aparelhos que garantam a autonomia total dos hóspedes com deficiência. Os demais 95% dos quartos devem possuir as ajudas técnicas e os recursos de acessibilidade como: vão de passagem livre mínimo de 80 cm para as portas, barra de apoio no box; chuveiro com barra deslizante, desviador para ducha manual, campainha e sinalização de emergência sonora e luminosas; aparelho de televisão com receptores de legenda oculta e de áudio secundário, e telefone com tipologia ampliada e amplificador de sinal, entre outros. Os dormitórios acessíveis não poderão estar isolados dos demais e deverão estar distribuídos por todos os níveis de serviços e localizados em rota acessível.

 

Hotéis e Pousadas já existentes

 

Estabelecimentos construídos entre 29 de junho de 2004 e 2 de janeiro de 2018 devem disponibilizar no mínimo 5% dos dormitórios com as características construtivas e os recursos de acessibilidade estabelecidos na NBR 9050 e aparelhos que garantam a autonomia total dos hóspedes com deficiência. Outros 5% dos quartos devem possuir as ajudas técnicas e os recursos de acessibilidade citadas acima. Já os hotéis e pousadas construídos antes de 29 de junho de 2004 deverão promover as mesmas mudanças previstas para os imóveis erguidos antes de janeiro de 2018, porém abre-se a hipótese de se utilizar a chamada “adaptação razoável” nos casos em que comprovadamente não for possível aplicar as normas estabelecidas no decreto. Porém, essa comprovação deverá ser feita por meio de laudo técnico assinado por arquiteto e urbanista ou engenheiro.

Em todos os casos, hotéis e pousadas deverão fornecer aos hóspedes as ajudas técnicas e os recursos de acessibilidade exigíveis sob demanda, a saber: cadeiras de roda; cadeiras adaptadas para banho; materiais de higiene identificado em braile e embalagens em formatos diferentes; materiais impressos disponíveis em formato digital, braile, fonte ampliada com contraste, a exemplo de formulários impressos, informações sobre facilidades e serviços oferecidos dentre outros; cardápio em braile e fonte ampliada com contraste; relógio despertador/alarme vibratório; e dispositivos móveis com chamada em vídeo e mensagem disponibilizados nas áreas comuns do estabelecimento ou aplicativo de comunicação criado nos termos estabelecidos na Resolução nº 667 da Anatel.

As áreas comuns do estabelecimento, ou seja, todas as áreas de livre acesso aos hóspedes, incluídos, entre outros, garagem, estacionamento, calçadas, recepção, área de acesso a computadores, escadas, rampas, elevadores, áreas de circulação, restaurantes, áreas de lazer, salas de ginástica, salas de convenções, spa, piscinas, saunas, salões de cabeleireiro, lojas e demais espaços destinados à locação localizados no complexo hoteleiro, deverão observar as normas aplicáveis às edificações de uso coletivo previstas no Decreto nº 5.296, de 2 de dezembro de 2004, e as normas técnicas de acessibilidade da ABNT.

Este decreto não alcança os hotéis, pousadas e similares que estejam classificados como microempresa ou empresa de pequeno porte. Esses estabelecimentos devem observar regulamentação específica, conforme prevê o artigo 122 da Lei nº 13.146, de 2015.

Banco do Brasil oferece financiamento de Projetos

 

O CAU/BR e o Banco do Brasil criaram uma linha de financiamento de até R$ 30.000 para que clientes com necessidades especiais possam adaptar suas residências de acordo com as normas de acessibilidade. Em 2013, o governo federal publicou portaria interministerial que amplia os tipos de serviços e produtos que podem receber crédito do Banco do Brasil visando melhorar as condições de acessibilidade, dentro do programa Viver sem Limites.

Entre os novos serviços que a legislação considera como “tecnologias assistivas passíveis de financiamento” estão o projeto arquitetônico de adaptação de imóvel residencial para adequação de acessibilidade (financiamentos de até R$ 5.000); os serviços de execução desses projetos (até R$ 10.000); e os materiais necessários para a adaptação (até R$ 15.000).

A mudança na portaria que define as tecnologias assistivas é resultado de um trabalho conjunto entre o governo federal, o Banco do Brasil e o CAU/BR, que forneceu as orientações sobre a realização dos projetos de adequação. Inclusive, o Conselho vai adaptar o formulário eletrônico do Registro de Responsabilidade Técnica (RRT) para atender à nova legislação. O arquiteto e urbanista que registrar a atividade 1.1.6. Projeto de Adequação de Acessibilidade ou 2.1.5. Execução de Adequação de Acessibilidade deverá informar se está integrando o Programa Viver Sem Limites. Saiba mais aqui.

 

Fonte: INBEC Pós-Graduação